Indústria da soja rejeita moratória no Cerrado

In Cerrado, De Olho no Ambiente, Desmatamento, Em destaque, Principal, Últimas

Associação que representa o setor, Abiove, não vê crise que justifique restrição, e diz que o bioma ainda tem uma área do tamanho do Reino Unido, 25 milhões de hectares, para o cultivo do grão

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais divulgou nesta segunda-feira (24/10) nota contra a moratória da soja no Cerrado, ideia defendida pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, na comemoração dos dez anos da moratória da soja na Amazônia – que restringe a compra, por empresas, de produtos oriundos do desmatamento.

A Abiove considera a medida desnecessária porque, em 2006, “a governança ambiental pública era incipiente e o desmatamento se encontrava em patamares elevados”. “Não há uma situação de crise que justifique uma Moratória para o bioma”, diz a associação.

A assoociação  diz defender o desmatamento ilegal zero no Cerrado, a partir dos instrumentos já existentes, como o Código Florestal e o Cadastro Ambiental Rural (CAR).

E afirma que há considerável área de pastagens degradadas no bioma “que poderá ser utilizada para o cultivo de soja”. Mais precisamente 25,4 milhões de hectares – algo como o tamanho do Reino Unido “com alta aptidão para a expansão da produção agrícola”.

You may also read!

Para se proteger de ameaças, maior quilombo do país, o Kalunga, mapeia território em Goiás

Com apoio internacional, quilombolas georreferenciam suas terras para se defender do avanço do agronegócio, da invasão de grileiros, da

Read More...

Contra reforma da Previdência, camponeses aderem à greve geral e participam de manifestações em 26 estados

Em dia marcado por paralisações, trabalhadores rurais de diversos municípios saíram às ruas para protestar contra a reforma da

Read More...

Dono de empresas agropecuárias, senador banca projeto que extingue Reserva Legal

Filho de ex-governador do MA ligado a conflitos agrários, tucano Roberto Rocha considera a manutenção de matas nativas uma

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.