Gigantes da moda usam algodão “sujo” do Cerrado em suas roupas

In Cerrado, De Olho no Agronegócio, De Olho no Ambiente, Em destaque, Empresas brasileiras, Principal, Últimas

Pesquisa da ONG Earthsight identificou que as marcas Zara e H&M, líderes mundiais no setor, usam matéria-prima oriunda dos grupos Horita e SLC Agrícola, acusados de grilagem, desmatamento e violação de direitos humanos na Bahia

Por Luís Indriunas

Um vestido “pretinho básico” de algodão da Zara ou da H&M pode custar entre R$ 200 e R$ 400 a depender do modelo, mas o seu custo socioambiental pode ser muito maior. O relatório “Crimes na Moda“, da organização não-governamental britânica Earthsight, aponta que as duas gigantes da moda usam, nos seus produtos, algodão oriundo de duas outras gigantes: Grupo Horita e SLC Agrícola. Instaladas na Bahia, as duas empresas exportadoras da matéria-prima têm um longo histórico de devastação e grilagem.

Capa do relatório “Crimes na Moda’, da Earthsight. (Imagem: Divulgação)

Maior produtora de algodão do Brasil, a SLC tem 44 mil hectares de plantações de algodão no oeste da Bahia, enquanto o Grupo Horita, sexto maior produtor, tem pelo menos 140 mil hectares de terras agrícolas na região. Juntos, os dois grupos acumulam multas milionárias relacionadas ao desmatamento de cerca de 100 mil hectares de Cerrado.

A sueca H&M e a espanhola Inditex, dona da Zara, são as maiores empresas de vestuário do mundo. A H&M tem 4.400 lojas espalhadas pelo mundo, enquanto a Inditex, que possui as marcas Zara, Pull&Bear, Bershka, Massimo Dutti e Stradivarius, soma quase 6 mil unidades comerciais.

Ambas vendem a “sustentabilidade” no seu marketing. Em 2019, a Inditex anunciou que sua marca Zara se tornaria totalmente sustentável a partir de 2025.  Em 2020, a H&M afirmava que até o fim daquele ano usaria 100% de algodão sustentável na sua produção. A meta da empresa é usar 100% de materiais reciclados ou de outras fontes sustentáveis até 2030.

Para esses objetivos, Zara e H&M contam com o selo Better Cotton, uma certificação internacional para rastreamento ambiental e social da produção de vestimentas. A Earthsight identificou falhas nesse monitoramento: a ONG rastreou mais de 800 mil toneladas de algodão das fazendas investigadas que foram parar em oito empresas asiáticas responsáveis pela produção de quase 250 milhões de peças de roupa e artigos para casa para H&M e Zara e suas marcas irmãs. As indústrias rastreadas que compram dos grupos desmatadores ficam na China, Vietnã, Indonésia, Turquia, Bangladesh e Paquistão.

O Brasil produz a maior quantidade mundial de fibra licenciada pela Better Cotton, 42% do volume global. A certificadora já foi acusada diversas vezes de promover lavagem verde (greenwashing) do algodão e criticada por não permitir a rastreabilidade total das cadeias. No caso brasileiro, a Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa) é responsável pelo programa de certificação, o que, segundo a Eartsight, constitui “um grave e evidente conflito de interesses”. A ONG aponta que outros produtores podem estar fazendo o mesmo caminho “sujo” do algodão.

GIGANTE DO ALGODÃO, SLC AGRÍCOLA DESMATOU CERCA DE 40 MIL HECTARES 

Produção de algodão da fazenda do Grupo SLC Agrícola na Bahia. (Foto: Earthsight)

A SLC Agrícola, maior exportadora de algodão do Brasil, tem um longo histórico de desmatamento no oeste da Bahia. Suas fazendas Piratini, Palmares e Parceiro desmataram pelo menos 40 mil hectares de vegetação nativa do Cerrado nos últimos doze anos.

A empresa alega que não desmatou nenhuma área desde 2020 e que adotou uma política de desmatamento zero em 2021. No entanto, um relatório da Aidenvironment mostra que a empresa retirou 1.365 hectares de vegetação nativa em setembro de 2022. Cerca de metade dessa área havia sido registrada como reserva legal da fazenda.

Imagens de satélite analisadas pela Earthsight encontraram um padrão de incêndios e perda florestal em áreas zoneadas em quase todos os anos entre 2012 e 2023.  A SLC Agrícola disse à Earthsight que os incêndios não foram causados pela empresa, mas sim resultado de processos naturais.

Desde 2008, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou a empresa em mais de R$ 1,2 milhão por infrações ambientais cometidas em suas fazendas de algodão no oeste da Bahia. As multas não parecem impressionar o mercado. O Odey Asset Management, um dos maiores financiadores da campanha do Brexit no Reino Unido e investidor da empresa brasileira, alegou que as infrações ambientais da SLC Agrícola custaram tanto quanto uma “multa de trânsito”. A SLC disse que recorreu de todas as multas e aguarda decisões finais.

A empresa é controlada pelos irmãos Eduardo e Jorge Silva Logeman. Em 2014, os dois entraram na lista de bilionários brasileiros da Forbes. Eduardo foi fundador e presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas Agrícolas do Rio Grande do Sul, vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e diretor, conselheiro e vice-presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). É também fundador e ex-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), parceira do Better Cotton para certificações no Brasil. Eduardo Logemann é um entusiasta da liberação da compra de terras por estrangeiros no Brasil. Em entrevista ao jornal Zero Hora, ele classificou a restrição como um “grave erro”.

Em 2020, a empresa adquiriu a Terra Santa Agro, tornando-se um colosso do agronegócio do país e somando uma série de irregularidades ambientais. Segundo seu site, a empresa, com matriz em Porto Alegre, possui 22 unidades de produção localizadas em sete estados brasileiros, que totalizaram 671.946 hectares plantando não só algodão, mas também soja e milho. Fora o Rio Grande do Sul, todas as suas unidades se encontram no Cerrado.

GRUPO HORITA TEM SÓCIO ACUSADO DE COMPRA DE SENTENÇAS E HISTÓRICO DE GRILAGEM

Entrada da fazenda do Grupo Horita no Oeste da Bahia. (Foto: Earthsight)

Em 2019, a Polícia Federal deflagrou a Operação Faroeste, que investigou um vasto esquema de corrupção, envolvendo dezenas de empresários, advogados, juízes, magistrados e políticos, que atuavam há anos na Bahia. Entre os nomes investigados estava o de Walter Horita, sócio do Grupo Horita.

A investigação policial apontou a venda generalizada de decisões judiciais relacionadas a disputas de terras na Bahia. Escutas telefônicas revelaram tentativas de Horita de influenciar membros do judiciário e políticos em Salvador. Entre 2013 e 2019, Horita é acusado de ter feito transferências bancárias bilionárias de pelo menos R$ 7,5 bilhões. Apenas, entre março e julho de 2018, Horita transferiu um total de R$ 6 milhões (US$ 1,2 milhão) para um funcionário do judiciário.

O Grupo Horita ocupa um terço da fazenda Estrondo, onde cultiva algodão, soja e outras commodities. Violentas disputas fundiárias entre a Estrondo e as comunidades tradicionais marcam a história da região. Conhecidos como geraizeiros, os habitantes dessas comunidades vivem da agricultura de subsistência, caça, pesca e criação de gado em pequena escala.

Em 2018, a Procuradoria-Geral do Estado da Bahia concluiu que a Estrondo era uma das maiores áreas griladas do Brasil. Segundo a denúncias, nas décadas de 70 e 80, os proprietários da Estrondo se apropriaram ilegalmente de mais de 400 mil hectares de terras públicas cobertas por vegetação nativa do Cerrado, a maioria já desmatada.

O Ibama multou a Horita mais de vinte vezes entre 2010 e 2019 por infrações ambientais, somando R$ 22 milhões. Boa parte dessas multas é relacionada a fazenda Estrondo. À Earthsight, Horita negou as acusações.

ALGODÃO É UM DOS PRINICPAIS CAUSADORES DE DESMATAMENTO NO CERRADO 

Mapa do relatório mostra o desmatamento no Cerrado. (Imagem: Earthsight)

Em 2023, o desmatamento na Amazônia teve uma queda de 50% em relação ao ano anterior, o que pode ser considerado uma boa notícia. Mas, no mesmo ano, o Deter, sistema de monitoramento do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), apontou um crescimento de 44% da destruição no Cerrado. O agronegócio é o grande responsável por esse quadro alarmante. Desde 1985, a Bahia perdeu quase um quarto dos 9 milhões de hectares de Cerrado para a agricultura industrial.

Ocupando quase um quarto do território brasileiro, o Cerrado abriga 5% das espécies do mundo e um terço da biodiversidade do Brasil. A região corre o risco de perder mais de 1.100 espécies até 2050 ,se a expansão do agronegócio continuar no ritmo atual. Diversas espécies da fauna (lobo-guará, rolinha-do-planalto) e da flora (juçara, brasiliana, canelinha) estão ameaçadas de extinção devido à perda de habitat.

Segundo a Earthsight, o nível de água dos principais rios do Cerrado pode baixar em um terço até 2050 e as monoculturas de algodão são umas das principais responsáveis, tanto por causa do desmatamento e exploração predatória, quanto pelo uso intensivo de água na monocultura. O agronegócio do oeste baiano capta quase 2 bilhões de litros de água por dia, além de  despejar 600 milhões de litros de agrotóxicos no Cerrado todos os anos. O algodão é a monocultura que utiliza mais agrotóxicos, segundo o relatório.

Luís Indriunas é roteirista e editor do De Olho nos Ruralistas. |

Foto principal (Divulgação): a gigante da moda Zara usa algodão “sujo” na sua produção, segundo o relatório “Crimes na Moda”, da ONG Earthsight

LEIA MAIS:
Líder de produtores de algodão na BA comanda ameaça a comunidades do Cerrado
Algodão é responsável por 10% do total de pesticidas usado no Brasil, diz relatório
Governo brasileiro é condenado por crimes de ecocídio e genocídio no Cerrado
Cerrado perdeu em 2020 área quatro vezes maior que a Grande São Paulo
Colosso do agronegócio nasce com casos de devastação e invasão de terras públicas

 

You may also read!

Prefeito de Eldorado do Sul terraplanou terreno em APA às margens do Rio Jacuí

Empresa em nome de sua família foi investigada pelo Ministério Público após aterrar área de "banhado" da Área de

Read More...

Expulsão de camponeses por Arthur Lira engorda lista da violência no campo em 2023

Fazendeiros e Estado foram os maiores responsáveis por conflitos do campo no ano passado; despejo em Quipapá (PE) compõe

Read More...

Estudo identifica pelo menos três mortes ao ano provocadas por agrotóxicos em Goiás

Pesquisadores da Universidade de Rio Verde identificaram 2.938 casos de intoxicação entre 2012 e 2022, que causaram câncer e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu