Pecuária, café e madeira lideraram casos de trabalho escravo em 2016

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas
(Foto: Divulgação/MPT e MPF-AM)

Extrativismo vegetal e carvão vieram em seguida, conforme os dados oficiais reunidos pela CPT; atividades rurais representam 70% das libertações

Em entrevista à Revista IHU On-Line, o frei dominicano Xavier Plassat esmiúça os dados sobre trabalho escravo no Brasil em 2016. Nada menos que 70% dos resgates de trabalhadores ocorreram em atividades rurais. Ele coordena a Campanha Nacional de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo da Comissão Pastoral da Terra (CPT). A entrevista pode ser vista aqui: “Trabalho escravo contemporâneo é marcado por obstáculos e omissões dos poderes públicos“.

Entre os 965 resgatados, 214 trabalhavam na pecuária, em 13 das 27 Unidades da Federação e nas cinco regiões brasileiras. No Norte: AM, PA, RO, RR e TO. No Nordeste: BA e MA. No Centro-Oeste: GO, MS e MT. No Sudeste, Minas Gerais. No Sul, o Paraná. A soma de trabalhadores resgatados na pecuária é maior que aquela – 213 – de todas as atividades não agrícolas. Esse total na pecuária se refere a 30 fiscalizações do Ministério do Trabalho.

Em segundo lugar entre as atividades agrícolas, segundo Plassat, vêm os cafezais, com 100 trabalhadores resgatados em Minas Gerais, na Bahia e no Pará. As madeireiras aparecem em terceiro lugar, com 68 casos nos seguintes estados: Minas Gerais, Pará, Piauí, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. O extrativismo vegetal vem em seguida, com 60 casos no Piauí e em Minas Gerais. O Piauí volta a aparecer, junto com o Mato Grosso do Sul, entre os 45 casos no setor do carvão vegetal.

Em alguns casos, como cana de açúcar, reflorestamento e mineração, houve apenas uma fiscalização de trabalho escravo, com consequente libertação de trabalhadores.

“O trabalho escravo se revelou uma prática frequente nas terras do agronegócio da cana, da soja, do algodão e do café”, diz Xavier Plassat ao IHU, falando numa perspectiva histórica. Entre 2003 e 2016, 2.710 dos 3.0534 casos de trabalho escravo foram identificados em atividades rurais. Com resgate de 42 mil – entre 48 mil – trabalhadores. Em cada três casos, dois ocorreram na Amazônia.

O número de fiscais caiu de 3.464, em 1996, para cerca de 2.500. Exatamente no momento em que as fiscalizações aumentaram no setor urbano (construção civil, confecção) e fora da Amazônia.

O frei dominicano detalha na entrevista o caso da Fazenda Brasil Verde, em Sapucaia, no Pará. A propriedade do pecuarista João Luiz Guagliato motivou condenação do Brasil na Corte Interamericana de Direitos Humanos, conforme sentença emitida em outubro e tornada pública no dia 15 de dezembro.

CPT-trabalhoescravo-2016

TEMER E A BANCADA RURALISTA

Plassat lembra que o julgamento do caso Brasil Verde ocorreu em meio a uma disputa, levantada há alguns anos por grandes empreiteiras e pela bancada ruralista no Congresso, contra o conceito legal, em vigor desde 2003, de trabalho análogo ao de escravo. A Emenda Constitucional 81, aprovada em 2013, prevê o confisco de propriedades com flagrantes de trabalho escravo. “Mas até hoje está carente de aplicação”, observa o coordenador na CPT. “Esses lobbies pretendem desfigurar a definição do trabalho escravo, retirando-lhe suas principais características contemporâneas: a negação da dignidade e da livre determinação da pessoa. Aprovada essa mudança, o trabalho escravo voltaria à sua invisibilidade”.

O frei dominicano considera que, com a repercussão internacional da decisão da Corte Interamericana, ficará mais complicado para o governo Temer dar continuidade aos projetos de retrocesso no combate ao trabalho escravo, como a redução do conceito legal de trabalho escravo e a extinção da Lista Suja. “O cenário atual do país é de gritante agravação da pressão dos setores que há anos procuram flexibilizar os direitos dos trabalhadores, eliminando tudo aquilo que consideram ser entrave à livre exploração e à maximização da rentabilidade de seus empreendimentos”, afirma Plassat.

O governo federal mantém suspensa a Lista Suja sob o pretexto de “aprimorar” o modelo. Confira notícia da Rede Brasil Atual: “Governo diz que lista suja do trabalho escravo será ‘aprimorada’ e suspende divulgação“.

You may also read!

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu