De Olho nos Ruralistas estreia cobertura eleitoral com raio-x dos pecuaristas

In De Olho na Imprensa, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas

Série “O Voto que Devasta” detalha, nas próximas semanas, a relação dos candidatos a prefeito com o ambiente, o território e os povos do campo; as eleições municipais mostram um país muito mais rural do que é percebido pela grande imprensa

Por Alceu Luís Castilho

O gado vai às urnas. A soja vai às urnas. A madeira vai às urnas. Assim começa o vídeo de divulgação da série “O Voto que Devasta”, que estreou nesta quarta-feira (28) com uma reportagem sobre a relação muito particular entre os candidatos a prefeito e a pecuária. Esses políticos são donos dos bois, donos de uma quantidade significativa do território brasileiro — e protagonistas de conflitos sociais, infrações ambientais, entre outras práticas que configuram o sistema político brasileiro, intrinsecamente ruralista.

A série continua nas próximas semanas com uma radiografia desse protagonismo político no campo. Os candidatos a prefeito (a prioridade foi dada à eles, diante dos candidatos a vice-prefeitos e às Câmaras Municipais) possuem madeireiras e multas, possuem centenas de milhares de hectares e tratores, eles declaram empresas agropecuárias e têm determinados apoios políticos. Quais? De que forma os ruralistas (e não somente os prefeitos) afirmam seu poder no campo a partir das eleições municipais?

Confira abaixo o vídeo de divulgação da série:

Para esta cobertura eleitoral o observatório montou sua maior equipe desde sua criação, em setembro de 2016 — justamente quando se aproximavam as últimas eleições municipais. Naquele ano a série, focada nos municípios que mais desmatam no país, se chamou O Arco Político do Desmatamento. Em 2020, a base territorial se amplia, mas com idêntica preocupação em relação às fronteiras do desmatamento, as mesmas fronteiras da agropecuária no Brasil. Da madeira ao gado, da soja à cana — ou a qualquer monocultura de plantão.

A definição de uma equipe de quinze pessoas para o projeto, em outubro e novembro, foi possível graças a três apoios institucionais. Um deles, do Instituto Clima e Sociedade (ICS). Outro, do Rainforest Jornalism Fund, em seu braço amazônico, administrado pelo Pulitzer Center. O terceiro, o apoio dos assinantes, que, desde o início do projeto, por meio da campanha De Olho nos Mil Parceiros, permitem que a redação tenha um ponto de partida. E que o agronegócio, neste país, seja sistematicamente fiscalizado.

|| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas ||

Foto principal (Sob a Pata do Boi/O Eco): logo de “O Voto que Devasta” foi feito por Felipe Fogaça

You may also read!

Família de Bolsonaro tem terras em município beneficiado por orçamento secreto

Renato Bolsonaro intermediou destinação de R$ 10 milhões em "emendas do relator" para Miracatu (SP), onde o filho possui

Read More...

Mato Grosso do Sul se consolida como símbolo do genocídio indígena

Em cinco anos, De Olho nos Ruralistas produziu infográficos, cartografias e séries de reportagens mostrando a política de violência

Read More...

Mato Grosso é potência do agronegócio, da política ruralista e dos clãs ocultos

Em cinco anos, De Olho nos Ruralistas resgatou histórias desde o período da ditadura, como as terras obtidas por

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu