Povo Munduruku teme represália após expulsar madeireiros de seu território

In De Olho no Agronegócio, De Olho nos Conflitos, Desmatamento, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Povo do Médio e Alto Tapajós, no oeste do Pará, obriga exploradores a retirar equipamentos da Terra Indígena Sawre Muybu e cobra atuação das autoridades

Por Priscilla Arroyo

No dia 19 de julho, 120 indígenas da etnia Munduruku, do Médio e do Alto Tapajós, deram início a uma expedição para expulsar dois grupos de madeireiros que invadiram o seu território, a Terra Indígena Sawre Muybu, no oeste do Pará. Trata-se de um espaço de 178 mil hectares, que está na quinta etapa do processo de autodemarcação. “Agora temos receio de represálias”, disse um integrante da jornada.

A ação durou quatro dias. Os indígenas se dividiram em cinco grupos e andaram por mais de 100 quilômetros seguindo as estradas abertas pelos cerca de 30 intrusos na mata. A estratégia escolhida foi o fechamento da entrada principal das rotas para obrigar os dois grupos de madeireiros, liderados pelos capangas de codinome “Nego” e “Silvinho”, a retirar os equipamentos da terra. Saíram 11 máquinas pesadas, dois caminhões, oito motos, um quadriciclo e uma balsa – todos veículos sem placa.

Caminhão dos madeireiros retirado da TI Sawre Muybu. ( Foto: Anderson Barbosa/Associação Pariri)

O território está sob invasão há pelo menos dois anos. Durante esse período, os indígenas acionaram o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) e não tiveram apoio. “Nos colocamos em risco no enfrentamento, pois os órgãos responsáveis não estão fazendo a parte deles”, afirma outro integrante da expedição. Embora a retirada dos equipamentos tenha sido pacífica, “na base da conversa”, os Munduruku estão receosos. “Daqui para frente, o risco tende a aumentar”.

Os indígenas acreditam que ainda há invasores nas terras e desconfiam que o grupo esteja acampado a cerca de 20 quilômetros para dentro da mata. Em nota, os Munduruku reafirmam que as suas vidas estão em perigo e cobram a atuação de autoridades. “Será que vão precisar morrer outros parentes, como aconteceu com a liderança Wajãpi, para que os órgãos competentes atuem?”, escreveram. A expedição foi documentada por meio de fotos e vídeos, e o material foi encaminhado à Polícia Federal para ajudar nas investigações da invasão.

Foto principal: Povo Munduruku. (Anderson Barbosa/Associação Indígena Pariri)

 

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.