Mostra de cinema ambiental reúne 133 filmes de doze países em SP

In De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

Exibições e debates gratuitos da Ecofalante acontecem entre 30 de maio e 12 de junho em salas de cinema e plataformas online; De Olho nos Ruralistas participa de uma mesa sobre a resistência dos povos tradicionais

Por Daniel Perseguim

A oitava edição da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental abre para o público nesta quinta (30), em São Paulo, com 133 filmes de 32 países. Constam da programação diversos ciclos temáticos: as utopias e o cinema militante pós-68 (com obras assinadas por diretores consagrados, como Agnès Varda, Michelangelo Antonioni e Glauber Rocha), o Panorama Internacional Contemporâneo, a Sessão Infantil e o 2º Seminário de Cinema e Educação, além dos novos programas Mostra Brasil Manifesto e Realidade Virtual.

Um total de 24 produções estão incluídas na Competição Latino-Americana deste ano, apresentando obras da Argentina, Brasil, Colômbia, México, Peru e Venezuela. No júri, os cineastas Tadeu Jungle e Lina Chamie e o crítico Heitor Augusto.

O circuito de exibição foi ampliado e as sessões acontecem em 40 espaços, além das plataformas Spcine Play. A mostra, organizada pela ONG Ecofalante, é considerada o evento audiovisual mais importante da América do Sul dedicado a temas socioambientais. E a maior mostra gratuita de cinema de São Paulo. A cada edição, celebra a Semana Nacional do Meio Ambiente e o Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho).

De Olho nos Ruralistas participa na sexta-feira, às 20 horas de uma mesa de debates sobre sociobiodiversidade: “Os Povos Tradicionais no Front de Batalha“. O encontro no Reserva Cultural (Avenida Paulista, 900) reunirá os pesquisadores Tatiane Klein e Mauricio Torres e o editor do observatório, Alceu Luís Castilho, com mediação do jornalista Leonardo Sakamoto.

Antes, às 18h30, será exibido xibição do filme “Silas” (uma produção do Canadá, África do Sul e Quênia), que retrata conflitos sociais na Libéria, no embate com empresas chinesas e ocidentais, tendo à frente o ativista ambiental liberiano Silas Siakor. O filme é dirigido por Anjali Nayar e Hawa Essuman.

Confira o trailer do filme “Silas”.

DIRETOR DE FILMES SOBRE AGROTÓXICOS GANHA HOMENAGEM

O cineasta Silvio Tendler é o homenageado deste ano, marcando presença na mostra com onze títulos, entre ele “Os Anos JK – Uma Trajetória Política”, “Jango”e as duas versões de “O Veneno está na Mesa”. O mais recente deles, “O Fio da Meada”, estreia no festival. O filme acompanha a luta de caiçaras, quilombolas e indígenas pela sobrevivência, tentando impedir que suas reservas naturais sejam destruídas pelo processo de urbanização.

Uma das novidades desta edição é a projeção de dois filmes com “experiência sensorial”. Em um deles, “Mudanças Climáticas: O Preço do Banquete” (Brasil), sons de motocicletas e motosserras se sobrepõem aos cantos de pássaros na Amazônia. Uma prévia desse filme pode ser vista aqui.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.