De Olho em Paraty: o ministro, o empresário e o ambiente

In De Olho TV

Vídeo emiuça relação entre Teori Zavascki e Carlos Filgueiras e o conflitoso contexto ambiental

Por que a imprensa já se esquece de Paraty? Com quem voava o ministro Teori Zavascki? Quem era o empresário – e fazendeiro – Carlos Alberto Filgueiras? Por que ele tinha uma ilha, se as ilhas pertencem à União? Por que a mídia não fala de uma fazenda do empresário, em Paraty, que também pertenceria à Marinha? As conexões entre o ministro e Filgueiras eram estritamente republicanas? O que tem a ver o ambiente – e Paraty – com a tragédia que chocou o país no dia 19 de janeiro? E qual a relação do acidente com o tema deste observatório sobre agronegócio, a questão agrária?

Essas são as perguntas que abrem a primeira edição, em novo formato, do “De Olho TV“. Após uma sequência de programas, desde setembro, baseados em uma grande entrevista, o observatório aposta agora em um roteiro mais enxuto, com algum apelo didático e ênfase em um grande tema – no caso, o acidente que chocou o país no dia 19 de janeiro, com o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele morreu em companhia do dono do avião, o empresário Carlos Alberto Filgueiras. Em um território muito peculiar, Paraty. Destino de ricos, em fins de semana e feriados, em praias, fazendas e ilhas com um perfil que poderia ser bem mais público – e transparente – do que se revela.

Paraty tem um histórico de conflitos sociais e ambientais. Comunidades quilombolas, povos indígenas e pescadores acostumaram-se, ao longo da história, em assistir a um processo predador de apropriação do território e dos recursos naturais.

É nesse contexto que Filgueiras despontou, adquirindo terras na região. O território onde Zavascki morreu, queiram ou não os defensores de uma visão “técnica” nas decisões de Justiça, era também um território político.

You may also read!

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.