Presidente da FPA apresenta projeto para preservar tratores e motosserras usados em crimes ambientais

In De Olho no Ambiente, Desmatamento, Em destaque, Principal, Últimas
Operação na TI Menkragnoti, em 2014. (Foto: Ibama)

Deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), líder dos ruralistas, quer impedir que Ibama destrua equipamentos; proprietário pode ganhá-los de volta após 90 dias

Alguns projetos de lei apresentados no Congresso visam a preservação dos biomas e dos recursos naturais. Um deles, as motosserras. Ele foi apresentado pelo deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Confira a notícia divulgada pelo site O Eco: “Projeto quer impedir Ibama de destruir equipamentos durante fiscalização“.

A argumentação do deputado invoca motivos nobres: “Observa-se atualmente, em operações do Ibama, uma prática corrente de atear fogo em caminhões, tratores e equipamentos diversos, que poderiam e deveriam ser usados por prefeituras e pelos governos estaduais. É necessário interromper definitivamente a destruição de bens em perfeitas condições de uso,  sem qualquer tentativa de destiná-los para usos que atendam ao interesse público”.

Madeireira atuava em Terras Indígenas e Reserva Biológica no MA. (Foto: Felipe Werneck/Ibama)

Na prática, o impedimento da destruição beneficia os proprietários: fazendeiros, madeireiros e garimpeiros, por exemplo, flagrados em crimes ambientais. O instrumento tem sido utilizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para coibir o desmatamento. É que o projeto de lei prevê que os equipamentos devem ser restituídos aos proprietários caso, passados 90 dias de um processo administrativo, não seja comprovada a infração ambiental.

“O descumprimento dos prazos e procedimentos previsto [sic] neste artigo, [sic] ensejará responsabilização administrativo [sic], penal e civil do funcionário público”, diz o projeto de Leitão.

O deputado foi o anfitrião de Michel Temer, na semana passada, na mansão da FPA em Brasília, em almoço realizado um dia antes da votação que arquivou o processo contra o presidente, acusado de corrupção passiva.

You may also read!

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Quem é César Lira, o primo de Arthur demitido do Incra

Exonerado da superintendência do Incra em Alagoas, primo do presidente da Câmara privilegiou ações em Maragogi, onde planeja disputar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu