Pesquisador explica por que agrotóxicos são principais culpados por desaparecimento de abelhas

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Lionel Gonçalves afirma que risco de um mundo sem abelhas já está próximo; geneticista que criou a campanha ‘bee or not to be’ aponta utilização de pesticidas com nicotina

Por Izabela Sanchez

De Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, o professor Dr. Lionel Segui Gonçalves conquistou renome ao redor do globo ao se especializar em abelhas. Professor aposentado da Universidade de São Paulo (USP), o geneticista não traz boas notícias. Há mais de 10 anos as abelhas têm desaparecido em diversos países do mundo. E qual o principal culpado? Segundo o especialista, o uso indiscriminado de agrotóxicos.

Gonçalves criou a campanha Bee or not to be (Sem Abelhas, Sem Alimento). Em tradução mais próxima da literal, “Ter abelhas ou não ser”. A campanha divulga a importância das abelhas para a sobrevivência da agricultura e da alimentação em todo o mundo. O professor explica que as diversas agressões ao meio ambiente estão relacionadas à chamada Colony Colapse Disorder (CDC), algo como Transtorno do Colapso das Colônias.

São várias as causas para o desaparecimento e a morte das abelhas: desmatamentos, variações climáticas e agentes patogênicos (vírus, bactérias, ácaros), entre outros. Mas é o uso dos pesticidas, explica o pesquisador, o principal causador da CDC. Os agrotóxicos que possuem nicotina em suas fórmulas – os neonicotinoides – bloqueiam as comunicações entre as células do sistema nervoso dos insetos, as sinapses.

Assim, quando elas saem em busca e néctar e pólen e se contaminam com esses agrotóxicos, têm um bloqueio no cérebro que causa amnésia. “Ela esquece do local de onde veio e acaba se perdendo na natureza, desaparecendo”, conta Gonçalves. É a chamada síndrome do desaparecimento.

(Foto: EBC)

NORDESTE TEM SITUAÇÃO CRÍTICA

O Nordeste responde por 1/3 de toda a produção apícola do país. É lá, também, segundo o professor, que se encontra a situação mais crítica para a existência das abelhas. Além das agressões ao meio ambiente, o semiárido da região sofre com a falta de investimento em tecnologias menos agressivas. Uma das alternativas é o uso de colmeias sob a proteção de vegetações, para evitar as insolações e fornecer água potável. Há também técnicas de manejo apropriadas ao clima da região, para melhor conforto das abelhas e dos apicultores.

A desvalorização dos apicultores que fornecem as colmeias também ameaça a polinização de alimentos no Brasil. No Rio Grande do Norte, líder nacional de produção de melões, os produtores pagam valores irrisórios aos apicultores, conta o pesquisador, e promovem a morte das abelhas pelo excesso de agrotóxicos:

Embora a polinização da flor do melão seja altamente dependente das abelhas, o preço do aluguel por colmeia pago aos apicultores oscila entre R$ 20,00 e R$ 30,00. Como se usa muito agrotóxico nessa cultura para combater as pragas, geralmente há muita perda de abelhas devido ao uso indiscriminado dos pesticidas, fato que ultimamente vem desestimulando os apicultores a colocarem suas abelhas nas culturas de melão.

NA CHINA, HOMENS-ABELHAS

O cenário sem abelhas, segundo Gonçalves, já existe. Ele conta que na região de  Sichuan, na China, as abelhas desapareceram. Hoje as pessoas tentam realizar o trabalho de polinização de forma manual. São os chamados “homens-abelhas”. Eles sobem nas árvores com varas que contêm, em uma das extremidades, pelugens de pássaros que foram colocadas em vasilhas com pólen.

O desaparecimento das abelhas na região ocorreu por causa do excesso de pesticidas com nicotina.

O professor lamenta a substituição dos insetos por trabalhadores, ou mesmo pela robótica:

– Pela complexidade e perfeição de uma abelha que resulta de milhares de anos de evolução, o trabalho desses maravilhosos insetos na natureza jamais será substituído pelas ações do homem nem pelos mais robustos ou aperfeiçoados robôs. É atribuída a Albert Einstein a frase: “Se as abelhas vierem a desaparecer da face da Terra quatro anos após o homem também desaparecerá”.

You may also read!

IV Tribunal Tiradentes, em SP, julga Congresso Nacional no dia 25; questão agrária será um dos grandes temas

Escritor Fernando Morais será o acusador; Chico Whitaker, o defensor; Antônio Carlos Malheiros, o juiz; coordenador do De Olho

Read More...

Comandante do Exército repete fala dos ruralistas sobre Amazônia

Assim como deputados da Frente Agropecuária, ele diz que "ONGs internacionais" usam ambientalismo e indigenismo para neutralizar a exploração

Read More...

Filme mostra degradação ambiental causada pela monocultura do eucalipto na BA e no ES

"Desertos Verdes" dá voz a indígenas, camponeses e quilombolas; eles são expulsos, ameaçados e veem aviões das grandes empresas

Read More...

One commentOn Pesquisador explica por que agrotóxicos são principais culpados por desaparecimento de abelhas

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu