População de Juruá (AM) ameaça indígenas e os impede de trabalhar e se locomover

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Cimi informa que, desde segunda, os Madija Kulina evitam sair às ruas por medo dos moradores, que acusam membros da etnia de um homicídio; tensão existe há quatro anos

As 30 famílias da etnia Madija Kulina que vivem na cidade de Juruá (672 quilômetros a oeste de Manaus) estão sendo ameaçadas por parte dos 13 mil habitantes do local. Desde segunda (27/08), várias manifestações têm ocorrido na cidade contra a presença dos indígenas, segundo relato do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

“Os indígenas estão sendo forçados a permanecerem em suas casas, impedidos de sair para trabalhar temendo sofrer agressões por parte de populares”, informa o Cimi Norte.

A tensão começou após a morte do morador Moisés Lima, 60 anos, cujo corpo foi encontrado no início da semana. Turosso Madija Kulina, da aldeia Beiradão e Dimodo Madija Kulina, da Aldeia Mapiranga, são suspeitos do crime, de acordo com o relato do Cimi.

O conselho indigenista denuncia que, na terça-feira, uma criança de dez anos e outra de 12 anos foram levadas ao Batalhão de Polícia Militar para depor sem a companhia dos responsáveis ou do Conselho Tutelar. Na quarta-feira, a Polícia Militar foi à reserva indígena em busca dos acusados.

Ainda na terça, o comandante do 10º Grupamento de Polícia Militar, tenente Ageu de Araújo, informou ao Batalhão de Polícia Militar de Tefé que “populares estão ameaçando fazer justiça com as próprias mãos”.

A coordenadora técnica da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Carauari, Ercília da Silva Vieira, notificou na quarta-feira o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal.

A tensão entre os indígenas e a população local não é fato novo na cidade. Em agosto de 2014, o professor Madija Kulina foi morto em um campo de futebol da cidade. As suspeitas na época recaíram sobre seis adolescentes da cidade.

Em fevereiro daquele mesmo ano, o juiz Leoney Figliuolo Harraquian, da Comarca de Eirunepé (AM), havia proibido a venda de bebidas alcoólicas a indígenas, restringido a permanência deles no prazo máximo de 48 horas na sede da cidade.

You may also read!

Syngenta contesta relatório sobre agrotóxicos divulgado pela ONG Public Eye

Para a multinacional suíça, fabricante de pesticidas considerados "altamente tóxicos", dados são enganosos e contêm motivações políticas; empresa diz

Read More...

A história do trabalhador que morreu em máquina de moer frango – e do frigorífico onde ele trabalhava

A família de Rodrigo Lopes ainda aguarda informações do inquérito sobre sua morte, em março, no município de Eldorado

Read More...

Brasil consome 18% dos agrotóxicos do mundo, mesma porcentagem dos Estados Unidos

Relatório da ONG Public Eye mostra que a Syngenta despeja no país 32% de seus produtos classificados como "extremamente

Read More...