Povo Munduruku teme represália após expulsar madeireiros de seu território

In De Olho no Agronegócio, De Olho nos Conflitos, Desmatamento, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Povo do Médio e Alto Tapajós, no oeste do Pará, obriga exploradores a retirar equipamentos da Terra Indígena Sawre Muybu e cobra atuação das autoridades

Por Priscilla Arroyo

No dia 19 de julho, 120 indígenas da etnia Munduruku, do Médio e do Alto Tapajós, deram início a uma expedição para expulsar dois grupos de madeireiros que invadiram o seu território, a Terra Indígena Sawre Muybu, no oeste do Pará. Trata-se de um espaço de 178 mil hectares, que está na quinta etapa do processo de autodemarcação. “Agora temos receio de represálias”, disse um integrante da jornada.

A ação durou quatro dias. Os indígenas se dividiram em cinco grupos e andaram por mais de 100 quilômetros seguindo as estradas abertas pelos cerca de 30 intrusos na mata. A estratégia escolhida foi o fechamento da entrada principal das rotas para obrigar os dois grupos de madeireiros, liderados pelos capangas de codinome “Nego” e “Silvinho”, a retirar os equipamentos da terra. Saíram 11 máquinas pesadas, dois caminhões, oito motos, um quadriciclo e uma balsa – todos veículos sem placa.

Caminhão dos madeireiros retirado da TI Sawre Muybu. ( Foto: Anderson Barbosa/Associação Pariri)

O território está sob invasão há pelo menos dois anos. Durante esse período, os indígenas acionaram o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) e não tiveram apoio. “Nos colocamos em risco no enfrentamento, pois os órgãos responsáveis não estão fazendo a parte deles”, afirma outro integrante da expedição. Embora a retirada dos equipamentos tenha sido pacífica, “na base da conversa”, os Munduruku estão receosos. “Daqui para frente, o risco tende a aumentar”.

Os indígenas acreditam que ainda há invasores nas terras e desconfiam que o grupo esteja acampado a cerca de 20 quilômetros para dentro da mata. Em nota, os Munduruku reafirmam que as suas vidas estão em perigo e cobram a atuação de autoridades. “Será que vão precisar morrer outros parentes, como aconteceu com a liderança Wajãpi, para que os órgãos competentes atuem?”, escreveram. A expedição foi documentada por meio de fotos e vídeos, e o material foi encaminhado à Polícia Federal para ajudar nas investigações da invasão.

Foto principal: Povo Munduruku. (Anderson Barbosa/Associação Indígena Pariri)

 

You may also read!

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.