Bancada ruralista lança candidato próprio à presidência da Câmara

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Deputado Marcos Montes (PSD-MG) preside a Frente Parlamentar da Agropecuária; no dia 29 ele assistiu à expulsão da equipe do De Olho, na sede da FPA, e não fez nada

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) anunciou há pouco que terá candidato próprio à presidência da Câmara. Será o deputado Marcos Montes (PSD-MG), presidente da própria frente, que reúne os deputados defensores do modelo do agronegócio.

O comunicado no Twitter é sucinto. Conta que Montes foi lançado a presidência pela bancada ruralista – durante a reunião-almoço realizada todas as terças-feiras em uma mansão no Lago Sul, em Brasília – e menciona três veículos de comunicação: O Globo, UOL e Globo Rural.

De Olho nos Ruralistas esteve presente na penúltima reunião da FPA, no dia 29. A equipe foi expulsa pelo diretor executivo da frente, João Paulo Hummel. O tema principal da reunião era exatamente a eleição para a presidência da Câmara.

Os repórteres aguardavam justamente a saída de Marcos Montes para finalizar o trabalho. Durante a expulsão da equipe do observatório o deputado mineiro assistiu a tudo em silêncio, sem intervir. Hummel sentiu-se à vontade para dizer que a casa era dele e que chamaria a polícia.

Na saída, o editor do observatório, Alceu Castilho, disse à assessoria de imprensa da FPA que queria entrevistar o presidente. O assessor de imprensa de Montes deixou um cartão. Mas o deputado passou ao lado dizendo que não daria entrevista, pois “iríamos distorcer tudo”.

Marcos Montes e Michel Temer em uma das reuniões da FPA (Foto: Beto Barata PR)
Marcos Montes e Michel Temer em uma das reuniões da FPA (Foto: Beto Barata PR)

DEPUTADO DOBROU PATRIMÔNIO

Em 2014 o deputado em terceiro mandato (já tinha sido eleito pelo PFL e pelo DEM) declarou um patrimônio de R$ 4,9 milhões. Ele informou possuir as Fazendas Mineira I e II, em Barra do Bugres (MT), no valor de R$ 426 mil, e as Fazendas Estação I e II, em Prata (MG), por R$ 1,37 milhão.

Em 2010 seu patrimônio era de R$ 2,3 milhões. Menos que a metade do declarado em 2014. Na época ele só possuía, entre os imóveis rurais, as fazendas no Mato Grosso. Em 2006 seu patrimônio era de R$ 1,7 milhão, já com os imóveis em Barra do Bugres.

Montes foi um dos líderes do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

LEIA MAIS:
Almoço da bancada ruralista tem ira de deputados e expulsão de repórteres

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.