Chineses que “anunciam investimentos” para Temer já estão no Brasil

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Governo Temer, Principal, Últimas

Imprensa brasileira divulga aporte de R$ 2,35 bi da Hunan Dakang como um grande feito; mas ela já está aqui, com 57% da matogrossense Fiagril; investida chinesa em grãos não é uma novidade

O caderno de economia do Estadão abre desta forma nesta sexta-feira (02/09): “Em visita de Temer, chineses anunciam aportes de cerca de R$ 15 bi no Brasil”. A maior parte para uma siderúrgica no Maranhão. Mas também “R$ 3,25 bi para agricultura”.  Tudo isso “no primeiro evento no exterior como presidente”, com Michel Temer tentando “passar a imagem de que instabilidade política foi superada”.

O investimento de R$ 3,25 bilhões – ou US$ 1 bilhão – é da empresa Hunan Dakang, que pertence ao bilionário grupo Shanghai Pengxin. E não tem nada a ver com Temer: a empresa já está no Brasil. Em abril, comprou 57% da matogrossense Fiagril Ltda, exportadora de soja. E já se falava que a parceria com o grupo brasileiro seria aprofundada.

O farelo da soja é utilizado como ração para alimentar as aves e os porcos chineses.

PARCEIRO INDICIADO

A Fiagril Participações não foi vendida, apenas a Fiagril Ltda. A empresa vendida está sendo investigada pela CPI da Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul que trata de incentivos fiscais. Vinte empresas deixaram de pagar mais de R$ 100 milhões em impostos, entre elas a JBS (Friboi) e a Fiagril.

A Fiagril Participações é controlada por Marino Franz, ex-prefeito de Lucas do Rio Verde. Ele foi preso em 2014, e indiciado em 2015, acusado de liderar um esquema bilionário que fraudava documentos relativos à reforma agrária. Segundo a PF, que comandou a Operação Terra Prometida, fazendeiros, empresários e grupos ligados ao agronegócio utilizavam-se do poder econômico para aliciar, coagir e ameaçar pessoas para que obtivessem lotes.

Meses antes, a revista Exame descrevia Franz como “um prefeito perfeito“. “Homem simples, trabalhador, honesto e pleno de valores nas suas intenções”, escreveu o colunista José Luiz Tejon Megido. “Precisamos descobrir e revelar para o país estas personalidades”. (Alceu Luís Castilho)

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.