Pastor que ironizou Raoni pertence a ONG missionária ligada a Damares

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Marcos Borges, o Coty, dirige a gráfica e a editora da Jocum no Brasil;  organização é acusada de produzir um documentário falso e de fazer contato ilegal com indígenas para evangelização; missionários são acusados de outras irregularidades na Amazônia

Por Leonardo Fuhrmann

O pastor evangélico Marcos de Souza Borges, o Coty, publicou na última terça-feira (01) uma postagem em que ironizava a internação do cacique Raoni por causa de um quadro de Covid-19. O tweet foi apagado depois da repercussão negativa, mas foi divulgado por sites como a revista Fórum. A postagem ridiculariza o botoque usado pelo cacique, símbolo usado por oradores e líderes de sua etnia. A fotomontagem com uma imagem de um CD,próximo da boca de Raoni, afirmava que o sistema antivírus do líder indígena havia sido atualizado.

Marcos Borges, o Coty: conexão com Damares Alves. (Imagem: Reprodução)

Conhecido internacionalmente desde os anos 70, quando o Brasil ainda vivia uma ditadura, o líder Kayapó de 90 anos é um dos nomes mais respeitados da luta em defesa da Floresta Amazônica e dos povos originários da região. O cacique já foi recebido por diversos líderes políticos, inclusive o papa Francisco, e costuma ser alvo de ataques do presidente Jair Bolsonaro, que o acusa de defender interesses de outros países. Raoni foi internado em razão da doença na segunda-feira. Ele já havia ficado nove dias internado em junho em razão de outros problemas de saúde.

Coty é diretor da Gráfica e Editora Jocum e líder de base da entidade em Almirante Tamandará, no Paraná. A Jovens com uma Missão é ligada à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves. Ela é fundadora da Atini e as duas organizações são acusadas de desrespeito à cultura indígena, inclusive com um documentário fraudulento, e também de ter seus missionários envolvidos em outras irregularidades na Amazônia, como mostrou o De Olho nos Ruralistas em janeiro de 2019: “ONG ligada à ministra Damares levou malária a indígenas isolados”.

FESTIVAL TEVE A PARTICIPAÇÃO DE BOLSONARO

A reportagem mostra tentativas de contato clandestino, além de acusações contra missionários de biopirataria, furto de mogno e adoções ilegais de crianças indígenas. As duas organizações aparecem ligadas também ao Movimento Novas Tribos do Brasil, do pai do antropólogo bolsonarista Edward Luz. A atuação deste grupo foi explicitada também em outra reportagem do observatório: “Mortes, escravidão e abuso sexual: o legado das missões comandadas pelo pai de antropólogo preso pelo Ibama”.

A Jocum é também uma das organizadoras do The Send, um culto-festival criado pelo movimento ultraconservador evangélico norte-americano. Damares e Bolsonaro participaram da primeira edição do festival no Brasil, em fevereiro deste ano. A ministra participou dos atos em dois estádios de São Paulo. E Bolsonaro em Brasília.

Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Catarina Barbosa/Brasil de Fato): Raoni é respeitado internacionalmente, desrespeitado em seu país

You may also read!

Invasões de terras indígenas dobram no primeiro ano de governo Bolsonaro

Número de ocorrências saltou de 109 para 256 entre 2018 e 2019, segundo relatório do Cimi sobre violências contra

Read More...

Brasil já tem mais de 1.000 indígenas e quilombolas mortos por Covid-19

País chega a 835 mortos entre as etnias, segundo a Apib, e 166 mortes em quilombos, conforme a Conaq;

Read More...

Conheça 20 incêndios provocados para expulsar camponeses e indígenas de suas terras

Elemento recorrente na cadeia da grilagem, fogo é utilizado para ameaçar etnias e expulsar assentados da reforma agrária, posseiros

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.