Livro sobre fumo descreve Ana Amélia, vice de Alckmin, como articuladora importante do setor

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Autores de “Roucos e Sufocados”, sobre a indústria tabagista no Brasil, dizem que ela atuará no Palácio do Planalto “contra o aumento de impostos e qualquer outra medida regulatória”

Por Igor Carvalho

Fruto de um conjunto de experiências dos jornalistas João Peres e Moriti Neto na investigação da indústria tabagista, o livro “Roucos e Sufocados” (Editora Elefante) apresenta a relação intensa entre produtores rurais e as multinacionais que comandam o setor. Ele será lançado em São Paulo na próxima terça-feira (4). Do conjunto de 18 capítulos não escapam as relações do segmento com a política e o judiciário. Entre os nomes nacionais em destaque estão algumas das principais lideranças da bancada ruralista.

Um dos nomes que comandam a bancada do fumo é o do deputado federal Luís Carlos Heinze (PP-RS), desde 1999 na Câmara, desta vez candidato ao Senado. O parlamentar recebeu R$ 98 mil da Philip Morris e R$ 40 mil da Alliance One durante a campanha de 2014. Cético em relação ao aquecimento global, ele é natural Candelária, uma dos principais municípios produtores de tabaco. O parlamentar é articulador das empresas fumageiras na Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a face mais organizada da bancada ruralista.

Senadora Ana Amélia (PP-RS). (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Caso seja eleito, ele ocupará a vaga da colega de partido Ana Amélia (PP-RS). A parlamentar integra a chapa presidencial encabeçada por Geraldo Alckmin (PSDB), ex-governador de São Paulo. Segundo João Peres, ela não ficará sem trabalho em Brasília: “O agronegócio ganha ainda mais peso na candidatura de Alckmin. Ana Amélia tem uma atuação generalista em prol dos ruralistas, como Heinze, e dedicação importante ao fortalecimento da indústria do cigarro”.

A senadora tem uma importante articulação com a Associação dos Municípios Produtores de Tabaco (Amprotabaco) e com o prefeito de Santa Cruz do Sul, Telmo Kirst, habilidoso na costura política e central para os interesses da indústria. Motivo: ele comanda a capital do fumo no país. “É de se imaginar que num eventual governo Alckmin a indústria do cigarro tenha uma articuladora dentro do Palácio do Planalto contra o aumento de impostos e contra qualquer outra medida regulatória”, completa o jornalista.

A bancada do fumo é suprapartidária. No livro, os autores observam que o PT não desempenha um papel firme na oposição à indústria do tabaco. O ex-governador Tarso Genro (PT) é citado como exemplo. O petista compareceu à Expoagro da Afubra, a Associação dos Fumicultores do Brasil, maior feira do setor no Brasil. “Foi à inauguração da fábrica da Souza Cruz e denunciou a tentativa do capital estrangeiro de estrangular um setor que considera fundamental para o Rio Grande do Sul”, diz Peres.

UMA RELAÇÃO DESIGUAL

Fábrica gaúcha de cigarros. (Foto: Sul21)

Quando termina de colher o tabaco de suas terras, o agricultor coloca a produção no caminhão e a transporta até a empresa que compra a matéria-prima. Uma relação espúria começa aí, explicam os autores. Como não há critérios técnicos que regulem o valor do produto, fica a cargo do empresário definir o preço. Caso não concorde, o produtor deve retornar com toda a mercadoria, arcando com os custos de toda a logística.

Essa relação desigual se tornou alvo de dois projetos de lei, um estadual e um federal. Parlamentares não aliados à bancada do fumo querem obrigar o setor a regular o preço, a fim de que os produtores tenham segurança no momento da negociação. Em todos os casos, a bancada do fumo se articulou para garantir que os textos não tramitassem.

A bancada ruralista ocupa apenas 10% das cadeiras na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. O grupo não costuma ter problema, porém, em demonstrar sua força na Casa, ao amparar seu discurso nos números que dão à região a condição de polo brasileiro do tabaco. Entre Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, aproximadamente 700 cidades e 150 mil famílias estão relacionadas à produção do tabaco.

Na tentativa de resolver o imbróglio entre produtores e empresários, o deputado Zé Nunes (PT-RS) propôs na Assembleia gaúcha o Projeto de Lei 204/2015, que determinava a obrigatoriedade de critérios técnicos para a elaboração do preço da folha de tabaco. O projeto caiu nas mãos de Frederico Antunes, liderança do PP, referência local do agronegócio. Um ano e meio após ser apresentado, ele teve parecer contrário na Comissão de Constituição e Justiça.

Outro projeto parecido com o de Nunes, o PL 3.854, foi apresentado em 1997 na Câmara pelo deputado federal Adão Pretto (PT-RS). Após onze anos de tramitação, encontrou em Luis Carlos Heinze um obstáculo importante e ficou estagnado na Comissão de Constituição e Justiça até 2009, quando Pretto faleceu.

LANÇAMENTO:
Data: 4 de setembro
Local: Ateliê do Bixiga
Horário: 19h
Endereço: Rua Conselheiro Ramalho, 945

You may also read!

João Goulart Filho é único candidato a apresentar meta no número de assentados pela reforma agrária

Entre os nanicos, filho de Jango é quem tem proposta mais detalhada em relação aos temas do campo; De

Read More...

Atuação na logística liga governador do Amazonas a madeireiras e mineradoras

Setores dominam o jogo político no estado; na disputa pelo quinto mandato, Amazonino Mendes (PDT) é aliado de empresários

Read More...

Agronegócio estrutura-se e chega em 2018 com estratégia de “um pé em cada canoa”

Observatório publica série sobre presidenciáveis; eleição com candidata indígena e duas senadoras ruralistas tem ineditismo escondido pela violência verbal

Read More...

Mobile Sliding Menu