Nishimori, do PL do Veneno, fez acordo por dívida de R$ 1,5 milhão com a Syngenta

In Bancada Ruralista, De Olho na Comida, De Olho na Política, Em destaque, Principal, Últimas
Reportagem do observatório mostrou relação de Luiz Nishimori com Syngenta. (Imagem: De Olho nos Ruralistas)

Relator do projeto que flexibiliza agrotóxicos no Brasil assinou termo junto à multinacional, apoiadora do PL, em dezembro de 2020; catorze meses depois, lei prioritária para Bolsonaro e bancada ruralista foi aprovada na Câmara, em regime de urgência

Por Alceu Luís Castilho, Bruno Stankevicius Bassi e Mariana Franco Ramos

A Mariagro Agrícola Ltda, que pertence à família do deputado federal Luiz Nishimori (PL-PR), fez um acordo de R$ 1,5 milhão para quitar uma dívida com a Syngenta, líder do mercado mundial de agrotóxicos. A “composição amigável” foi assinada em dezembro de 2020, quando já tramitava na Câmara o Projeto de Lei 6.299/02, conhecido como PL do Veneno, por flexibilizar o uso dos pesticidas no Brasil. O PL é uma das prioridades do governo Bolsonaro e da bancada ruralista.

Ministra Tereza Cristina em evento da Syngenta, em junho de 2019. (Foto: Ministério da Agricultura)

Membro ativo da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o deputado foi o relator do texto, que atende aos interesses da multinacional suíça, recentemente adquirida pela estatal chinesa ChemChina, e de outras gigantes do agronegócio. A Syngenta chegou a divulgar nota e vídeo em apoio ao projeto de lei. A FPA é bancada por organizações do setor privado, inclusive aquelas que defendem agrotóxicos, como a CropLife e o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegeta (Sindiveg) — que tem como associada uma empresa ligada à ChemChina, a Adama.

O PL que já dura vinte anos é de autoria do ex-ministro da Agricultura, ex-governador matogrossense e ex-senador Blairo Maggi. A matéria relatada por Nishimori passou em regime de urgência na Câmara, no dia 09, após forte lobby da FPA e do governo federal. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento é comandado por uma ex-presidente da frente, Tereza Cristina, aliada da Syngenta. Foram 301 votos a favor, 150 contra e duas abstenções.

De Olho nos Ruralistas iniciou nesta semana uma série sobre possíveis conflitos de interesses na tramitação de leis relativas a agrotóxicos no Congresso. A primeira reportagem foi ao ar na quarta-feira (16): “Relator do PL do Veneno teve bens bloqueados em caso de funcionários fantasmas“. Nos próximos dias serão descritas outras atividades do político e empresário paranaense.

EMPRESA DEVE DESISTIR DE AÇÕES JUDICIAIS CONTRA A MARIAGRO

As dívidas de Nishimori e de sua esposa, Elizabeth Akemi Ueta, datam dos anos 2000. Ambos assinaram o termo de acordo junto à Syngenta Proteção de Cultivos Ltda na condição de “intervenientes garantidores solidários”. Ambos se comprometeram a quitar cinco parcelas: duas de R$ 450 mil, na data de assinatura e em abril de 2021; e três de R$ 200 mil, sendo a primeira até maio de 2022 e a última até 30 de abril de 2024.

Realizados os pagamentos, a Syngenta concorda em desistir de duas ações judiciais que mantém contra a Mariagro. Em 2016, o juiz Devanir Cestari, de Marialva (PR), terra natal do deputado, tinha autorizado que os bens do grupo, avaliados em R$ 81.737, fossem a leilão por causa da dívida com a multinacional, contraída quinze anos antes e então na ordem de R$ 5,36 milhões.

A lista incluía: uma Kombi 1982, uma Parati e um Gol 1994, um caminhão Mercedes-Benz LS 1929, ano 1984, e uma carreta Randon 1990. Nenhum imóvel, rural ou urbano, foi leiloado.

Trecho do acordo da Mariagro com a Syngenta. (Imagem: Reprodução)

Dois anos depois do acordo, em agosto de 2018, a empresa produziu um vídeo no qual reafirmava sua posição a favor do PL. Segundo a companhia, muitas pessoas são “levadas a acreditar” que o projeto foi criado para aumentar o uso desses produtos nas plantações e prejudicar a população. “No entanto, ele tem como objetivo modernizar o conjunto de leis atual que regula o uso dos agrotóxicos em nosso país, que foram criadas há mais de 50 anos e não acompanharam a evolução do setor”, diz um trecho. “Se implementadas as propostas, a regras passarão a ser baseadas em metodologias científicas adotadas internacionalmente”.

POLÍTICO FEZ LOBBY DO VENENO COM A MULTINACIONAL

Nishimori, no meio e à direita, com líderes do Agro China-Brasil, em SP; Frank Ning, da ChemChina, está acima dele, à esquerda. (Foto: Divulgação)

Enquanto negociava o pagamento de sua dívida pessoal com a Syngenta, o relator do PL do Veneno participou de diversas reuniões com líderes do agronegócio para debater pautas de interesse do setor. Ele foi um dos primeiros congressistas a se encontrar com executivos da holding formada pela ChemChina e pela Sinochem, que em 2020 se uniram à israelense Adama.

Em 18 e 19 de novembro de 2019, Nishimori esteve com o presidente do grupo, Frank Ning, e com diretores da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em São Paulo. Em pauta, mais uma vez, o uso de agrotóxicos. “É necessário divulgar ao público o impacto muito pequeno dos resíduos de pesticidas na qualidade dos alimentos, graças ao progresso da ciência e tecnologia agrícola”, discursou Ning. O site da própria multinacional falou a respeito do encontro.

Executivos da ChemChina e da Sinochem estiveram em São Paulo. (Foto: Divulgação)

Na ocasião, Nishimori defendeu o PL do Veneno: “Isso é importante para todo o setor e, acima de tudo, nos dá previsibilidade. Não podemos ficar como estamos hoje, esperando até dez anos numa fila até que o produto seja aprovado”.

As falas foram divulgadas pela assessoria de imprensa do político. Meses antes, em junho, ele e o presidente da Abrapa foram juntos ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) relatar como estavam os trabalhos relacionados ao PL 6.299. O setor do algodão será tema de outra reportagem desta série.

O deputado já havia participado da comitiva brasileira do Mapa, que visitou o país asiático em maio, com o objetivo de “promover os produtos brasileiros no mercado chinês”. Na época ele era vice-presidente da FPA para a região Sul.

Entusiasta do projeto, Tereza Cristina chefiou a missão, que contou ainda com a participação do presidente da FPA, deputado Alceu Moreira (MDB-RS). O encontro de novembro, na sede da Companhia das Cooperativas Agrícolas do Brasil (CCAB Agro), foi uma retribuição à visita ao chairman do conglomerado chinês, em Pequim. A ministra da Agricultura é um dos nomes cotados para ser vice de Bolsonaro nas eleições presidenciais.

NISHIMORI APRESENTOU PROJETO EM FAVOR DA SYNGENTA

Foi a Syngenta que criou o paraquat, um dos agrotóxicos mais letais do mundo, associado a doenças como depressão, Parkinson e câncer. Em 2017, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou uma resolução proibindo o uso e a comercialização do produto no país, algo que já acontece na União Europeia desde 2003. A regra começou a valer em setembro de 2020.

Membros da FPA pressionaram por liberação de agrotóxico proibido. (Arte: De Olho nos Ruralistas)

Nesse período de três anos entre a publicação do documento e o início das restrições, a empresa e outras multinacionais do setor estiveram em mais de vinte reuniões na Anvisa, ao lado de representantes dos maiores exportadores do Brasil, como a Associação Brasileira de Produtores de Soja (Aprosoja), conforme levantamento da Agência Pública e da Repórter Brasil. A Aprosoja é uma das principais financiadoras da Frente Parlamentar da Agropecuária.

Com o apoio da FPA, produtores de soja e de agrotóxicos intensificaram o lobby para reverter a decisão. E coube a Nishimori protocolar um projeto de decreto legislativo pedindo a suspensão. Na justificativa do PDL 310/20, ele escreve que a deliberação da Anvisa “fundamentou-se a partir de viés político e não de uma decisão científica”. Também argumenta que, “contrariamente ao que se divulgou outrora por meio da mídia leiga, o ingrediente ativo não é considerado mutagênico”.

De acordo com o parlamentar, os riscos decorrentes da utilização do produtos se restringem aos trabalhadores que o manipulam “de forma negligenciável”. “A população em geral não está suscetível à exposição da substância pelo consumo de alimentos”, acrescenta, citando o que garante ser uma opinião da Anvisa.

Uma das reuniões na agência relatadas pela Repórter Brasil aconteceu em julho de 2020, logo após a apresentação do PDL. No mesmo dia, deputados da FPA protocolaram um requerimento de urgência para votar o texto de Nishimori. O documento é assinado por Efraim Filho (DEM-PB), Pedro Lupion (DEM-PR), Arthur Lira (PP-AL), Felipe Francischini (PSL-PR) e Arnaldo Jardim (Cidadania-SP).

Não era a primeira incursão do deputado no tema. Em 2015, por exemplo, ele convidou representantes da Syngenta e da Dow AgroSciences a participarem de audiência na Câmara sobre “educação e treinamento para utilização de defensivos fitossanitários” — em outras palavras, agrotóxicos. Espécie de aditivo ao “Pacote do Veneno”, o PL 3200/15 foi discutido na comissão especial do PL 6.299.

EMPRESA DE DEPUTADO OBTEVE PERMISSÃO PARA VENDER PESTICIDAS

O próprio parlamentar se apresenta, em seu perfil no Facebook, como agricultor. Ele conta ter constituído a Mariagro em 1977, aos 21 anos. Depois, em 1993, fundou a Nishimori Distribuidora de Diesel, voltada ao comércio de combustíveis e derivados. E, em 2003, a Nishimori Agrícola Ltda, que produz sementes, mudas e outras formas de propagação vegetal.

Antiga sede da Mariagro (Foto: De Olho nos Ruralistas)

Esta última é administrada pelos filhos do político e consta em relatório produzido pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), de 2014, que listou estabelecimentos inscritos para receber permissão para comercializar agrotóxicos.

“Eu usei DDT, Parathion e BHC”, recordou-se, durante uma das audiências na comissão que avaliou o PL do Veneno, em maio de 2016. “Eu sou dessa época, eu usava. Antigamente, passavam BCH para matar piolho!”

Na sessão que culminou com a aprovação da proposta, na semana passada, ele fez uma associação com o uso de medicamentos: “Eu peguei o Covid ontem. Não queria ser medicado, mas precisei. A planta é a mesma coisa”.

A Mariagro foi uma das fundadoras da Associação dos Distribuidores de Insumos e Tecnologia Agropecuária (Adita), em 1999, no noroeste paranaense, como lembra reportagem do De Olho nos Ruralistas. A finalidade do grupo era recolher as embalagens vazias de agrotóxicos. Hoje, a Adita está presente em 83 municípios.

O observatório entrou em contato com o deputado federal na manhã desta terça-feira (15). No gabinete, a reportagem foi orientada a procurar a assessoria de imprensa da FPA, que ainda não retornou.

MULTINACIONAL DIZ QUE ACORDO COM MARIAGRO FOI “PADRÃO”

Contatada pelo De Olho nos Ruralistas, a Syngenta confirmou que a Mariagro tinha uma dívida desde 2002 com a multinacional. “Depois de muitas tratativas que seguiram o mesmo processo que se aplica em qualquer caso como esse, as partes entraram em acordo em 2020, de forma que a Mariagro Agrícola Ltda está pagando todo o montante devido conforme o parcelamento determinado”.

Segundo a companhia, essas tratativas comerciais ocorreram na forma e com os critérios de relacionamento que são padrão e que a empresa utiliza com dezenas de clientes, todos os anos, quando ocorrem essas questões.

Sobre PL 6299/02, a Syngenta argumenta que, como qualquer outra entidade pública ou privada, é parte do processo democrático. “Provemos informações e dados ao longo desse processo por meio de entidades representativas do setor e dos agricultores, em agendas que visem defender os interesses de agricultores e da agricultura brasileira”.

Ainda conforme a empresa, o projeto “modernizará o marco regulatório de pesticidas no Brasil”. “Ele permitirá que novas tecnologias cheguem mais rapidamente aos agricultores, ao mesmo tempo em que garante a participação da Anvisa, Ibama e Ministério da Agricultura no registro de produtos, reforçando a importância de assegurar a segurança humana e do meio ambiente”.

|| Colaborou Bernardo Fialho, estudante de Direito na UFRJ e pesquisador, com foco em sindicatos e movimentos sociais. ||

| Mariana Franco Ramos é repórter do De Olho nos Ruralistas. |

|| Alceu Luís Castilho é diretor de redação do observatório. ||

||| Bruno Stankevicius Bassi é coordenador de projetos do De Olho. |

You may also read!

Prefeito de SP afirma que lotes em sítio estão “em regularização”

Série "Endereços" contou que Ricardo Nunes possui treze lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão

Read More...

Sítio de Ricardo Nunes no extremo sul de SP fica em loteamento irregular

Prefeito tem treze lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em nome dele; De Olho

Read More...

Prefeito de Eldorado do Sul terraplanou terreno em APA às margens do Rio Jacuí

Empresa em nome de sua família foi investigada pelo Ministério Público após aterrar área de "banhado" da Área de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu