Ministro diz que “apenas Deus” pode garantir queda no desmatamento

In Amazônia, De Olho no Ambiente, Desmatamento, Em destaque, Governo Temer, Principal, Últimas
Vidal Helgeser e Sarney Filho Crédito: José Cruz/ Agência Brasil

Manobra para aprovar medida contra reservas ambientais é revelada, em meio a cortes de incentivos pela Noruega; Sarney Filho culpa Dilma pelo aumento dos índices

Por Cauê Seignemartin Ameni

Antes de decolar para Europa, Michel Temer vetou as medidas provisórias 756 e 758, que abririam caminho para legalização de posseiros e grileiros na Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim, no sudoeste do Pará. A medida afetaria 486 mil hectares da reserva, conforme o cálculo de ambientalistas. Entre 2004 e 2016, a Flona perdeu 117 mil hectares de florestas. O presidente ainda alfinetou a modelo Gisele Bündchen e a ONG ambientalista WWF, contrários às MPs: “Vetei hoje integralmente todos os itens das MPs que diminuíam a área preservada da Amazônia”, escreveu em seu Twitter.

Não durou muito e a manobra para preservar o presidente foi revelada. Segundo a Folha, o presidente em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), apresentará nesta sexta-feira (23) um projeto de lei com o mesmo teor do texto vetado. A proposta é fruto de um acordo selado entre o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, e a bancada paraense e ruralista. Assim, Temer se livra da responsabilidade e a Flona corre o risco de perder 37% de sua reserva.

Flona Jamanxim sofre com desmatamento. (Foto: Ibama, 2009).

A encenação pode ter colado na opinião pública brasileira, mas não convenceu o governo norueguês, que anunciou, nesta quinta-feira (22), o corte de pelo menos 50% do valor enviado ao Fundo da Amazônia, destinado a projetos de combate ao desmatamento, informa Jamil Chade, do Estadão.

O anuncio foi feito em Oslo, onde se encontra a comitiva do presidente Michel Temer. Ao ser questionado se pode garantir que a taxa de desmatamento seja reduzida o ministro Sarney Filho disse que “apenas Deus poderia garantir isso”.

A Noruega é o país que mais colabora com o Fundo da Amazônia. Já destinou ao Brasil US$ 1,1 bilhão. As autoridades escandinavas tinham alertado sobre a possibilidade de reduzir o repasse, diante das falhas nas políticas ambientais. Com o corte, o Brasil deve receber R$ 196 milhões em 2017 – metade do que recebeu no ano passado. A base do corte está de acordo com um contrato assinado em 2008. Ele dizia que, se o desmatamento aumentasse, o dinheiro seria cortado.

Para se defender, Sarney Filho culpou o governo de Dilma Rousseff: “O ministro norueguês é bem informado e sabe que (o aumento do desmatamento) é fruto do governo passado e do corte de orçamento nos órgãos de fiscalização”, alegou.

“Nossas contas estão baseadas nas taxas”, disse o ministro do Meio Ambiente noruegues, Vidal Helgeser, na reunião marcada às pressas com o ministro brasileiro. “O resultado do desmatamento é o que importa”.

URGÊNCIA: APROVAR O PROJETO

Os cortes serão confirmados nos próximos dois meses. Em 2016, o governo norueguês admitiu que já havia cortado 10% da verba. O desmatamento naquele ano chegou a 8 mil km² ; em 2015, a 6 mil km².

“A curva que estava ascendente começou a reverter”, rebate Sarney Filho, articulador do projeto que será colocado em regime de urgência, para substituir as MPs 756 e 758. “Nossa expectativa é de que o desmatamento tenha caído”

O Instituto Socioambiental publicou uma nota detalhando a manobra que repõe a desproteção de mais de 480 mil hectares da Floresta Nacional do Jamanxim, como mostra o vídeo abaixo.

Para Sarney Filho, a diminuição de uma área de proteção não significa que a proposta irá incentivar o desmatamento. “Vamos esperar um parecer técnico. Mas isso não está pronto”, disse, segundo o Estadão, enquanto era retirado por assessores. “O que há de concreto é que não há nada. O resto é especulação”.

You may also read!

Indicado pelo Centrão, ex-deputado ruralista do Paraná é cotado para assumir o MEC

Fazendeiro e dono de cartório, Alex Canziani (PTB) teve cinco mandatos na Câmara e era membro da Frente Parlamentar

Read More...

Bolsonaro assume projeto genocida com os vetos, diz Articulação dos Povos Indígenas

Apib considera que derrubada de itens do PL que prevê apoio emergencial aos povos do campo mostra a determinação

Read More...

Frente quilombola no Congresso vê racismo e “requintes de crueldade” em vetos de Bolsonaro

Ao derrubar itens do PL 1.142, que prevê medidas emergenciais para os povos do campo durante a pandemia, presidente

Read More...

One commentOn Ministro diz que “apenas Deus” pode garantir queda no desmatamento

Leave a reply:

Your email address will not be published.