Meirelles recicla programas ambientais anunciados por Temer e anuncia propostas que contrariam política atual

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, De Olho no Ambiente, Em destaque, Governo Temer, Principal, Últimas

Candidato do MDB, ex-ministro apresentou programa de governo que contraria ações iniciadas nos últimos dois anos; ele promete também programas anunciados e não executados

Por Leonardo Fuhrmann

O governo Temer assumiu em 2016 com uma inflexão em relação aos temas agrários. Uma das primeiras iniciativas foi a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Foram feitos vários cortes orçamentários, tanto no universo dos camponeses, a chamada agricultura familiar, tanto nas políticas ambientais. O candidato do MDB à Presidência da República, porém, Henrique Meirelles, age como se não tivesse feito parte desse bonde.

Promessa de governo ou de candidato? (Imagem: Reprodução)

Um exemplo é a criação das unidades de preservação marítima dos arquipélagos São Pedro e São Paulo (PE) e Trindade e Martim Vaz (ES). O ex-ministro do Meio Ambiente Sarney Filho, candidato ao Senado no Maranhão, chegou a fazer o anúncio em março. Agora, a criação entrou no plano de governo de Meirelles. O candidato quer também acelerar o plano de revitalização de nascentes do Rio São Francisco. O plano Novo Chico, com o mesmo objetivo, foi anunciado por Temer em agosto de 2016.

O presidenciável fala em acelerar os programas de redução do desmatamento na Amazônia. Em valorizar a biodiversidade e proteger o patrimônio natural. Em agosto de 2016, no entanto, o governo do seu partido chegou a extinguir, por decreto, a Reserva Natural de Cobre e Afins (Renca), na divisa do Pará com o Amapá. A extinção foi revogada no mês seguinte, por conta dos protestos de ambientalistas e líderes indígenas e do apoio internacional às manifestações. A pressão também evitou que a reserva Jamanxim, no Pará, fosse extinta. Meirelles fala ainda em incentivar o reflorestamento e as energias renováveis.

PROMESSAS INCHAM, ORÇAMENTO DIMINUI

Meirelles defende a conversão de multas ambientais para programas de conservação e revitalização do meio ambiente. Se mantiver a política de Temer, os recursos para isso serão minguados. Em outubro de 2017, o atual governo ofereceu um desconto de até 60% nas multas ambientais. Para o perdão valer, o proprietário das terras teria de se comprometer em fazer serviços ambientais. A anistia, no valor de R$ 2,7 bilhões, fez parte da negociação com a bancada ruralista para o arquivamento de duas denúncias contra Temer, por corrupção, formação de organização criminosa e obstrução da Justiça.

Ele promete retomar as obras de infraestrutura, para aumentar a competitividade da agricultura. Segundo o IBGE, em 2016, primeiro ano do governo Temer, houve o menor investimento em infraestrutura da última década. Uma queda de 22,1% em relação ao ano anterior. No fim de 2017, o governo chegou a anunciar uma versão repaginada do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado nas gestões petistas e descontinuado pela atual.

MEIRELLES DECLAROU TERRA POR R$ 1

Henrique Meirelles declarou apenas uma terra nua (sem benfeitorias) com valor simbólico registrado em cartório de R$ 1. Seus demais bens têm valores bem mais superlativos: ele é o segundo mais rico entre os presidenciáveis, com bens declarados ao Tribunal Superior Eleitoral no valor de R$ 377,5 milhões, a maior parte dele em aplicações no mercado financeiro. Ele foi presidente global do BankBoston e, durante o governo Lula, presidiu o Banco Central.

Defensor do agronegócio, o candidato do MDB presidiu durante quatro anos a J&F, controladora da JBS, entre 2012 e 2016. Gigante do setor agropecuário, a empresa teve o nome de seu dono Joesley Batista envolvido em diversos casos de corrupção nos últimos anos. Batista chegou a gravar uma conversa comprometedora que teve com Temer em pleno Palácio do Jaburu, onde o presidente residia.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...