Em Matão (SP), 89% dos apicultores relatam perda de colmeias por causa de agrotóxicos

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Veneno despejado nas lavouras de laranja e cana afeta diretamente as abelhas, o solo e a água; pesquisa da UFSCar detalha impactos das monoculturas na vida dos produtores

Uma pesquisa com apicultores da região de Matão feita pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) mostra que 88,5% dos produtores ouvidos descrevem perdas “significativas” de colmeias – ou de apiários inteiros – por causa da aplicação de agrotóxicos na região. As abelhas ficam desorientadas ou morrem. Os apicultores também relatam que a pulverização do veneno é realizada muitas vezes “sem a devida fiscalização e controle das condições climáticas”.

O estudo foi publicado no dia 27 de setembro: “Percepção ambiental de apicultores: Desafios do atual cenário apícola no interior de São Paulo“. Foi feito por Amanda Cerqueira e Rodolfo Antônio de Figueiredo, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da UFSCar. O principal problema enfrentado para a manutenção da apicultura, concluíram os pesquisadores, foi o “atual sistema de produção agrícola, baseado em extensas áreas de monoculturas e uso intensivo de agrotóxicos”.

Somente três apicultores (11,5% do total de 26 entrevistados) não mencionaram perdas de colmeias ou apiários inteiros pelo menos uma vez durante as floradas, “após a aplicação dos agrotóxicos nas monoculturas de laranja e cana-de-açúcar”. “Os efeitos notados após a pulverização são grande quantidade de abelhas mortas próximas das colmeias e/ou abelhas desorientadas, colmeias que deixam de produzir ou não conseguem se fortalecer para produzir, abandono das crias, presença de muitos insetos mortos próximo aos apiários e cheiro de veneno”.

A EXPANSÃO DA CANA

(Fotos ilustrativas: EBC)

Os apicultores também se queixaram da expansão da cana-de-açúcar na região, “com consequente perda de habitat” para as abelhas. São Paulo produz 55% da cana no país. Somente em 2016 a monocultura cresceu 6,2% no estado, chegando a uma área de 4,78 milhões de hectares, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Os produtores de mel também mencionaram o impacto dos venenos na saúde humana. E criticaram a falta de empenho do governo no combate ao uso de agrotóxicos “potencialmente tóxicos aos polinizadores, ao solo e à água”. “A crítica ao governo se estende a falta de incentivo ao desenvolvimento da apicultura no Brasil e o não reconhecimento da profissão”, dizem os pesquisadores. “A maior parte dos entrevistados (80,7%), considera que não recebe apoio de qualquer tipo de organização (governamental ou não) no trabalho com as abelhas”. (Alceu Luís Castilho)

You may also read!

Agrotóxicos proibidos são apreendidos na BA em fazenda da gigante japonesa Agrícola Xingu

Empresa pertence à multinacional Mitsui, que teve uma receita de US$ 40 bilhões no mundo em 2017; um dos

Read More...

Nova lista suja do trabalho escravo tem deputado estadual do MA

Pecuarista e produtor de carvão, Carlinhos Florêncio filiou-se no início do mês ao PCdoB; em 2014 ele declarou R$

Read More...

MST ocupa fazenda de Oscar Maroni em Araçatuba; empresário nega que ela seja “polêmica”

Cerca de 300 integrantes do movimento estão na propriedade, na maior parte arrendada para a Cosan; dono do Bahamas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu