Diante de agravamento da pobreza, organizações se articulam pelo voto consciente

In De Olho na Comida, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Campanhas da Articulação no Semiárido e da Articulação Nacional de Agroecologia estimulam eleição de prefeitos e vereadores que priorizem agroecologia e agricultura camponesa; dificuldades em virtude da pandemia podem reforçar compra de votos

Por Mariana Franco Ramos

O temor de que a situação de pobreza, fome e miséria no campo e nas periferias das cidades leve candidatos a ludibriar os eleitores no pleito municipal de 2020 levou organizações sociais a se movimentarem. Num cenário de desmonte de políticas públicas e retirada de direitos, agravado com a pandemia de Covid-19, movimentos buscam, de um lado, dar visibilidade a políticos comprometidos com os direitos humanos e, de outro, conscientizar as pessoas para que façam suas escolhas de forma consciente.

A Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA) lançou no dia 29 a campanha “Não troque seu voto“, que estimula os cidadãos a conhecerem as propostas dos postulantes a cada cargo eletivo para a agricultura camponesa e para o fortalecimento da agroecologia e da convivência com o Semiárido. De acordo com Cristina Nascimento, da coordenação da ASA no Ceará, as ações são baseadas na perspectiva da construção da cidadania e na defesa do Estado como provedor dos direitos.

“É fundamental trabalhar com as famílias e ter uma participação política ativa”, opina. “Só teremos uma construção de vida digna para todos se essa for uma construção do Estado brasileiro em âmbito federal e estadual”. A ideia, segundo ela, é convocar a população para a responsabilidade política no momento eleitoral. “Não dá para eu querer uma sociedade diferente, querer acabar com as desigualdades sociais e querer acesso à água de qualidade se a gente não entender que tudo isso depende da política, dos rumos que a gente define de forma coletiva”.

Em julho, o relatório “O estado da segurança alimentar e nutrição no mundo”, publicado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), mostrou que a fome pode atingir até 828 milhões de pessoas em 2020, das quais mais de 132 milhões apenas em decorrência das consequências econômicas da pandemia de Covid-19.

Uma das preocupações da ASA é que a crise sanitária reforce a velha e corrompida prática da compra de votos, principalmente devido à perda dos direitos trabalhistas e previdenciários e à ausência de programas governamentais que amparem a produção e a comercialização de alimentos saudáveis.

— Temos plena convicção de que, infelizmente, ainda existem práticas políticas eleitoreiras que levam a ludibriar algumas pessoas nessa perspectiva de troca de favores. É uma cultura que precisa acabar e isso só vai acontecer quando tomarmos consciência de que o nosso voto tem consequências. Não tem um valor mensurável financeiramente. 

Cristina destaca que há dois projetos em disputa: um que fortalece a perspectiva da convivência com o Semiárido, a luta pela alimentação saudável, o acesso à água e ao alimento, a educação contextualizada e a saúde. O outro, representado por quem hoje ocupa a Presidência da República, gera desigualdade e pode fragilizar toda a trajetória de vida dos povos do campo.

“A pauta solidariedade muitas vezes é usada para troca de favores, de forma deturpada; nem sempre acontece de forma legítima, fraterna”, comenta. “Precisamos alertar a nossa população, porque muitos ainda sofrem com falta de comida e falta de acesso a equipamentos básicos”.

Documento vai listar iniciativas que fortaleçam a agricultura familiar. (Foto: Rede Agroecológica Raízes da Mata/ANA)

CANDIDATOS TÊM ACESSO A MAIS DE 700 PROPOSTAS 

A Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) lançou, no dia 01 de outubro, a campanha “Agroecologia nas Eleições“, que visa influenciar os candidatos a incluir nas suas propostas iniciativas de fortalecimento da agricultura que produz alimento limpo de agrotóxico e em harmonia com a natureza. Segundo o agrônomo Denis Monteiro, secretário executivo da organização, foram levantadas mais de 700 ações, em todos os estados, que passam pelo âmbito da gestão pública municipal e que, de alguma forma, fortalecem a agroecologia no Brasil.

“A gente fez uma pesquisa em um mês de iniciativas de políticas e programas municipais que apoiam direta ou indiretamente a agricultura familiar e a agroecologia e o resultado nos surpreendeu”, conta. A intenção é que os candidatos tenham em mãos propostas que já existem na prática, e não apenas ideias. “São desde feiras e equipamentos de comercialização até restaurantes populares e moedas sociais, passando por políticas de apoio ao trabalho com sementes crioulas e viveiros de mudas, um leque muito amplo”.

A ANA também construiu um documento com o conjunto de propostas, que deve guiar as ações nos municípios. “Nossa meta é que os movimentos sociais e as ONGs atuantes possam construir o próprio documento, tendo o nacional como referência”, explica. “Além disso, fizemos um mapeamento e escolhemos algumas experiências para sistematizar, dar visibilidade”.

O trabalho, de acordo com ele, não é só para as eleições. “Tem o curto prazo e também a perspectiva a longo prazo”, descreve. “Depois das eleições a gente vai incidir junto a quem se eleger, criando canais de comunicação dos municípios com esse gestores para que as propostas sejam implementadas”.

PLATAFORMA LANÇADA POR INDÍGENAS DESTACA CANDIDATURAS

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) apresentou uma plataforma de apoio a candidaturas, coordenada pela Mídia Ninja. O objetivo é reunir os pré-candidatos indígenas e de outros setores progressistas e apoiá-los com encontros e cursos de formação em política, ferramentas de comunicação e outras estratégias que auxiliem na construção de campanhas democráticas e diversas.

A iniciativa foi tema de reportagem do De Olho nos Ruralistas: “Contra o avanço da direita, indígenas preparam “boom” de candidaturas nas eleições de 2020“. A participação ativa na política é vista como uma das frentes para impedir novos retrocessos e garantir a defesa dos direitos dessas populações.

Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Leandro Taques/MST-PR): movimentos buscam incentivar agricultura que produz alimento limpo de agrotóxico

|| A cobertura sobre segurança e soberania alimentar durante a pandemia tem o apoio da Fundação Heinrich Böll Brasil ||

You may also read!

Em nota, Cargill informa não ter relação com ação questionando demarcação da TI Munduruku do Planalto Santareno

Veja abaixo íntegra da nota da empresa, em resposta à reportagem "Cargill compra soja de fazendeiros com propriedades sobrepostas

Read More...

De Olho nos Ruralistas estreia série sobre avanço de empresas e bancos contra terras indígenas

Relatório da Apib e da Amazon Watch com pesquisa do observatório esmiúça o processo de pilhagem dos territórios; levantamento

Read More...

Terras em 297 áreas indígenas estão cadastradas em nome de milhares de fazendeiros

Pesquisa inédita do De Olho nos Ruralistas mostra registros de propriedades sobrepostos em até 100% dos territórios ancestrais; Cadastro

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.