Crescem os conflitos pela água no Brasil; entre as causas, mineração e agronegócio

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Relatório da CPT mostra aumento de 27% entre 2015 e 2016; principais vítimas são povos indígenas, quilombolas, pescadores e ribeirinhos

Por Izabela Sanchez

A água se afirma como motivo de conflitos no Brasil. É o que mostra o ‘Relatório Conflitos no Campo Brasil 2016’, divulgado na segunda-feira (17/04) pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). O aumento dos conflitos pela água foi de 27% entre 2015 e 2016, atingindo 172 casos pelo país. Desde que começou a registrar os dados, em 2007, a CPT calcula um aumento de 97,7% em nove anos.

O número de pessoas envolvidas nesses conflitos também aumentou vertiginosamente. Em 2007, foram 164 mil. Em 2016 esse número saltou para 222 mil, um acréscimo de 35,8% em nove anos. O relatório mostra que, entre 2002 e 2010, havia oscilação. De 2011 para cá, aumento. Eram 28 mil famílias envolvidas em 69 conflitos, nesse ano. O número em 2016 foi de 44 mil famílias em 172 conflitos.

Para a CPT, as disputas territoriais foram motivadas pelas lógicas antagônicas de gestão, apropriação e uso da água. Uma delas, economicista, “materializada no uso da água para a morte”. A outra lógica é a das diversas territorialidades dos sujeitos explorados no campo, “que travam uma luta incessante pelos seus territórios, pela terra e, por conseguinte, pela água para a vida”.

SUDESTE TEM MAIS CONFLITOS

A região que mais concentrou os conflitos em 2016 foi a Sudeste, responsável por 67,33% (80) dos 172 casos. Em boa parte por causa do rompimento de barragem da Samarco em Mariana (MG), que avançou de 2015 para o ano passado. Em seguida vêm o Nordeste, com 42 casos, e (neste caso fugindo da proporção populacional) o Norte, com 29 casos.

Segundo a CPT, a maior causadora dos conflitos é a mineração, responsável por 51,74% dos casos em 2016. Em seguida vêm as hidrelétricas (23,26%), os empresários (11,05%) e os fazendeiros (6,98%). Os quatro, juntos, respondem por 93,02% – 160 – do total dos conflitos.

Há também uma participação dos governos, nas três esferas, com 4,65% dos conflitos. Comerciantes, garimpeiros, poder judiciário e madeireiro fecham a conta de 2016 com 2,33%.

No Nordeste, o relatório destaca o uso desigual da água por fazendeiros e empresários:

– A histórica “indústria da seca” se retroalimenta mais uma vez desse fenômeno natural perpetuada em processo político, assistencialismo, compra de votos e subordinação. A água que resta é apropriada privadamente e posta a serviço do agronegócio.

Segundo a Pastoral, cerca de 36,37% (2.710) das pessoas se envolveram em conflitos por causa da apropriação particular, do impedimento de acesso à água ou da diminuição do recurso, por conta das ações dos fazendeiros e empresários do agrohidronegócio na região.

As principais vítimas desses conflitos foram os ribeirinhos (37%), pescadores (18%), pequenos proprietários (9%) e povos indígenas (9%). Juntos, eles sofreram violência em 126 (73,26%) dos 172 conflitos pela água de 2016.

Os atingidos por barragem (7%), os posseiros e os quilombolas (6% cada), os assentados (3%) e outros (geraizeiros, camponeses de fundo e fecho de pasto, marisqueiros, trabalhadores rurais e vazanteiros, com 5%) foram as vítimas dos demais conflitos.

MARIANA TEVE IMPACTO NOS NÚMEROS

O relatório da CPT destaca a mineração e as hidrelétricas, nas regiões Sul e Centro-Oeste, e o crime ambiental da mineradora Samarco em Mariana (MG), no fim de 2015:

– A região Sul, com 2.543 famílias em 5 conflitos e o Centro-Oeste com 2.249 famílias em 16 conflitos fecham o cerco do “desenvolvimento” brasileiro: índios, quilombolas, pescadores, ribeirinhos resistem a duras penas nessas duas regiões a projetos diversos: mineração, hidrelétricas, agronegócio.

Por causa da tragédia de Mariana (MG), Minas Gerais e Espírito Santo somaram 75 conflitos, 43,6% do total de conflitos pela água registrados no ano passado.

Na região Nordeste, somente a Bahia foi palco de 57% dos conflitos: 13 por mineração, 5 por empresários, 4 por fazendeiros e 2 por hidrelétricas. No Pará ocorreram 48% dos conflitos da região Norte: 7 por hidrelétricas, 2 por empresários, 2 por mineração, madeireiro, garimpeiro.

O relatório destaca que os conflitos no Pará provocaram três mortes: duas oriundas das ações das hidrelétricas e uma por causa da ação de empresários.

Para a CPT, o agronegócio foi um dos grandes beneficiados pelas políticas públicas relativas à água:

– O fenômeno da seca, vivenciado pelos estados nordestinos, agrava a conflitualidade. O estado do Ceará, com 3 conflitos envolvendo 410 famílias, é emblemático com relação à violência das políticas hídricas implementadas pelos governos. Em síntese, ao agronegócio tudo: com seus perímetros irrigados envenenados e a carcinicultura devastadora.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

One commentOn Crescem os conflitos pela água no Brasil; entre as causas, mineração e agronegócio

Leave a reply:

Your email address will not be published.