Governo libera para cinco fabricantes agrotóxico que causa contaminação em rios

In Agrotóxicos, De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

Pesquisa mostra que o Hexazinona pode ter contaminado o Aquífero Guarani; lista divulgada nesta segunda inclui 42 novas substâncias, entre elas 13 pesticidas extremamente tóxicos; desde janeiro já são 211 autorizações

Por Leonardo Fuhrmann

O governo Bolsonaro liberou nesta segunda-feira (24) a substância Hexazinona para cinco fabricantes ou importadores diferentes: Adama, Tradecorp, CCAB Agro, Albaugh, Nortox e uma sexta empresa que conseguiu o registro graças à Pró Registros, escritório especializado nesse tipo de licenciamento. A substância tem causado preocupação em muitas regiões do país em função de pesquisas que indicam a contaminação da água consumida em diversos municípios, por conta de seu uso agrícola.

O ato número 42, da Coordenação Geral de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, aprovou o registro de 42 novas substâncias, que poderão ser produzidas ou importadas para uso nas lavouras brasileiras. Dessas, 13 são consideradas pelo próprio órgão federal como extremamente tóxicas e outras quatro como altamente tóxicas. Com a nova medida, a lista de agrotóxicos autorizados pelo governo desde janeiro chega a 211 produtos.

O pesquisador Raphael DAnna Acayaba, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), apontou a contaminação por hexazinona em pelo menos dois rios na região de Piracicaba, polo produtor de cana-de-açúcar no interior paulista. Outros pesquisadores acompanham o assunto em regiões do Nordeste.

Uma pesquisa feita pelo Laboratório de Resíduos e Contaminantes, da Embrapa Meio Ambiente, mostrou os riscos de contaminação de águas subterrâneas. O estudo traz a possibilidade de o Hexazinona ter contaminado o Aquífero Guarani, principal reserva subterrânea de água doce da América do Sul e um dos maiores sistemas aquíferos do mundo. A preocupação é maior em relação à região de Ribeirão Preto, outra parte do polo canavieiro paulista, onde o aquífero aflora. “Os resultados encontrados no solo estudado demonstram que o hexazinona possui potencial para contaminação de águas subterrâneas”, conclui a pesquisa.

Aquífero Guarani: provável contaminação da reserva em alguns pontos. (Foto: Agência USP)

Foram também liberados dois novos glifosatos, dos fabricantes Nortox e Adama. Um dos agrotóxicos mais usados no mundo, o glifosato é alvo de controvérsia principalmente depois de a Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer, parte da Organização Mundial de Saúde (OMS), concluir com base em centenas de pesquisas que o glifosato era “provavelmente cancerígeno” para humanos. A Comissão Europeia deve analisar em 2022 se mantém a liberação de seu uso no continente. No Brasil, o glifosato está em reavaliação desde 2008.

AUTORIZADA NOVA VERSÃO DO 2,4-D 

Foi liberada também uma versão do agrotóxico 2,4-D, produzido pela CropChem. O produto foi banido na Austrália e no Canadá e, desde 2006, está sob processo de reavaliação na Anvisa. Os fruticultores do Rio Grande do Sul alegam que o herbicida provocou perdas milionárias em suas safras, pois devastou extensas plantações de uvas, impactando negativamente na produção das vinícolas. Querem a proibição imediata do produto no estado. Os prejuízos, afirmam, ultrapassam R$ 100 milhões, segundo Helio Marchioro, do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), e atingem, além das uvas, o cultivo de oliveiras, macieiras, citros e erva-mate.

O produto técnico Rinksor, da empresa Dow, à base de Florpirauxifen-benzil, é o único ingrediente ativo novo que está na lista. Foi a primeira vez neste ano que foi liberado um ingrediente que ainda não era utilizado, sob a alegação de que “apresenta alta eficiência contra a infestação de diversas plantas daninhas”.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.