Território indígena no Pará é invadido dois dias após acusado de grilagem se eleger prefeito

In Amazônia, De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Grilagem, Latifundiários, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Em 2016, quando também era prefeito, João Cleber ameaçou renunciar ao cargo em São Félix do Xingu (PA) caso o governo federal insistisse na desintrusão de invasores da Terra Indígena Apyeterewa, do povo Parakanã, na divisa com Altamira

Por Leonardo Fuhrmann

Dois dias após a vitória nas urnas do ex-prefeito João Cléber de Sousa Torres, um grupo de 50 a 70 pessoas cercou a base da Fundação Nacional do Índio (Funai) na Terra Indígena Apyterewa, em São Félix do Xingu (PA), na divisa com Altamira. Os invasores bloquearam estradas e pontes que dão acesso ao território e ameaçaram funcionários da fundação, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e agentes da Força Nacional que faziam uma operação contra o desmatamento ilegal.

Segundo o blog do repórter Rubens Valente, do UOL, os agressores impediam que os servidores entrassem ou saíssem da base e bloquearam o acesso deles a alimentos e combustíveis. A equipe tem recebido ameaças de que a base será invadida e os carros da fiscalização serão queimados.

Os agentes haviam conseguido conter os focos de desmatamento na Terra Indígena Trincheira-Bacajá, na mesma região. Mas sofreram uma emboscada quando chegaram à Apyterewa. Os invasores receberam os fiscais com tiros para o alto e incendiaram a ponte por onde eles passavam, além de serrar um de seus pilares.

EM 2016, JOÃO CLÉBER AMEAÇOU RENUNCIAR SE HOUVESSE DESINTRUSÃO

A terra indígena já esteve no centro de uma disputa de João Cléber com o governo federal em 2016, no governo Dilma Rousseff, quando ele terminava seu mandato anterior. Em janeiro daquele ano, durante uma reunião com a Funai, ele ameaçou renunciar ao cargo, caso o governo insistisse na retirada — tecnicamente chamada de desintrusão — dos invasores.

João Cleber, eleito no domingo.  (Foto: Arquivo Pessoal)

Agora, a retirada dos intrusos foi decidida pela Justiça Federal, em uma ação do Ministério Público Federal. Uma liminar concedeu a reintegração de posse, com o uso de força policial para a retirada imediata, a apreensão de todos os maquinários, instrumentos, equipamentos e veículos encontrados no local. A multa ao governo federal por descumprimento da medida é de R$ 20 mil por hora.

João Cléber foi citado em 2003, em relatório do Ministério Público Federal (MPF), como principal mandante da morte de sete trabalhadores rurais e um comerciante na Vila Taboca, no município: “Acusados de grilagem, desmatamento e outros crimes são eleitos para prefeituras no sul do Pará”.

Segundo os procuradores, ele e seu irmão Francisco Torres de Paula Filho promoviam invasão e grilagem de terras públicas na região, com a retirada de madeira e a ocupação com gado.

Não são as únicas acusações graves contra o prefeito eleito. Em 2014, ele esteve na lista suja de trabalho escravo, pelas péssimas condições dadas aos trabalhadores da fazenda Bom Jardim.

Naquele ano, recebeu a primeira multa do Ibama por desmatamento, no valor de R$ 6.635.000. Ele também é citado em diferentes casos de corrupção e, em um deles, foi acusado de tentar coagir testemunhas.

Leonardo Fuhrmann é repórter do De Olho nos Ruralistas |

Foto principal (Reprodução/TV Liberal): Invasores de terra indígena cercam base do Ibama e da Funai em São Félix do Xingu

You may also read!

No Rio e no Espírito Santo, apenas Coser apresenta propostas para combater a fome

Paes e Crivella ignoram segurança alimentar; atual prefeito carioca chegou a reter verba da merenda escolar durante a pandemia;

Read More...

País tem troca de cestas básicas por votos em 25 dos 26 estados

De Olho nos Ruralistas fez levantamento após viralização de vídeo contra a candidatura de Bruno Covas, em São Paulo,

Read More...

Cenário atual da fome, Norte tem só dois candidatos com planos para o tema

Dos dez candidatos que que disputarão o segundo turno em cinco capitais da região, apenas Edmilson Rodrigues, em Belém,

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.