De Olho TV – Como Eike Batista colocou uma coleira no território brasileiro

In De Olho no Agronegócio, De Olho TV, Em destaque, Empresas brasileiras, Principal, Últimas

Vídeo do De Olho nos Ruralistas detalha impactos sociais e ambientais das empresas de Eike Batista; e conta como ele foi adquirindo terras

A trajetória do empresário Eike Batista foi louvada pela imprensa brasileira até o declínio de seu império. Em meio à bajulação, passou despercebido o modo como ele foi conquistando o território brasileiro.

O grupo EBX não só adquiriu direitos de exploração de minérios. Adquiriu fazendas e, para construir seus empreendimentos, expulsou milhares de famílias.

Batista está preso em Bangu 9, acusado de pagar propina para o ex-governador Sérgio Cabral.

De Olbo TV é um programa quinzenal de WebTV, produzido pelo De Olho nos Ruralistas. Siga nosso canal no YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCg0ltZmZAXnr9zHUFswKI7A

You may also read!

Novo chefe do Serviço Florestal, Colatto adquiriu terras públicas em Rondônia durante a ditadura

Incra tentou reaver a fazenda em Vilhena ao constatar que as terras são improdutivas; imóvel foi ocupado por posseiros,

Read More...

Baru, pequi, jatobá: saiba como a Central do Cerrado escoa frutos colhidos por camponeses

Administrada por agroextrativistas, união entre cooperativas beneficia 8 mil famílias por meio da comercialização de produtos nativos do bioma;

Read More...

ONG ligada à ministra Damares levou malária a indígenas isolados

Roteiro de missionários incluiu construção de pistas de pouso clandestinas, contrabando de sementes e viagens sem autorização em busca

Read More...

One commentOn De Olho TV – Como Eike Batista colocou uma coleira no território brasileiro

  • Estudos de impactos ambientais e sociais provocados por extração de minérios e por grandes obras de engenharia são importantes para se antecipar medidas que evitem ou minimizem danos que, com certeza, afetarão o meio ambiente e as populações moradoras na área escolhida pelo projeto. O desrespeito a esses estudos prejudica milhares de pessoas, como os habitantes de cidades localizadas em áreas impropriamente escolhidas para a construção de barragens, obrigados a abandonar suas casas antes de estas serem inundadas por lagos artificiais. Na construção da rodovia BR-174, que liga Manaus a Boa Vista, o menosprezo a estudo de impacto social permitiu que essa estrada atravessasse território habitado por população indígena da etnia Waimiri-Atroari. A previsível reação hostil dos índios à invasão de suas terras por operários que dirigiam tratores e derrubavam árvores foi reprimida com violência pelo governo da época, resultando no desaparecimento de 2.000 indivíduos dessa etnia. O link abaixo mostra o desastre provocado por uma brande obra de engenharia que foi executada sem respeitar estudo de impacto social:

    http://www.cartacapital.com.br/politica/2000-waimiri-atroari-desaparecidos-na-ditadura

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu