Vídeo nas Aldeias pode se tornar um endereço virtual

In Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Projeto que forma cineastas indígenas teve atividades interrompidas, diz o cineasta Vincent Carelli; ele aponta desmonte de política do Ministério da Cultura

Os grandes rituais de iniciação indígena acontecem de geração em geração, a cada 15 anos. São rituais complexos, em que se discutem durante meses a coreografia, os cantos, as palavras a ser usadas. A possibilidade de registrar esses rituais, mantendo assim a sua memória, foi o que levou várias etnias não só a acolher, mas a requisitar a presença do Vídeo nas Aldeias, com suas oficinas de filmagem voltadas para os índios. O projeto cresceu e formou dezenas de cineastas indígenas.

Depois de 30 anos de atividades, porém, reconhecido internacionalmente, ele está prestes a fechar suas portas, mantendo apenas um endereço virtual. A informação foi passada pelo cineasta Vincent Carelli, criador do projeto, em debate realizado na segunda-feira, na sede do Outras Palavras.

“Foi justamente a velha geração que vislumbrou a possibilidade de uma memória possível com essa ferramenta”, recorda Carelli, diretor premiado dos filmes “Martírio” e “Corumbiara“. A primeira experiência foi entre os Nhambiquara, e provocou uma catarse coletiva, em que eles reviveram as rezas, a furação de beiços e nariz, tradições que não praticavam havia 20 anos.

O cineasta conta que as atividades de formação da Vídeo nas Aldeias foram interrompidas “pelo desmonte da política revolucionária da era Gilberto Gil e do Juca Ferreira no Ministério da Cultura, uma onda de valorização da diversidade cultural brasileira que repercutiu em todos os editais de financiamento das empresas mistas e particulares”. Apesar disso, diz ele, existe hoje uma rede de resistência indígena latino-americana:

– Tem todo um movimento importante acontecendo em termos de jornalismo nativo, a nova geração se ligando no que acontece no Canadá, no Chile. A Rádio Yandê é uma rádio web feita por indígenas, mais de 80 correspondentes pelo Brasil afora que fazem seus trabalhos e sustentam do próprio bolso essa experiência de etnojornalismo, abrindo novas perspectivas, frentes de diálogo e de curtição também. Grande parte da audiência da Yandê é internacional.

Além da Yandê, Carelli aponta ainda a Rádio Mapuche, do Chile,  e a Erbol, da Bolivia.

As declarações foram dadas durante debate sobre um filme do Vídeo nas Aldeias, “O Mestre e o Divino“, de Tiago Campos, que estreia nesta quinta-feira (17/11) em São Paulo. O cinedebate teve a participação de Campos, de Carelli, da antropóloga Sylvia Caiuby, diretora do Laboratório de Imagem e Som em Antropologia da USP, e do jornalista Alceu Castilho, editor do De Olho nos Ruralistas, e a parceria da Taturana Mobilização Social.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.