Era Temer já tem mais de 100 assassinatos por conflitos agrários

In De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Governo Temer, Principal, Últimas

Com 65 mortes, número de 2017 já é o maior nos últimos 14 anos e teve chacinas como marca; Comissão Pastoral da Terra ainda apura outros casos e quantidade pode aumentar

Por Cauê Seignemartin Ameni

A era Temer já tem mais de cem assassinatos por conflitos agrários. Dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT) mostram que já há 65 mortes confirmadas em 2017. E alguns casos ainda estão sob análise. Os demais assassinatos ocorreram em 2016, no período após a queda de Dilma Rousseff (PT), entre a interinidade e a efetivação de Michel Temer (PMDB) na Presidência da República.

Na manhã de 12 de maio de 2016, o Senado votou pela abertura do processo de impeachment. No mesmo dia, Dilma foi afastada para dar lugar a Temer. Dessa data até o fim do ano – conforme o De Olho nos Ruralistas apurou junto à CPT -, 35 pessoas foram assassinadas por causa de conflitos no campo. Mais da metade do total de mortos (61) daquele ano.

A situação piorou em 2017. Segundo dados parciais da CPT, divulgados em janeiro, no mínimo 65 pessoas foram assassinadas por lutarem pela reforma agrária e por seus territórios tradicionais. Esse número pode aumentar se outras dez mortes sob investigação se confirmarem como assassinatos políticos.

Este observatório mostrou no ano passado que, entre 1985 e 2016, 1.833 pessoas foram mortas por conflitos agrários: “Democracia já tem quase 2 mil assassinatos políticos no campo“. Com as 65 mortes de 2017, esse número chega a 1.898.

Cabe registrar que esses números não se referem a conflitos comuns (em decorrência de brigas entre trabalhadores rurais, por exemplo): referem-se a camponeses e lideranças assassinados em decorrência da disputa por terra.

CHACINAS MARCARAM 2017

Os dados mostram o acirramento de uma tendência. O ano de 2016 já tinha uma marca histórica: o maior número de assassinatos desde 2003. Isso significou um aumento de 20% de mortos em relação a 2015. O ano de 2017 teve ainda mais mortes, 65, chegando perto da marca de 2003, quando 71 pessoas morreram.

De acordo com o relatório da CPT sobre 2017, os assassinatos dos anos anteriores caracterizavam-se pelos alvos seletivos: mortes de lideranças para amedrontar o restante da comunidade. No ano passado, uma metodologia mais antiga voltou à tona: chacinas, massacres, assassinatos em massa.

O relatório destaca alguns exemplos mais eloquentes, como a chacina de Colniza, no Mato Grosso, em abril, quando nove camponeses foram torturados e assassinados por pistoleiros a mando dos madeireiros da região. A chacina de Vilhena, em Rondônia, ocorrida no mês seguinte, vitimou três camponeses que lutavam pela reforma agrária na região.

O massacre com maior repercussão nacional foi o de Pau D’Arco, no Pará, também em maio. Policiais militares e civis executaram dez trabalhadores rurais sem terra. O Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJE) chegou a determinar a soltura, em 18 de dezembro, de todos os PMs envolvidos nessa chacina. Na semana seguinte o Superior Tribunal de Justiça (STF) determinou novamente a prisão.

“Chacina em Pau D’Arco foi responsabilidade do governo”, diz MST

O relatório descreve outros casos fatais e alguns episódios com vítimas que tiveram ferimentos graves. Os dados são preliminares e devem integrar o relatório final que a comissão divulga sempre no primeiro semestre do ano.

Segundo o relatório, os dados de 2017 confirmam uma tendência observada nos últimos dez anos: as vítimas continuam sendo assassinadas indiretamente pela expansão do latifúndio, do agronegócio, da mineração e das grandes obras de infraestrutura. Os atuais índices, destaca a pesquisa, conferem ao Brasil o título de país mais violento para populações camponesas no mundo.

O PAPEL DAS REFORMAS

“O aumento da escalada dos assassinatos é também decorrente das reformas institucionais e desmonte generalizado dos programas sociais e para o campo em especial”, escreve em outra pesquisa João Cleps Junior, professor do Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, onde coordena o Laboratório de Geografia Agrária.

Cleps falou sobre o tema na edição de dezembro do boletim DataLuta. “O rebaixamento ou mesmo o fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário e da Ouvidoria Agrária têm como consequência o aumento da criminalização e assassinatos no campo”, diz o pesquisador. Por encorajarem a impunidade.

Outro golpe contra as conquistas sociais, segundo ele, é a Medida Provisória que descaracteriza o trabalho escravo, suspensa pelo STF. “Os ataques chegam por meio de Medidas Provisórias, decretos e outras normas, sem discussão no Parlamento e com a sociedade em geral”, afirma.

You may also read!

Recebido por Bolsonaro, dono de empresa de aviação agrícola foi condenado por desmatamento

Rene Mariano esteve com o presidente eleito em lobby pelos produtores de banana do Vale do Ribeira (SP); Ministério

Read More...

Bolsonaro recebe empresário condenado por plantar bananas em parque estadual no Vale do Ribeira

Presidente eleito foi um dos entusiastas da candidatura derrotada de Valmir Beber a deputado federal pelo PSL, cuja empresa

Read More...

Bancada ruralista já emplacou sete deputados no governo Bolsonaro

Membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) demonstram força e disputam com os militares o domínio na Esplanada; três

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu