Imobiliária põe Ilha das Couves à venda por R$ 31 milhões e será notificada pela União

In De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

Informada pelo De Olho nos Ruralistas sobre o anúncio, SPU diz que comercialização de ilhas é proibida pela Constituição; anúncio foi feito no Mercado Livre e no site da Riccio Imóveis

Por Alceu Luís Castilho e Igor Carvalho

Destino paradisíaco no litoral paulista, a Ilha das Couves, em Ubatuba, está à venda por R$ 30,9 milhões. Característica do imóvel: “de frente para o mar”. A responsável pelo anúncio é a Riccio Imóveis, com sede em São José dos Campos (SP). A oferta está também no no Mercado Livre, site de compras online. A Constituição Federal determina que todas as ilhas do litoral brasileiro são propriedades da União e não podem ser comercializadas.

Paraíso para mergulhadores seria “de um holandês”. (Foto: Reprodução)

A imobiliária no Vale do Paraíba informa que o imóvel possui seis fontes de água doce, “potável”, e um pequeno lago no topo da ilha. Uma estrada que a circunda com 3,5 quilômetros de extensão. Uma caixa d’água subterrânea com 60 mil litros de armazenamento e muros de contenção de pedras nas duas praias – a Praia da Terra (ou das Couves) e a Praia de Fora (ou do Japonês).

A lista de atrativos continua: uma base aterrada para a construção de um píer. “Milhares de plantas exóticas como palmitos Jussara e vários animais silvestres bem protegidos”, informa a imobiliária. A Riccio Imóveis oferece uma dica adicional aos eventuais interessados: “Local excelente para construção de um resort, hotéis 5 estrelas”.

SPU: “PROPRIEDADE É DA UNIÃO”

Com 68,7 hectares, a Ilha das Couves está sob jurisdição da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), órgão vinculado ao Ministério do Planejamento. Informada pelo De Olho nos Ruralistas sobre a venda, a SPU enviou uma nota oficial condenando o anúncio de venda do território:

–  A ilha é de propriedade da União e, portanto, não pode ser comercializada. A empresa responsável pelo anúncio será notificada hoje pela Superintendência do Patrimônio da União em São Paulo.

O anúncio no Mercado Livre – identificado há mais de um mês pelo observatório – é idêntico ao disponível no site da Riccio Imóveis. “Toda documentação em ordem com escritura”, informa a imobiliária. Os corretores informam ainda que estudam a possibilidade de aceitar até 20 % do valor – cerca de R$ 6 milhões, portanto – em imóveis localizados no estado de São Paulo.

Um corretor da Riccio informa aos interessados detalhes sobre a venda e oferece uma visita ao local. Ela pode ser feita de helicóptero, com a companhia do “proprietário”. Ele é identificado apenas como “um holandês”.

O Brasil não tem prevista a compra de terras por estrangeiros, um tema em discussão no Congresso.

ILHA É DESTINO DE MERGULHADORES

A Ilha das Couves possui uma vegetação típica da Mata Atlântica, com grande variedade de fauna e flora. Turistas são atraídos ao local pela beleza e pelas boas condições para a prática de mergulho. A atividade é oferecida em dezenas de empresas turísticas em Ubatuba, um dos pontos de partida para se chegar à ilha, a partir da Vila de Picinguaba e da Praia do Estaleiro.

A definição do lugar como um paraíso – além de muito comum entre quem lá esteve – foi dada também pelo Ministério do Turismo, em abril, no perfil da pasta no Instagram.

Anúncio da Riccio Imóveis: “boa para resort”. (Imagem: Reprodução)

A exploração desordenada do turismo no local preocupa o Ministério Público Federal. Localizada na Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Norte, a Ilha das Couves foi alvo de uma série de ações do MPF em São Paulo. Isso porque o fluxo de turistas no local chega a 5 mil pessoas todas as semanas, entre sexta-feira e domingo. O MPF sugeriu aos barqueiros que levem à ilha no máximo 600 pessoas por fim de semana.

You may also read!

Invasões de terras indígenas dobram no primeiro ano de governo Bolsonaro

Número de ocorrências saltou de 109 para 256 entre 2018 e 2019, segundo relatório do Cimi sobre violências contra

Read More...

Brasil já tem mais de 1.000 indígenas e quilombolas mortos por Covid-19

País chega a 835 mortos entre as etnias, segundo a Apib, e 166 mortes em quilombos, conforme a Conaq;

Read More...

Conheça 20 incêndios provocados para expulsar camponeses e indígenas de suas terras

Elemento recorrente na cadeia da grilagem, fogo é utilizado para ameaçar etnias e expulsar assentados da reforma agrária, posseiros

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.