Milícia de grileiro atirou em quilombola na Ilha do Marajó, diz MPF

In De Olho nos Conflitos, Principal, Quilombolas, Últimas
(Foto: Waldenir Lichthenthaler/MPF-PA)
Conflito entre fazendeiro e comunidade já dura décadas, informa a seção paraense do Ministério Público Federal; em 2013, um líder da comunidade foi assassinado

O Ministério Público Federal (MPF-PA) descreveu nesta quinta-feira a a tensão em que vivem os moradores da comunidade quilombola Gurupá, na Ilha do Marajó (PA). E informou que, em setembro, um deles foi atingido na barriga. Está em Belém, sem risco de vida. Os autores são milicianos, diz o MPF, utilizando um termo – correto – pouco utilizado pela imprensa brasileira ao descrever a violência no campo.

Segundo os procuradores, o conflito já dura décadas. O fazendeiro Liberato Magno de Castro “ocupa ilegalmente terras públicas e disputa áreas quilombolas”. A milícia continua atuando, mesmo tendo o governo decidido em abril que o território é quilombola.

Um estudo publicado no ano passado fez um histórico da comunidade. Segundo a Associação Quilombola do Rio Gurupá, 800 pessoas vivem no local. Segundo o historiador Raimundo Pereira Barros, o conflito com Castro vem desde a década de 70 – mas remonta a seus parentes, no fim do século 19.

“Há jagunços armados que amedrontam as pessoas, e é impressionante como a força policial é rapidamente deslocada para o local quando o fazendeiro faz alguma denuncia”, disse ao pesquisador a quilombola Analú Batista. “Já fomos até na corregedoria denunciar alguns desmandos policiais que só escutam o lado do fazendeiro”.

Em 2013, o líder quilombola Teodoro Lalor foi assassinado em Belém.

MPF x UNIÃO

O MPF entrou com três ações judiciais. E suspeita da participação de policiais na milícia. Os procuradores querem que a Polícia Federal e a Força Nacional de Segurança sejam enviadas para a região, requerem demarcação em até 60 dias e a retirada imediata de Liberato de Castro.

Uma das ações tem como réus a União, o Estado do Pará, a Fundação Palmares e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Este também é o réu da segunda ação, que pede o encerramento do estudo sobre a cadeia dominial das “propriedades”.
A terceira ação – contra a União – pede que a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) promova a regularização fundiária da área ocupada por Liberato e pela fazenda São Joaquim Agropecuária Ltda, com anulação dos títulos e registros particulares inválidos.

You may also read!

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Reportagem sobre Arthur Lira ganha Prêmio Megafone de Ativismo

Vencedor da categoria Mídia Independente, dossiê do De Olho nos Ruralistas detalha face agrária e conflitos de interesse da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu