Juiz determina despejo de 300 famílias para criar mega-latifúndio na Bahia

In Latifundiários, Principal, Últimas

Com 340 mil ha, terreno equivale a duas vezes o município de SP; região tem 1.060 camponeses e é responsável por 15% da produção

A decisão liminar do juiz Sérgio Humberto de Quadros Sampaio pode expulsar 300 famílias de camponeses para a criação de um dos maiores latifúndios do país. A disputa dura três décadas e envolve uma área de 340 mil hectares – equivalente a duas vezes o tamanho do município de São Paulo. As propriedades, situadas em Formosa do Rio Preto, no oeste da Bahia, produzem atualmente 1,1 milhão de grãos e fibras por ano, 15% da produção na região. Quem se beneficia com a reintegração? José Valter Dias, que alega ser o único proprietário da área, informou o jornal Gazeta do Povo nesta segunda-feira (10/04).

A decisão gerou revolta, levando um grupo de camponeses a fazer um protesto na BA-225. No piquete, que durou cerca de 1h30, os camponeses utilizaram máquinas agrícolas para fechar a rodovia. Para a Associação dos Produtores Rurais da Chapada das Mangabeiras (Aprochama), a medida é “ilegal, absurda e sem precedentes”.

Reprodução / Rede Bahia
Reprodução / Rede Bahia

Esta é a segunda vez que o juiz da comarca de Formosa do Rio Preto concedeu a reintegração de posse em favor de José Valter Dias. Em 19 de setembro de 2016, o magistrado assinou uma portaria administrativa para a retirada dos camponeses. Porém, em novembro, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concedeu uma liminar em favor das famílias que recorreram, suspendendo a reintegração, com a justificativa de que ela não poderia ter sido concedida pela via administrativa.

O advogado da Aprochama, Leonardo Lamachia, declarou ao G1 que:

– O que está em pauta neste processo não é o tema de grilagem, não se está discutindo regularização fundiária, o que há, nesta região, são inúmeros, centenas de produtores rurais de boa fé e trabalhadores que há anos desenvolvem suas atividades de forma íntegra e que adquiriram regularmente suas propriedades, com o aval do Estado. Esses produtores não podem ser confundidos com pessoas que podem ter agido ilegalmente para obter outras áreas de terras naquela região.

De acordo com a associação, os camponeses adquiriram as terras por meio do programa de incentivo de cooperação técnica elaborado entre os governo do Brasil e do Japão, o Programa Nipo-Brasileiro para Desenvolvimento do Cerrado (Prodecer II). A associação afirma, ainda, que a produção da região emprega 1.060 pessoas diretamente com a produção de soja, milho, feijão e algodão. E que a renda oriunda de salários e encargos sociais pagos pelos agricultores é superior a R$ 56 milhões por ano.

Confira o tamanho da área revindicada / Gazeta do Povo
Confira o tamanho da área revindicada / Gazeta do Povo

Na região há também três multinacionais, a Bunge, a Cargill e a Amaggi/Dreyfus (uma aliança entre o grupo francês e a empresa do ministro da Agricultura, Blairo Maggi), que, assim como os camponeses, compraram as terras. A soma dos investimentos em infraestrutura nesta propriedade chega a R$ 6,2 bilhões.

Para Edson Fernando Zago, presidente da Aprochama, a região se desenvolveu graças ao trabalho dos camponeses:

– Agora, sem ao menos serem ouvidos e sem serem réus no processo são surpreendentemente intimados a se retirarem da terra que dá o sustento para suas famílias. Confiamos que instâncias superiores da justiça corrijam esta arbitrariedade.

Segundo o Atlas Agropecuário, lançado pelo Imaflora em parceria com o GeoLab, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP), o nordeste é a segunda região onde se concentram mais latifúndios no Brasil, em 41% das terras da região. Atrás apenas do Centro-Oeste, com 75%.

Reprodução / Brasil de Fato
Reprodução / Brasil de Fato

Na terça-feira (11), o presidente da Comissão de Agricultura da Bahia, o deputado estadual Eduardo Sales (PP-BA), se reuniu com o secretário de Segurança Pública do Estado, Maurício Barbosa, e com representantes dos camponeses para pedir reforço na segurança depois que capangas armados rondaram a região para intimidar os camponeses. Barbosa garantiu que enviará reforço para impedir o conflito.

OUTRO LADO

A Gazeta do Povo e o G1 não conseguiram contato com o juiz Sérgio Humberto de Quadros Sampaio. Em nota, o advogado de José Valter Dias disse que a ação envolve grilagem em suas terras.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.