Morre uma Margarida

In Agricultura Camponesa, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Agricultora, educadora popular e sindicalista, Jaqueline Simão dedicou a vida a defender os direitos dos povos do campo; aos 39 anos, ela foi uma das mais de 345 mil vítimas da pandemia e da política genocida do governo Bolsonaro

Por Mariana Franco Ramos

A indignação contra as violências e injustiças que acometem os povos do campo, da floresta e das águas marcou a trajetória de Jaqueline Simão Pinto, de 39 anos. Agricultora, educadora popular, missionária e sindicalista, ela foi uma das mais de 345 mil vítimas fatais da Covid-19 no Brasil. Era uma das participantes da Marcha das Margaridas, realizada de quatro em quatro anos, rumo a Brasília.

Jaque presidia o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Aratuba. (Foto: Reprodução/Facebook)

Em Aratuba (CE), a 132 quilômetros de Fortaleza, um cortejo na quinta-feira (08) marcou a despedida da filha da terra. Amigos desceram dos carros para soltar balões brancos. “Nós perdemos uma das mulheres mais fortes, gentis e luminosas que já conhecemos”, escreveu o prefeito, Joerly Vitor (Republicanos), em nota. Ele decretou luto oficial de três dias na cidade. “Jaqueline foi uma força da natureza”.

Na presidência do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Aratuba, Jaque, como era conhecida, encabeçou a luta pelo fortalecimento da agricultura camponesa, responsável por 70% do alimento que chega às mesas da população brasileira, e de uma política emergencial de combate à fome e à miséria.

O setor é um dos que mais sofre os impactos da pandemia, devido ao fechamento de muitas feiras onde os produtos são comercializados. Com a suspensão das aulas presenciais nas escolas,  houve problemas em todo o país com o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que utiliza produtos da agricultura familiar para a merenda.

MARCHA DAS MARGARIDAS HOMENAGEIA CAMPONESA ASSASSINADA EM 1983

A Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag) destacou, também em nota, que Jaqueline Simão sempre esteve presente nas ações da Rede de Educadores e Educadoras Populares do Ceará e na realização da Marcha das Margaridas.

Avatar da Marcha das Margaridas, em 2019. (Imagem: Reprodução/Facebook)

Maior ação conjunta de mulheres trabalhadoras da América Latina, a marcha é um ato de resistência que ocorre todos os anos em alusão à luta de Margarida Maria Alves. A sindicalista paraibana foi assassinada em 1983 por um matador de aluguel a mando de fazendeiros da região. Até hoje, nenhum acusado por sua morte foi condenado.

Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT-CE), a partida da dirigente sindical reforça a necessidade de fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS) e a busca para que todos tenham direito à saúde pública e universal e a viver em segurança. “A CUT Ceará se solidariza com a família, amigos, companheiros e companheiras do STRAAF de Aratuba e com a sociedade cearense, que enfrenta esta difícil luta contra o coronavírus”.

A organização escreveu ainda que Jaqueline foi uma grande defensora da democracia, dos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras e incansável na luta por um Brasil mais justo e igualitário. “Sem dúvida o seu trabalho continuará vivo na memória do movimento sindical e de todos aqueles que acompanharam a sua linda trajetória”.

Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

Foto principal (Reprodução/Facebook): Sindicalista lutava pelo fortalecimento da agricultura familiar, atingida pela pandemia

You may also read!

Lobby do agronegócio se organiza para “fiscalizar” material escolar

Apadrinhado por políticos da bancada ruralista, grupo de mães faz campanha no estilo Escola sem Partido, para interferir no

Read More...

Madeireiros pressionam comunidades a apoiar extração de madeira em Resex, diz sindicato

Cooperados parceiros de empresa invadiram a entidade, em Santarém (PA), exigindo retomada de projeto de manejo da reserva extrativista;

Read More...

Alvo da PF, Grupo João Santos tem dívida tributária de R$ 9 bi e histórico de trabalho escravo

Alvo da Operação Background, da Polícia Federal, conglomerado retransmite a Band em Pernambuco; com dívidas trabalhistas que somam R$

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.