Vincent Carelli: “Ruralistas assinam o massacre de Guarani Kaiowá no MS”

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Diretor já recebeu dois prêmios do público, em Brasília e em SP, pelo filme “Martírio”, sobre os Guarani Kaiowá; ele é o entrevistado da quinzena no De Olho TV

Por Alceu Luís Castilho

O diretor de “Martírio” – filme sobre a realidade dos Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul – diz em entrevista ao De Olho Nos Ruralistas que a bancada ruralista, o lobby ruralista e a Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul são os responsáveis diretos pelo massacre dos indígenas no estado.

Criador do projeto Vídeo nas Aldeias, que forma cineastas indígenas desde os anos 80, Vincent Carelli afirma que isso fico claro no filme, no qual são retratadas sessões no Congresso, que ele define como farsa. “É um circo. Políticos que mal falam português, querem falar complicado, fazem um teatro, onde conseguem virar vítimas”.

Um dos exemplos desse teatro teria sido o Leilão da Resistência, realizado pela Famasul – com o apoio da bancada ruralista no Congresso – em 2013 para angariar recursos, entre os fazendeiros, para combater as retomadas indígenas. “O leilão tomou para si a resistência dos índios”.

Carelli também destaca o papel da grande imprensa na perpetuação do discurso ruralista. “Globo e Bandeirantes são ruralistas”, resume. “A imprensa no Brasil não existe mais. O jornalismo investigativo não existe mais, ele corre por fora. Para ser informado sobre temática indígena não adianta ler a mídia mainstream”.

Ele conta que resolveu fazer o filme exatamente no momento de acirramento desse discurso dos ruralistas, com a retomada das terras pelos indígenas e a “guerra declarada”. “Discurso na mídia é todo para incriminar os índios”, afirma. “Minha questão com o filme é recolocar as coisas em seu devido lugar”.

Por isso a retrospectiva histórica, de cem anos, desde a distribuição de terras à Companhia Matte Laranjeira até a situação atual, após o avanço da soja e dos canaviais. O saldo foi a expulsão dos indígenas de suas terras, que chegaram a ocupar 3,5 milhões de hectares.

Carelli diz que é mentira o discurso de que não há grilagem no Mato Grosso do Sul. Foram vários casos desde os anos 40. “Não é verdade que é tudo titulado bonitinho e cheirosinho”. E isto conforme documentos oficiais, enfatiza.

Ele atribui a gênese do problema atual às ações do marechal Cândido Rondon após a Guerra do Paraguai, “Muita gente que combateu ganhou terras como recompensa”.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.