Starbucks é alvo de ação judicial por conta do uso em Nova York de inseticida que causa câncer

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Em destaque, Principal, Últimas

Muito utilizado na agricultura em vários países, entre eles Brasil, pesticida pode desencadear também o surgimento de doenças endócrinas, entre outras patologias; rede de cafeterias deixava substância perto de alimentos

A NBC News informa que a rede de cafeterias Starbucks – a maior do mundo – sofreu duas ações judiciais na terça-feira (20), em Nova York, por conta de denúncias de dez clientes que alegaram ter sido expostos, em algumas lojas, ao pesticida DDVP, fabricado pela Spectrum Brands. DDVP ou Diclorvós são os nomes comerciais do inseticida organofosforado 2,2 diclorovinil dimetilfosfato, muito usado em produções agrícolas, para controlar insetos em áreas de armazenamento de grãos, e no combate a vários tipos de pragas domésticas.

O inseticida estava próximo a alimentos nas lojas da Starbucks. (Foto: Reprodução).

Segundo os clientes, que entraram com uma ação coletiva contra a empresa, a Starbucks usou, em várias lojas de Nova York, nos últimos três anos, diversas tiras do inseticida, comercializado com o nome de Hot Shot No-Pest Strips, para afugentar baratas e outras pragas. O DDVP estava exposto, segundo as denúncias, próximos de alimentos.

As substâncias contidas no organofosforado são emitidas para a atmosfera e, pelas suas características, o inseticida só pode ser utilizado em lugares fechados quando não há pessoas. Para o controle de pragas, são considerados altamente eficientes e amplamente utilizados. Mas há riscos para animais: em 2010, ficou comprovado que onze vacas leiteiras morreram, em Cuiabá, por intoxicação causada por organofosforado.

Existem estudos comprovando que, no organismo humano, o organofosforado tem potencial de alterar genes e células, em estreita relação com o surgimento de diversos tipos de câncer. Também promove alterações endócrinas e no aparelho reprodutor.

Utilizados no Brasil em larga escala, os produtos que contêm o princípio ativo do pesticida estão proibidos no Reino Unido (desde 2012), Índia (desde 2013)  e Argentina (desde o ano passado).

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.