Indústria da soja rejeita moratória no Cerrado

In Cerrado, De Olho no Ambiente, Desmatamento, Em destaque, Principal, Últimas

Associação que representa o setor, Abiove, não vê crise que justifique restrição, e diz que o bioma ainda tem uma área do tamanho do Reino Unido, 25 milhões de hectares, para o cultivo do grão

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais divulgou nesta segunda-feira (24/10) nota contra a moratória da soja no Cerrado, ideia defendida pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, na comemoração dos dez anos da moratória da soja na Amazônia – que restringe a compra, por empresas, de produtos oriundos do desmatamento.

A Abiove considera a medida desnecessária porque, em 2006, “a governança ambiental pública era incipiente e o desmatamento se encontrava em patamares elevados”. “Não há uma situação de crise que justifique uma Moratória para o bioma”, diz a associação.

A assoociação  diz defender o desmatamento ilegal zero no Cerrado, a partir dos instrumentos já existentes, como o Código Florestal e o Cadastro Ambiental Rural (CAR).

E afirma que há considerável área de pastagens degradadas no bioma “que poderá ser utilizada para o cultivo de soja”. Mais precisamente 25,4 milhões de hectares – algo como o tamanho do Reino Unido “com alta aptidão para a expansão da produção agrícola”.

You may also read!

Apenas 1/3 da cúpula ruralista votou pela prisão de Chiquinho Brazão

Entre 48 deputados que integram cargos de comando na Frente Parlamentar da Agropecuária, 20 votaram contra a detenção do

Read More...

Gigantes da moda usam algodão “sujo” do Cerrado em suas roupas

Pesquisa da ONG Earthsight identificou que as marcas Zara e H&M, líderes mundiais no setor, usam matéria-prima oriunda dos

Read More...

Dossiê “Arthur, o Fazendeiro” é finalista do prêmio Megafone

Pesquisa sobre a face agrária do presidente da Câmara analisou o domínio territorial e político dos clãs Pereira e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu