Bolsonaro não apresenta propostas para economia rural; Haddad quer estimular produtos com valor agregado

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Apesar do apoio da FPA, Bolsonaro diz pouco sobre o setor agropecuário e ataca a China, maior comprador de soja; o petista fala em estimular agricultura de baixo carbono e cortar crédito para práticas ofensivas ao ambiente

Duas páginas. Esse é o espaço dedicado à economia rural no plano de governo de Jair Bolsonaro (PSL). Sem apresentar nenhuma proposta específica, o capitão reformado resume seu programa para o setor agropecuário (que ele restrnige à agricultura) em um único ponto: reunir todas as instituições de fomento e extensão rural em uma única pasta.

A pouca atenção dada ao setor no plano de governo de Bolsonaro não foi empecilho para que recebesse apoio da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), ainda no primeiro turno. A carta entregue a Bolsonaro pela presidente da entidade, a deputada reeleita Tereza Cristina (DEM-MS), tampouco lista demandas do setor. Segundo o documento, a justificativa para a aliança seria “evitar que candidatos ligados à esquemas de corrupção e ao aprofundamento da crise econômica brasileira retornem ao comando do nosso País”.

Fernando Haddad (PT) dedica um espaço maior para a economia rural. O petista destaca a importância do setor agropecuário para a economia brasileira e defende uma revisão do crédito rural, impedindo excessos e cortando o financiamento para “práticas produtivas ofensivas ao meio ambiente e aos direitos trabalhistas”, valorizando a agricultura de baixo carbono.

Hadda também propõe fomentar as exportações de produtos agrícolas com maior valor agregado por meio de estímulos fiscais, de modo a diversificar a atividade produtiva e reduzir a dependência do Brasil em relação ao mercado de commodities.

BOLSONARO QUER CONSOLIDAR MERCADOS, MAS ATACA A CHINA

O “super-ministério” da Agricultura de Jair Bolsonaro deverá reunir seis atribuições: política e economia agrícola (incluindo comércio); recursos naturais e “meio ambiente rural”; defesa agropecuária e segurança alimentar; pesca e piscicultura; desenvolvimento rural sustentável; e inovação tecnológica.

Na página seguinte, o candidato cita seis demandas para o setor, sem dizer quais políticas pretende implementar em cada área. São elas a segurança no campo, a “solução para a questão agrária”, a logística de transporte e armazenamento, “uma só porta” para atender as demandas do setor rural (possível referência ao conceito “one-stop-shop”, referente à integração administrativa), além de consolidar e abrir novos mercados.

Visita de Jair Bolsonaro a Taiwan irritou autoridades chinesas. (Foto: Facebook)

Esta última demanda pode ser afetada pelo discurso de Bolsonaro. De acordo com a Reuters, os ataques do candidato do PSL à China, o principal parceiro comercial do Brasil, têm causado apreensão em Pequim e podem impactar as relações com o principal mercado do agronegócio brasileiro. Segundo a reportagem, o deputado teria caracterizado o governo chinês como “um predador que quer dominar setores cruciais da economia”.

Desde os anos 2000, a China se consolidou como maior comprador de soja do Brasil e figura entre os principais importadores de celulose e proteína animal. Além disso, a “guerra comercial” travada com os Estados Unidos deve aumentar a demanda da China pela soja brasileira. Em março, Bolsonaro já havia irritado autoridades chinesas ao realizar uma visita oficial a Taiwan, cuja independência não é reconhecida por Pequim.

HADDAD QUER MANTER FAMÍLIAS NO CAMPO

Além do fomento a produtos de maior valor agregado, o plano de governo de Fernando Haddad pretende implementar o Plano Nacional de Juventude e Sucessão Rural, priorizando a educação do campo, indígena e quilombola e oferecendo formação profissional dos jovens do campo, com o objetivo de aumentar a retenção da juventude no meio rural.

Entre as políticas para o agronegócio, Haddad também menciona ampliar a regulamentação do setor, visando a contenção no avanço da fronteira agrícola, sem especificar em quais regiões.

Haddad no Piauí: estado é ameaçado pela expansão do agronegócio no Matopiba. (Foto: Reprodução)

– O apoio do governo federal deve ser acompanhado da regulação do grande agronegócio para mitigar os danos socioambientais, impedir o avanço do desmatamento, assegurar o ordenamento da expansão territorial da agricultura de escala, corrigir as permissividades normativas, impedir excessos das subvenções públicas e subordinar sua dinâmica aos interesses da soberania alimentar do país.

Caso eleito, Haddad terá o desafio de reverter a herança negativa deixada por Dilma Rousseff. Se entre 2003 e 2012 o desmatamento na Amazônia caiu 83%, entre 2013 e 2016 aumentou 60%. Além disso, a expansão da fronteira do agronegócio rumo ao Matopiba – acrônimo para as últimas áreas nativas de Cerrado entre os estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia – tem anulado os ganhos decorrentes da preservação da Amazônia.

You may also read!

Temer cumpre acordo com a FPA e prorroga prazo de adesão ao Refis do Funrural

Transformada em lei, medida provisória adia o prazo de adesão no Programa de Regularização Tributária Rural para 31 de

Read More...

Justiça suspende processo de demarcação no Paraná um dia após atentado contra indígena

Decisão de desembargador paralisa por 90 dias a demarcação de terras Avá-Guarani, em Terra Roxa e Guaíra, palco de

Read More...

Observatório lança, em Dourados, site De Olho no Mato Grosso do Sul

Projeto traz mapa com propriedades de terras por políticos, município a município; De Olho nos Ruralistas faz um raio

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu