Grupo Thomazini, que doou carro para Jair Renan, também faz fortuna na pecuária

In De Olho na Política, Em destaque, Governo Bolsonaro, Principal, Últimas

Empresa de eventos do filho 04 de Bolsonaro tem, entre suas atribuições, fazer leilões de gado e feiras agropecuárias; João Antonio Thomazini comprou em julho uma fazenda do ex-deputado Camilo Cola, antes avaliada em R$ 105 mil, por R$ 26 milhões

Por Alceu Luís Castilho

A edição deste domingo de O Globo conta que Jair Renan Bolsonaro recebeu um carro elétrico de R$ 90 mil da Neon E. Motors, pertencente a um grupo capixaba comandado pela família Thomazini. O jornal descreve o grupo como atuante nos setores de mineração e construção. Falta um tentáculo nesse polvo: a pecuária. A Fazenda 3JR não é uma empresa qualquer no setor: em julho de 2020, por exemplo, comprou por R$ 26 milhões uma fazenda que pertencia ao ex-deputado federal Camilo Cola (MDB-ES), quase centenário. E que tinha sido avaliada pela família, há dez anos, por R$ 105 mil.

Fazenda 3JR especializou-se no gado caribenho senepol, cujo touro é caracterizado por uma forte libido. Os Thomazini rodam o país em eventos do setor, promovendo as crias. É um mercado onde uma vaca chega a valer R$ 313 mil. A empresa possui o maior rebanho da raça no Espírito Santo é comandada por Jhonatan Thomazini, o mesmo empresário por trás da concessionária de veículos. Jhonatan é irmão de John, o membro da família que aparece em foto com Jair Renan Bolsonaro e o ministro da Integração Nacional, Rogério Marinho, em Brasília.

Criada em novembro no Distrito Federal, a Bolsonaro Jr Eventos e Mídia — ou RB Eventos e Mídia Eireli — tem Jair Renan, o filho Zero Quatro, como sócio único. Ela tem como atividade principal “serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas”. A Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAES) prevê, nesse escopo, itens como “serviços de remates rurais”, “gestão de parque para feiras agropecuárias”, “exposição de animais em feiras” e “organização de parque de leilão de gado”.

Os três últimos na imagem são o ministro Rogério Marinho, o empresário John Thomazini e Renan Bolsonaro. (Foto: Reprodução)

Segundo O Globo, Jair Renan atua para que empresas do grupo Thomazini tenham acesso ao governo. De Olho nos Ruralistas mostra, aqui, que essas empresas não são apenas de mineração e construção — e que, portanto, existem outros interesses empresariais nessa aproximação com a família Bolsonaro. Pelo menos outros dois setores estão presentes no conglomerado: a energia e a agropecuária. Sem falar na concessionária de carros.

FAZENDA COMPRADA DE CAMILO COLA VALIA 250 VEZES MENOS HÁ DEZ ANOS

A Fazenda Água Preta, que pertencia a Camilo Cola, possui 281 alqueires, ou seja, 680 hectares. A compra da propriedade em Presidente Kennedy (ES) foi anunciada pelo Instagram por João Antonio Thomazini, o patriarca da família, 55 anos, ao lado de um de seus filhos, Jonathan. A empresa Fazenda 3JR possui um capital social de R$ 16,5 milhões — menos que os R$ 26 milhões pagos na Água Preta.  “É uma satisfação seguir o trabalho de uma pessoa que foi tão importante para o Brasil”, postou Jonathan Debona Thomazini em seu Instagram, no dia 19 de julho. “Fazenda Água Preta agora é 3JR”, comemorou o jovem de 27 anos.

Jhonatan Thomazini na Fazenda Água Preta. (Foto: Reprodução)

Essa fazenda era subavaliada nas declarações de bens de Camilo Cola, conforme contou sua filha Ana Maria Cola à Justiça, em 2011. Segundo ela, seu pai — dono das Viações Itapemirim — a avaliação de bens no inventário de Ignez Massad Cola, em 2008, tinha sido “dolosa. A Água Preta valeria R$ 105 mil. Na declaração entregue em 2006 ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a maioria dos imóveis rurais de Cola aparecia com valores entre R$ 4 mil e R$ 20 mil, embora a fortuna do deputado fosse de R$ 260 milhões.

O grupo de Cola também atua na área de mármores e granitos em Cachoeiro de Itapemirim, assim como os Thomazini. Algumas empresas dos Thomazini são comandadas pelos filhos. John Lucas Thomazini, de 29 anos,  comanda a Gramazini Granitos e Mármores, exportadora de rochas ornamentais, e é sócio, com a mãe Maria Rita Debona, da MRD Armazém e Logística; com o pai Tonho, da Gramazini Export. A Gramazini Participações e Investimentos, holding do grupo, está nome de João Antonio e dos dois filhos.

‘RENAN ENVIOU O PROJETO PARA O PAI’, DIZ REPRESENTANTE DA CONCESSIONÁRIA

Irmão mais velho de Jonathan, John Lucas foi quem esteve em Brasília com Jair Renan e com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, em reunião articulada pelo quarto filho de Bolsonaro. John Lucas contou à Veja como Jair Renan articulou o encontro, duas semanas após se encontrar com os Thomazini em Vitória: “O Renan começou tudo, levou para Brasília. O projeto foi enviado para o pai dele, que o encaminhou para o Ministério do Desenvolvimento Regional”.

Um representante da Neon E. Motors informou a O Globo que o carro entregue a Jair Renan foi um “presente”. Segundo o jornal, ainda não houve a transferência formal de titularidade,  Com sede em Vila Velha (ES), a empresa Neon Electric Motors — que substituiu a Neon Motors Comércio de Veículos — tem como sócios, no momento, João Vitor Guimarães Pirrone Vaz, o administrador, e Jorge Luis Guimarães Martinho. Em novembro de 2019, porém, Jhonathan Thomazini ainda falava ao jornal capixaba A Tribuna como sócio de Vaz na empresa.

A Neon E. Motors está enumerada no perfil de Jonathan no Instagram, como se vê abaixo:

Perfil de Jhonatan mostra relação com empresas de carros, agropecuária, energia e mineração. (Imagem: Reprodução)

A letra J da Fazenda 3JR, da 3JMineração e da 3JEnergy refere-se ao trio João, John e Jhonatan. A Fazenda 3JR já foi ré por crime ambiental no Espírito Santo, mas a acusação foi prescrita. A 3jEnergy é uma empresa de energia solar, que em sua propaganda diz promover a mobilidade sustentável em Vitória.

| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do De Olho nos Ruralistas |

Imagem principal (Reprodução/De Olho nos Ruralistas): Jhonatan e João Thomazini na Fazenda Água Preta; ao lado, em montagem, Jair Renan

You may also read!

Assentados do Pará denunciam extorsão por advogado ligado ao agronegócio

Eles dizem que tática de William Lopes é difamar órgãos públicos, ONGs e sindicatos, enquanto cobra dinheiro para criar

Read More...

Acusado de matar líder, fazendeiro ameaça com armas e drones no Tocantins, contam camponeses

Em 2018, o grileiro Paulo Freitas conseguiu expulsar famílias que acampam em Palmeirante; hoje ele intimida as famílias obrigadas

Read More...

Plataforma mostra uso do fogo como arma de guerra contra povos do campo

Dossiê lançado por trinta organizações retrata devastação ambiental e conflitos por terra gerados pelo agronegócio no Cerrado, na Amazônia

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.