Álvaro Dias promete reintegração de posse sumária e ocupação “integral” da Amazônia

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Candidato do Podemos já defendeu madeireira em conflito fundiário com o MST, movimento que ele define como “marginal”; caso envolve acusação de grilagem

Por Leonardo Fuhrmann

Candidato do Podemos à Presidência da República, o senador paranaense Álvaro Dias inclui em seu programa de governo a reintegração de posse sumária em caso de ocupação por movimentos sociais. O ex-governador não detalhou como isso será feito. A ideia é citada duas vezes ao longo do texto: na parte dedicada à legalização de propriedades rurais e urbanas e em outra chamada de “planeta agro”.

Em um encontro de seu partido no Mato Grosso, em 2017, Dias deixou clara sua posição favorável aos ruralistas e contrária aos movimentos sociais: “Não há como admitir invasões às propriedades privadas. Se eu falasse aqui de outra forma, em um Estado produtor como Mato Grosso, eu estaria agredindo produtores rurais e trabalhadores que alimentam as mesas desse país. Portanto, isso é intocável”.

Segundo ele, organizações como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) são “marginais” e sofreram com a infiltração de “malandros”.

Além de não apresentar uma proposta para reforma agrária, Dias não apresenta nenhum plano para garantir direitos dos povos tradicionais, melhoria da segurança alimentar e combate aos agrotóxicos, combate à pobreza e ao trabalho precário e o acesso de pequenos e médios produtores ao conhecimento e inovação tecnológica.

Em 2005, o senador presidiu a CPMI da Terra, cujo relatório, de autoria do então deputado João Alfredo (PSOL-CE) foi rejeitado. Um relatório alternativo, feito pelo ruralista Abelardo Lupion (DEM), ex-presidente da União Democrática Ruralista no Paraná, foi aprovado pela comissão.

O texto sugeria o indiciamento dos líderes de três entidades ligadas ao MST e propunha uma lei para transformar a ocupação de terras para pressionar o governo em “ato terrorista”. A CPMI chegou a quebrar o sigilo bancário dessas entidades, mas rejeitou os pedidos para os mesmos dados da UDR e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

CANDIDATO DEFENDEU ARAUPEL

Candidato defendeu Araupel contra MST. (Foto: MST)

Dias usou a tribuna do Senado, em 2014, para atacar o MST por conta da ocupação de terras da madeireira Araupel, na região de Rio Bonito do Iguaçu. O parlamentar alegava que o ato dos sem-terra ameaçava a segurança e a economia da vizinha Quedas do Iguaçu. O MST argumentava que as terras usadas pela empresa pertenciam à União e foram griladas. O movimento se baseava em uma decisão da Justiça Federal em Cascavel, que negava o usucapião de 23 mil dos 63 mil hectares usados pela empresa.

Sobre a economia do campo, o candidato defende um aumento de 30% na produção de grãos e leguminosas, sem detalhar como isso será feito. Ele promete aos produtores aprimorar as políticas de seguro rural, armazenagem e defesa animal e vegetal.

Quando o assunto é meio ambiente, o candidato promete a preservação e aproveitamento de todo bioma nacional, proteção de mananciais com replantio de matas, gestão produtiva dos aquíferos e cursos d’água e cumprimento do programa de créditos para descarbonização. Sem dar mais detalhes, Dias defende ainda a “ocupação integral do território amazônico”.

Dias declarou à Justiça Eleitoral ter bens avaliados em R$ 2,9 milhões, 48,7% em cotas de capital de empresas e outros 19,4% em outras participações societárias.

You may also read!

Prefeito com fazenda no quilombo Mesquita, na divisa com Brasília, se reelege em Cidade Ocidental (GO)

Nos últimos quatro anos, Fabio Correa (PP) triplicou o patrimônio e adquiriu mais 20 hectares dentro da comunidade tradicional

Read More...

Apresentador do SBT no Paraná diz que “polícia pode descer bala” em indígenas

Retransmissora pertence à família do governador Ratinho Junior; discriminação e ameaças de morte em Nova Laranjeiras colocam em risco

Read More...

Território indígena no Pará é invadido dois dias após acusado de grilagem se eleger prefeito

Em 2016, quando também era prefeito, João Cleber ameaçou renunciar ao cargo em São Félix do Xingu (PA) caso

Read More...