Castanha-do-Brasil e maracujá correm risco de extinção diante das ameaças à polinização

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Agrotóxicos e desmatamento são os vilões das abelhas, besouros, borboletas e aves no Brasil, conforme relatório divulgado por doze pesquisadores; docente da UFSCar diz que liberação de agrotóxicos pelo governo afetará ainda mais a população de insetos

Por Igor Carvalho

O uso de agrotóxicos e o desmatamento são os grandes vilões do sistema de polinização feito por diversos animais, especialmente a abelha, em plantas utilizadas para a produção de alimentos no Brasil. O alerta é responsabilidade de doze pesquisadores que elaboraram o “Relatório Temático de Polinização, Polinizadores e Produção de Alimentos no Brasil”, pesquisa realizada em parceria entre a Rede Brasileira de Interações Planta-Polinizador e a Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos.

Abelhas são as principais polinizadoras. (Foto: Marcelo Casimiro Cavalcante/Rebipp)

Para a elaboração do estudo, os pesquisadores analisaram 191 plantas relacionadas à alimentação brasileira, entre as 289 catalogadas. Em 144 espécies foi possível reconhecer quem são os polinizadores: as abelhas são responsáveis por 66% dos casos de polinização; os besouros, por 9%, as borboletas e mariposas, 5%; as aves, 4%. Segundo o relatório, o número de animais que participam desse processo é muito maior, mas a maioria ainda não está catalogada.

Das 191 espécies investigadas pelos pesquisadores, 91 dependem da polinização para existir. A extinção de determinadas espécies polinizadoras pode significar o fim do plantio do alimento ou a sobrevalorização do produto, como explica a coordenadora do relatório, Kayna Agostini:

– O maracujá, por exemplo, é altamente dependente do polinizador para produção de frutos. Sem a abelha mamangava, não temos o fruto do maracujá. Para suprir essa possível extinção, os agricultores teriam que contratar um número considerável de trabalhadores para realizar o trabalho de polinização manualmente, esfregando as mãos nas plantas. Culturas que dependem exclusivamente de polinizadores estão correndo o risco de extinção, como a castanha-do-brasil, também conhecida como castanha-do-Pará, e o maracujá.

Ela  conta que em outras culturas, dependentes em menor escala da polinização, a situação ainda não é de alto risco. É o caso da soja, o carro-chefe do agronegócio brasileiro. “Mas olha que incrível, se você coloca os polinizadores na plantação de soja, eles aumentam em 30% a produção”, afirma.

Coordenadora do programa de pós-graduação em Agricultura e Meio Ambiente da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Kayna Agostini observa que o período no país é de “avanço no uso de agrotóxicos” e que pouco se reflete a respeito de suas consequências.

“Nesse processo recente do governo, de liberação de mais 28 agrotóxicos, cada vez mais tóxicos, isso tem impacto direto nos polinizadores”, afirma a docente. Em especial, a abelha, que tem alteração significativa em sua população. “Isso significará uma redução imediata produção de alimentos”.

ATÉ O AGRONEGÓCIO SERÁ PREJUDICADO, DIZ PESQUISADORA

De acordo com o estudo, estímulos como os provocados pelos polinizadores nas plantações de soja, corresponderam, em 2018, a R$ 43 bilhões. O cálculo foi baseado em quatro cultivos: soja, maçã, café e laranja. “A polinização é um serviço ecossistêmico sem igual e gratuito, que oferece um enorme serviço ao agronegócio, inclusive”, diz Kayna. “É um contrassenso que eles usem tanto agrotóxico, o que mata esses insetos”.

Ela considera importante que os produtores brasileiros busquem formas de garantir a sobrevivência desses polinizadores. “Por exemplo, saber a hora que o polinizador visita as plantas e evitar aplicar o agrotóxico”.

Castanha é um dos alimentos ameaçados. (Foto: Agência Brasil/EBC)

A polinização, ou seja, “a transferência de pólen entre diferentes indivíduos de plantas da espécie”, explica o relatório, é fundamental para garantir a qualidade do fruto e das sementes produzidos e ampliar a variabilidade genética, “o que contribui para que os cultivos se tornem menos susceptíveis a pragas e patógenos”.

O texto critica a utilização de veneno nas plantações para controle de pragas:

– A aplicação de agrotóxicos com alta toxicidade para polinizadores e sem observar seus padrões e horários de visitas pode provocar a morte, atuar como repelente e também causar efeitos tóxicos subletais (desorientação do voo, redução na produção de prole, entre outros) em polinizadores. O uso de pesticidas tende a suprimir ou encolher a produção de néctar e pólen em algumas plantas.

A garantia de que os animais polinizadores visitarão a lavoura depende da reserva de floresta que avizinha a plantação. É justamente nesse aspecto que reside outro inibidor importante da polinização: o desmatamento.

Kayna toma como exemplo a abelha mamangava, uma espécie que faz seu ninho em um tronco podre, nunca dentro da plantação, sempre em região muito próxima. “Se eu desmato e tiro esse tronco, não terá abelha para fazer essa polinização, pois ela vai buscar abrigo longe da plantação e não retornará”, explica.

You may also read!

Para se proteger de ameaças, maior quilombo do país, o Kalunga, mapeia território em Goiás

Com apoio internacional, quilombolas georreferenciam suas terras para se defender do avanço do agronegócio, da invasão de grileiros, da

Read More...

Contra reforma da Previdência, camponeses aderem à greve geral e participam de manifestações em 26 estados

Em dia marcado por paralisações, trabalhadores rurais de diversos municípios saíram às ruas para protestar contra a reforma da

Read More...

Dono de empresas agropecuárias, senador banca projeto que extingue Reserva Legal

Filho de ex-governador do MA ligado a conflitos agrários, tucano Roberto Rocha considera a manutenção de matas nativas uma

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.