Álvaro Dias promete reintegração de posse sumária e ocupação “integral” da Amazônia

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Candidato do Podemos já defendeu madeireira em conflito fundiário com o MST, movimento que ele define como “marginal”; caso envolve acusação de grilagem

Por Leonardo Fuhrmann

Candidato do Podemos à Presidência da República, o senador paranaense Álvaro Dias inclui em seu programa de governo a reintegração de posse sumária em caso de ocupação por movimentos sociais. O ex-governador não detalhou como isso será feito. A ideia é citada duas vezes ao longo do texto: na parte dedicada à legalização de propriedades rurais e urbanas e em outra chamada de “planeta agro”.

Em um encontro de seu partido no Mato Grosso, em 2017, Dias deixou clara sua posição favorável aos ruralistas e contrária aos movimentos sociais: “Não há como admitir invasões às propriedades privadas. Se eu falasse aqui de outra forma, em um Estado produtor como Mato Grosso, eu estaria agredindo produtores rurais e trabalhadores que alimentam as mesas desse país. Portanto, isso é intocável”.

Segundo ele, organizações como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) são “marginais” e sofreram com a infiltração de “malandros”.

Além de não apresentar uma proposta para reforma agrária, Dias não apresenta nenhum plano para garantir direitos dos povos tradicionais, melhoria da segurança alimentar e combate aos agrotóxicos, combate à pobreza e ao trabalho precário e o acesso de pequenos e médios produtores ao conhecimento e inovação tecnológica.

Em 2005, o senador presidiu a CPMI da Terra, cujo relatório, de autoria do então deputado João Alfredo (PSOL-CE) foi rejeitado. Um relatório alternativo, feito pelo ruralista Abelardo Lupion (DEM), ex-presidente da União Democrática Ruralista no Paraná, foi aprovado pela comissão.

O texto sugeria o indiciamento dos líderes de três entidades ligadas ao MST e propunha uma lei para transformar a ocupação de terras para pressionar o governo em “ato terrorista”. A CPMI chegou a quebrar o sigilo bancário dessas entidades, mas rejeitou os pedidos para os mesmos dados da UDR e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

CANDIDATO DEFENDEU ARAUPEL

Candidato defendeu Araupel contra MST. (Foto: MST)

Dias usou a tribuna do Senado, em 2014, para atacar o MST por conta da ocupação de terras da madeireira Araupel, na região de Rio Bonito do Iguaçu. O parlamentar alegava que o ato dos sem-terra ameaçava a segurança e a economia da vizinha Quedas do Iguaçu. O MST argumentava que as terras usadas pela empresa pertenciam à União e foram griladas. O movimento se baseava em uma decisão da Justiça Federal em Cascavel, que negava o usucapião de 23 mil dos 63 mil hectares usados pela empresa.

Sobre a economia do campo, o candidato defende um aumento de 30% na produção de grãos e leguminosas, sem detalhar como isso será feito. Ele promete aos produtores aprimorar as políticas de seguro rural, armazenagem e defesa animal e vegetal.

Quando o assunto é meio ambiente, o candidato promete a preservação e aproveitamento de todo bioma nacional, proteção de mananciais com replantio de matas, gestão produtiva dos aquíferos e cursos d’água e cumprimento do programa de créditos para descarbonização. Sem dar mais detalhes, Dias defende ainda a “ocupação integral do território amazônico”.

Dias declarou à Justiça Eleitoral ter bens avaliados em R$ 2,9 milhões, 48,7% em cotas de capital de empresas e outros 19,4% em outras participações societárias.

You may also read!

De olho no STF, governo goiano e indústria do amianto jogam pesado para retomar atividades

Principal polo de exploração no país fica em Minaçu (GO), onde a população convive com casos de câncer abafados

Read More...

Filme mostra resistência do povo Munduruku no médio Tapajós, no Pará

Coproduzido por coletivo liderado por mulheres, "Amazônia Sociedade Anônima" acompanha o processo de autodemarcação da etnia; exibido na 43ª Mostra

Read More...

De Olho nos Ruralistas e O Joio e o Trigo unem-se no projeto “Brasil Sem Veneno”

Dois veículos da imprensa independente produzirão material multimídia sobre os impactos dos pesticidas na saúde e no ambiente; cobertura

Read More...