Syngenta faz greenwashing com morte de abelhas

In Agrotóxicos, Em destaque, Principal, Últimas

Recinto das Abelhas, criado em parceria com multinacional, “ensina” que elas estão morrendo apenas no hemisfério Norte

Por Inês Castilho

Cerca de 10 milhões de abelhas, de 200 colmeias e 9 apiários, morreram no início do mês na região de Porto Ferreira (SP).  As mortes começaram a ocorrer pouco depois que a Usina Ferrari – em cujo site se lê “Preservação do Meio Ambiente é a nossa Prioridade!” – fez uma pulverização aérea de agrotóxicos num canavial da região, como relata o apicultor Wanderley Fardin. “Eu mesmo passei mal”, disse ele, que registrou boletim de ocorrência e pretende cobrar na Justiça os prejuízos, estimados em R$ 250 mil.

Enquanto isso, no Recinto das Abelhas, sala criada com a parceria da Syngenta no Museu do Instituto Biológico de São Paulo, crianças e adultos assistem a desenhos animados “educativos”, que “ensinam”: a morte e o desaparecimento das abelhas é um fenômeno do hemisfério Norte e uma das razões porque ocorre “talvez seja o uso incorreto de defensivos agrícolas”. Nenhuma palavra sobre as mortes de abelhas conhecidas no Brasil desde 2007, em vários estados.

170113_recanto das abelhas
Foto: Du Amorim/ Governo do Estado de São Paulo

Contudo, a principal razão do desastre ecológico é, como afirmam estudiosos, a classe de agroquímicos denominada neonicotinoides: clotidianidina e imidacloprida, fabricados pela Bayer; e tiametoxan, fabricado pela própria Syngenta.

“Temos situações de toxicidade aguda, em que as abelhas morrem de uma vez, logo após a aplicação do agrotóxico”, adverte o geneticista David De Jong, doutor pela Universidade de Cornell (EUA) e professor da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto (SP). “Mas há outras em que doses subletais podem fazê-las perder o rumo e não voltar ao ninho. Com os novos inseticidas do grupo dos neonicotinoides estamos definitivamente perdendo muitas abelhas Apis mellifera e espécies de abelhas nativas”.

PARCERIA COM UNESP

O Recanto das Abelhas foi inaugurado pelo governador Geraldo Alckmin em maio de 2015. Na porta de entrada, o logotipo da Syngenta merece o mesmo espaço que a Unesp de Rio Claro. A multinacional suíça fabrica agroquímicos e sementes transgênicas. Criada a partir da fusão da divisão de agroquímicos das farmacêuticas AstraZeneca e Novartis, encontra-se hoje em outro processo de fusão, por US$ 43 bilhões, com a estatal chinesa ChemChina.

O Museu do Instituto Biológico fica na av. Dr. Dante Pazzanese, 64, Vila Mariana, e funciona de terça a domingo, das 9h às 16h, com entrada gratuita.

You may also read!

‘De Olho’ apresenta hoje, no IV Tribunal Tiradentes, dados inéditos sobre bancada ruralista

Conexões e interesses da Frente Parlamentar da Agropecuária serão apresentadas pelo coordenador do observatório, às 19 h, em evento

Read More...

Governo Temer atendeu 13 das 17 pautas prioritárias dos ruralistas, diz a Folha

"Governo atendeu plenamente às nossas expectativas", afirma ex-presidente da Frente Agropecuária, Marcos Montes; "é a pior gestão para indígenas

Read More...

IV Tribunal Tiradentes, em SP, julga Congresso Nacional no dia 25; questão agrária será um dos grandes temas

Escritor Fernando Morais será o acusador; Chico Whitaker, o defensor; Antônio Carlos Malheiros, o juiz; coordenador do De Olho

Read More...

2 commentsOn Syngenta faz greenwashing com morte de abelhas

  • Será que eles se perguntam, com que iremos polinizar nossa agricultura?? Drones?!! As abelhas são a garantia de produção em diversas culturas. Virar as costas para sua importância é virar as costas para a produção agrícola em si.

  • Parabéns pela reportagem Inês, precisamos multiplicar reportagens como essa. Obrigado!
    Lamentavelmente nosso governo paulista (e governo federal), estão mais interessados em divulgar os resultados da agricultura paulista com índices de alta produtividade a qualquer custo, do que se preocupar com o genocídio das abelhas Apis e Nativas em nosso quintal estadual. Dão muito pouca importância para o que efetivamente está acontecendo, nossas abelhas estão morrendo sim e muito rapidamente. Tem muito apicultor reclamando dos prejuízos a todo momento.
    As empresas de agrotóxicos, iludem os produtores e apicultores em eventos promocionais,manipulam as informações junto a população em geral com “projetos ecologicamente falsos” e que atendem unicamente a seus interesses”. Estão mais interessados no preservacionismo financeiro do que realmente cuidar da natureza e do ecossistema. O mundo inteiro reclama o impacto do uso de agrotóxicos, mas no Brasil, muitos produtos ainda são liberados e utilizados por quem tiver dinheiro para compra-los. Isso tudo é muito predatório e nojento. Meu repúdio total a isso tudo.
    Miro
    Apicultor e Meliponicultor
    Juquitiba/SP

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu