Frigorífico no MT é acusado de destinar a consumo humano porcos mortos durante transporte

In De Olho na Comida, Principal, Últimas

Segundo secretário da Agricultura de Juína, carne seria destinada a embutidos, em vez de reciclagem; veterinário determinou a paralisação das atividades

Localizado em Juína, a 737 quilômetros de Cuiabá, o Frigorífico de Abate Suíno Dom Porco foi interditado pelo Sistema de Inspeção, vinculado à Secretaria Municipal de Agricultura. Segundo o secretário municipal de Agricultura, Pecuária e Meio Ambiente, João Manuel de Souza Peres, ele vendeu animais mortos durante o transporte para consumo humano, o que é vetado pela vigilância sanitária.

Segundo o G1, os fiscais flagraram o caso no dia 4. Eles disseram, no relatório de inspeção encaminhado à Secretaria de Agricultura, que a carne de quatro porcos apresentava mau cheiro. Ouvido pelo site Agro Notícias, o secretário disse que eles deveriam ter sido destinados à reciclagem por uma empresa especializada, mas estavam sendo manipulados na sala de abate:

– O intuito era usar a carne para confecção de embutidos, uma indústria paralela do frigorífico. Ao constatar isso, o técnico informou o veterinário responsável pelo serviço de inspeção, que determinou a paralisação imediata de todas as atividades.

CASA ABATIA O DOBRO PERMITIDO

O site explica que a prefeitura já havia encontrado irregularidades no frigorífico. Em janeiro, conforme o secretário, a administração firmou um termo de compromisso para adequação:

– É um frigorífico projetado para abater de 20 a 25 cabeças por dia e estava com o dobro disso, às vezes até mais. Havia também irregularidades na questão tributária, que não vinha sendo recolhida regularmente, e ambiental, em relação ao despejo dos dejetos.

Para reciclagem ou para embutidos? (Foto: Secretaria de Agricultura de Juína-MT)

Mas o arrendatário – não localizado pela reportagem do Agro Notícias – não procurou a prefeitura para negociar a reabertura da unidade. Seu filho, que não quis se identificar, negou que a direção tenha dado ordens para reaproveitamento dos animais mortos durante o transporte. Ele disse que ocorreu um “erro operacional” dos funcionários e que os fiscais fizeram uma “má interpretação”:

– Houve a morte de dois animais durante o transporte. Eles estavam sendo descartados, quando os fiscais chegaram e acharam que seriam aproveitados. Porém, a inspeção não estava errada, pois houve procedimento errado por parte dos funcionários. O fiscal entendeu como tentativa de aproveitamento. A direção da unidade nunca deu autorização para utilização destes animais. Isso nunca ocorreu.

O frigorífico emprega 14 funcionários.

CPI DOS FRIGORÍFICOS

A indústria da carne em Mato Grosso foi investigada em 2016 por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada na Assembleia Legislativa do Estado. O relatório final foi divulgado na semana passada: “CPI mostra como JBS dominou 56% do mercado da carne no MT“. Plantas sem estrutura, benefícios fiscais fraudulentos e concentração de mercado pela JBS foram algumas das questões apontadas pelos deputados.

You may also read!

Desassistidos, quilombos sofrem com agravamento da fome na pandemia

Em arguição ao STF, comunidades queixam-se da ausência de ações que viabilizem a segurança alimentar, como a distribuição de

Read More...

Candidatos com multas e lista de acusações avançam na capital da pecuária, no Pará

Com maior rebanho do Brasil e vice-campeão em devastação, São Félix do Xingu e arredores atraem políticos de diversas

Read More...

De Olho nos Ruralistas estreia cobertura eleitoral com raio-x dos pecuaristas

Série "O Voto que Devasta" detalha, nas próximas semanas, a relação dos candidatos a prefeito com o ambiente, o

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.