Indústria da soja rejeita moratória no Cerrado

In Cerrado, De Olho no Ambiente, Desmatamento, Em destaque, Principal, Últimas

Associação que representa o setor, Abiove, não vê crise que justifique restrição, e diz que o bioma ainda tem uma área do tamanho do Reino Unido, 25 milhões de hectares, para o cultivo do grão

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais divulgou nesta segunda-feira (24/10) nota contra a moratória da soja no Cerrado, ideia defendida pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, na comemoração dos dez anos da moratória da soja na Amazônia – que restringe a compra, por empresas, de produtos oriundos do desmatamento.

A Abiove considera a medida desnecessária porque, em 2006, “a governança ambiental pública era incipiente e o desmatamento se encontrava em patamares elevados”. “Não há uma situação de crise que justifique uma Moratória para o bioma”, diz a associação.

A assoociação  diz defender o desmatamento ilegal zero no Cerrado, a partir dos instrumentos já existentes, como o Código Florestal e o Cadastro Ambiental Rural (CAR).

E afirma que há considerável área de pastagens degradadas no bioma “que poderá ser utilizada para o cultivo de soja”. Mais precisamente 25,4 milhões de hectares – algo como o tamanho do Reino Unido “com alta aptidão para a expansão da produção agrícola”.

You may also read!

Syngenta contesta relatório sobre agrotóxicos divulgado pela ONG Public Eye

Para a multinacional suíça, fabricante de pesticidas considerados "altamente tóxicos", dados são enganosos e contêm motivações políticas; empresa diz

Read More...

A história do trabalhador que morreu em máquina de moer frango – e do frigorífico onde ele trabalhava

A família de Rodrigo Lopes ainda aguarda informações do inquérito sobre sua morte, em março, no município de Eldorado

Read More...

Brasil consome 18% dos agrotóxicos do mundo, mesma porcentagem dos Estados Unidos

Relatório da ONG Public Eye mostra que a Syngenta despeja no país 32% de seus produtos classificados como "extremamente

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.