Pobreza rural atinge 60 milhões de pessoas na América Latina, diz OIT

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Relações de trabalho, Últimas

Relatório da Organização Internacional do Trabalho diz que 56% dos trabalhadores nas áreas rurais da região – e do Caribe – estão em situação de vulnerabilidade, contra 27% nas áreas urbanas

A taxa de pobreza rural atinge 46,2% da população da América Latina e do Caribe, informou no dia 20 a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Ela afeta 60 milhões de pessoas no campo. A taxa de pobreza urbana nessa região é de 23,8%.

A agência da Organização das Nações Unidas (ONU) informa que 56% dos 52 milhões de trabalhadores rurais caribenhos e latino-americanos estão em situação de vulnerabilidade (salários baixos, pobreza, poucas proteções sociais) nas áreas rurais. O dobro do constatado nas áreas urbanas, 27%.

O diretor-regional da OIT para a América Latina e Caribe, José Manuel Salazar, disse que as zonas rurais recebem menos investimentos públicos e privados em infraestruturas produtivas e sociais.

A cobertura de saúde da população rural, de 37%, também é menor que a observada nas cidades, que têm um índice de 56%. No caso da aposentadoria, o acesso nas áreas rurais é de 26,5%, contra 56,3% nas áreas urbanas. O desemprego urbano nos 14 países analisados (7,6%), porém, é maior que o desemprego rural, de 3,1%.

O estudo da OIT diz que em alguns países a multa para empresas que não pagam o salário mínimo são tão baixas que convém economicamente a elas pagar as multas em vez dos salários. “Há indicações de que este fenômeno é bastante generalizado na região”, diz o relatório.

O Brasil é definido como uma economia rural em transição. O país tem uma das maiores taxas da região (48,5%) de trabalhadores rurais que dizem trabalhar “por conta própria”. Outros 28,6% são assalariados privados. E a porcentagem dos que se declaram empregadores – ainda no que se refere ao campo – é uma das menores entre os países analisados: de apenas 1,6%.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.