Mandante do assassinato de José e Maria do Espírito Santo é condenado a 60 anos de prisão

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Líderes extrativistas foram executados em 2011, no Pará; confira aqui relato feito pela ONG Justiça Global sobre o julgamento histórico

Por Mario CampagnaniJustiça Global

Após uma longa luta, que contou com anulação de julgamento e com mudança do local de realização de júri, a família e amigos dos ambientalistas Maria do Espírito Santo e José Claudio Ribeiro, conseguiram a responsabilização do mandante do assassinato dos dois. José Rodrigues foi condenado a 60 anos de prisão por encomendar a morte do casal, no dia 24 de maio de 2011, no Projeto de Assentamento Agroextrativista Praia Alta Piranheira, município de Nova Ipixuna, sudeste do Pará.

Familiares, amigos e apoiadores acompanharam todo o julgamento, de dentro e de fora do tribunal. Assim que saiu o resultado, no fim da tarde, todas e todos foram para o lado de fora comemorar. A irmã de José, Claudelice Santos, estava emocionada lembrando todas as dificuldades que passaram até o julgamento. “É uma luta muito grande, não só para conseguir justiça no assassinato, mas também para manter viva a luta por direito que eles faziam, o sonho deles de preservação da reserva. Esse julgamento foi importante para que eles possam descansar em paz. Especialmente porque no primeiro julgamento o juiz tinha dito que eles contribuíram para a própria morte. Esse era um item que estava pesando muito para a gente”, disse Claudelice.

O juiz Raimundo Moisés Alves Flecha condenou José Rodrigues a 30 anos pela morte de Maria e 30 anos pela morte de José, totalizando os 60 anos. Agora, caberá a Justiça conseguir a prisão do mandante, que se encontra foragido desde agosto de 2014, quando o Tribunal de Justiça do Pará anulou o primeiro júri – por considerar que houve uma série de problemas no julgamento – e decretou sua prisão preventiva. De acordo com os moradores de Nova Ipixuna, o paradeiro de José Rodrigues é público, com ele sendo visto diversas vezes desde 2014. A família das vítimas, todavia, critica a inoperância do Estado em prendê-lo, mesmo com as informações disponíveis.

A morte de Maria e José foi feita de forma brutal, quando chegavam ao assentamento. Os dois assassinos, Lindonjonson Silva (irmão do mandante) e Alberto do Nascimento, estavam de tocaia e atingiram o casal em cima da moto. Maria morreu na hora. José ainda resistiu um pouco, tendo usa orelha cortada a faca por um dos assassinos. Lindonjonson foi condenado a 42 anos e Alberto a 43 anos. O primeiro, todavia, conseguiu fugir do presídio em Marabá, em novembro de 2015, estando foragido até hoje, assim como o irmão.

A situação de Nova Ipixuna reflete o que ocorre em diversos outros locais do Pará e do Brasil. Inicialmente, ocorre o desmatamento para venda de madeira. Depois, chega o momento de usar as madeiras restantes para a fabricação de carvão. No caso do assentamento de José e Maria, o carvão ia para a indústria da mineração. Depois, com a terra arrasada, cria-se pasto para gado. É contra essa lógica que o casal lutava, tentando mostrar como é possível viver da floresta sem desmatá-la.

Para a Justiça Global, a responsabilização de José Rodrigues é um importante passo para alterar o cenário de mortes constantes no Pará. A luta de Maria inspirou a organização a criar a homenagem “Maria do Espírito Santo Silva”, que chega a sua terceira edição homenageando defensoras de direitos humanos de todo o país.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.