De Olho nos Ruralistas participa do 4º Fórum Humanista Latino-Americano, no Chile

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Evento reúne em Santiago, entre os dias 10 e 12, pessoas e organizações de vários países das América do Sul, Central e do Norte, em busca de soluções conjuntas para problemas globais; ambiente e povos indígenas estão entre os temas deste ano

O que têm em comum as medidas do governo Bolsonaro com outras políticas de retrocessos sociais e ambientais na América Latina? E o que é possível fazer para reverter o quadro? Uma das mesas que antecedem a abertura do 4o Fórum Humanista Latino-americano (FHL 2019), a ser realizado em Santiago de 10 a 12 de maio, no Chile, traz o seguinte tema, na manhã da sexta-feira: “Desprivatização da Água, dos Alimentos e do Meio Ambiente”.

Um dos coordenadores do De Olho nos Ruralistas, o jornalista Alceu Luís Castilho participa do painel e falará sobre a expansão do agronegócio no Brasil e no Paraguai. O Partido Humanista será representado por Mariel Gonzalez. O outro chileno da mesa será Leonardo Gatica, da Revolución Democrática. O partido socialista foi fundado em 2012, na esteira dos movimentos estudantis. Completa o painel a brasileira Luara Colpa, assessora do vereador Gilson Reis (PCdoB), de Belo Horizonte.

A mediação do painel ficará por conta de Domenico Mussella, da Pressenza, agência internacional de notícias, uma das entidades organizadoras do fórum. Outros veículos de comunicação brasileiros apoiam o evento, entre eles o Outras Palavras, o Opera Mundi e os Jornalistas Livres.

Com o tema “Construindo Convergências”, o Fórum Humanista já teve edições no Equador (Quito 2006), Bolívia (La Paz 2007) e Argentina (Buenos Aires 2008). Desta vez reunirá 24 redes de ações temáticas, segundo a organização, buscando criar “convergência, diálogo, intercâmbio e projeção entre organizações sociais, partidos políticos e pessoas interessadas em abrir novos caminhos para o futuro”.

REDE DE RESISTÊNCIA INDÍGENA SE REUNIRÁ NO SÁBADO

Cartaz com programação do 4º Fórum Humanista Latino-Americano.

A proposta do fórum é estabelecer uma posição clara em relação aos problemas globais que afetam o mundo hoje. Entre eles, o crescimento do racismo, o ataque a direitos humanos, o aumento do desemprego e da precariedade do trabalho, a deterioração da saúde e da educação, a destruição do ambiente, a segregação e criminalização dos povos nativos, a perseguição religiosa e a manipulação da mídia de massa.

A expansão e o fortalecimento de novos fenômenos – revolução feminista, ruptura do paradigma heterossexual tradicional, outros arranjos familiares, modelos alternativos de convivência, maior consciência de respeito ao ambiente e aos seres vivos e novos modelos de ação política – serão também amplamente abordados no evento.

“Nesse fórum, esperamos nos encontrar, experimentar a presença dos outros, nos reconhecer em nossas lutas, nos validar, nos sustentar, elevar a esperança que tantas vezes oscila e entender que a história tem seus ciclos e ritmos”, diz Pía Figueroa, codiretora da Pressenza e membro da organização do FHL. “Hoje é o momento em que o anti-humanismo e o fascismo atacam impiedosamente, mas eles não têm a primazia do futuro porque somos muitas pessoas, tantas organizações, novas redes”.

O painel “Desprivatização da Água, dos Alimentos e do Meio Ambiente” será apresentado às 11 horas do dia 10 (sexta-feira), no Auditório Isaac Newton, no Planetário da Universidade de Santiago do Chile (USACH), na Avenida Libertador Bernardo O’Higgins, 3349.

A Biblioteca de Santiago e o Museo de La Memoria y Los Derechos Humanos estão entre os principais espaços do evento. Será na sede do museu, por exemplo, o painel com uma rede de parlamentares, na noite do sábado, “por uma América Latina mais humana”. A Red de Resistencias Indígenas se reunirá na manhã e na tarde do sábado na sede da Escuela República de Panamá.

You may also read!

Filho de Bolsonaro defende fazendeiros que ocupam terras ligadas ao clã Dallagnol

Propriedades da família do ex-procurador, em Nova Bandeirantes (MT), têm sobreposições com Projeto de Assentamento Japuranã; deputado estadual

Read More...

Saiba quem é o dono da fazenda onde Guarani Kaiowá foi assassinado, no Mato Grosso do Sul

Massacre policial ocorreu nesta sexta-feira, em Amambai, na fronteira com o Paraguai, e deixou oito feridos; pecuarista tem várias

Read More...

Perícia mostra “triplex” de terras rurais da família Dallagnol no Mato Grosso

Sobreposição é uma das acusações do Incra para reaver dinheiro gasto com desapropriações; fazendas de tios e pai do

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu