De Olho nos Ruralistas sorteia cinco exemplares do livro Do corpo ao pó

In De Olho nos Conflitos, Latifundiários, Povos Indígenas, Principal, Sem categoria, Últimas

Apoiadores do observatório que se cadastrem para o sorteio poderão receber livro premiado que explica como os Kaiowá e Guarani se relacionam com a morte e a terra no Mato Grosso do Sul

Por André Takahashi
Ilustrado com fotos de Lunaé Parracho, Ruy Sposati e outros fotógrafos que cobriram o conflito pela terra nessa porção do Centro-Oeste tradicionalmente ocupada pelas populações Kaiowá e Guarani, além de imagens produzidas pelo próprio autor, o livro “Do corpo ao pó – crônicas da territorialidade kaiowá e guarani nas adjacências da morte” conta com prefácio do antropólogo Levi Marques Pereira, professor da Universidade Federal da Grande Dourados. A orelha é da antropóloga Ana Claudia Duarte Rocha Marques, professora da Universidade de São Paulo. O livro foi premiado pela Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciências Sociais (Anpocs).

Advogado e antropólogo, Bruno Martins Morais realizou suas pesquisas de campo em aldeias, retomadas e reservas indígenas Kaiowá e Guarani do Mato Grosso do Sul enquanto trabalhava como assessor jurídico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) em Dourados (MS). O trânsito entre aldeias, cartórios e audiências lhe permitiu acesso diferenciado tanto aos trâmites da justiça federal como aos indígenas que empreendem e sustentam as retomadas de terra Kaiowá e Guarani no estado.

A história do tekoha Apyka’i e de sua líder, Dona Damiana, é um dos destaques do livro. Rotineiramente ameaçada por mandados de reintegração de posse, a cacique promove um verdadeiro “cerco” à Fazenda Serrana, que reivindica como lugar de seus antepassados. E isso apesar das constantes mortes que assolam seus parentes: ao menos sete foram atropelados entre 1999 e 2014, devido à proximidade entre o acampamento e a rodovia e, sobretudo, à hostilidade da população local contra os Kaiowá e Guarani. Dominado pelo agronegócio, o Mato Grosso do Sul abriga aproximadamente 80 mil indígenas.

De acordo com a renomada antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, “Do corpo ao pó” alia inteligência, talento e generosidade. “Bruno Martins Morais está na trincheira, no pronto-socorro, como advogado atuante na defesa dos Guarani. Mas também faz mais: tenta desvendar como eles constroem sentido em uma história de extrema violência”, afirma. “Contra os que acham que é luxo procurar entender o mundo de quem é trucidado, Bruno Martins Morais mostra a importância de fazê-lo. Este é um grande livro.”

Todo apoiador do programa de sustentação financeira do De Olho nos Ruralistas pode concorrer ao sorteio de 5 exemplares “Do corpo ao pó” preenchendo o formulário abaixo até a terça-feira, dia 14 de novembro, às 15 horas. O sorteio só é válido para apoiadores do observatório. Veja como ser um apoiador aqui.

 

You may also read!

Syngenta contesta relatório sobre agrotóxicos divulgado pela ONG Public Eye

Para a multinacional suíça, fabricante de pesticidas considerados "altamente tóxicos", dados são enganosos e contêm motivações políticas; empresa diz

Read More...

A história do trabalhador que morreu em máquina de moer frango – e do frigorífico onde ele trabalhava

A família de Rodrigo Lopes ainda aguarda informações do inquérito sobre sua morte, em março, no município de Eldorado

Read More...

Brasil consome 18% dos agrotóxicos do mundo, mesma porcentagem dos Estados Unidos

Relatório da ONG Public Eye mostra que a Syngenta despeja no país 32% de seus produtos classificados como "extremamente

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.