Deputado ruralista prevê até 100 mil hectares de terras para cada estrangeiro

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Empresas brasileiras, Empresas estrangeiras, Latifundiários, Políticas Públicas, Principal, Últimas

Em entrevista ao InfoMoney, Newton Cardoso Jr (PMDB-MG), cujo pai tem empresas de celulose, fala em aprovação do projeto em 2016, como “presente de Natal para setores agrícola e florestal”

Por Alceu Luís Castilho

Filho de latifundário, o ex-governador mineiro Newton Cardoso, o deputado Newton Cardoso Junior (PMDB-MG) declarou ao portal InfoMoney que os deputados ruralistas têm maioria para aprovar a venda de terras para estrangeiros ainda este ano. Seria um “presente de Natal para os setores agrícola e florestal”. A entrevista pode ser conferida aqui: “O Brasil não vai virar uma grande imobiliária”, diz deputado sobre venda de terras a estrangeiros.

O próprio portal ressalta algumas críticas ao projeto, que poderia significar desrespeito à soberania nacional, riscos para áreas de proteção ambiental, “possível aumento da biopirataria, grilagem de terras e [sic] até a especulação imobiliária”.

O vice-líder do PMDB supõe investimentos de R$ 50 bilhões no Brasil em áreas agrícolas e florestais. Ele preside a Frente Parlamentar de Silvicultura. Seu pai, Newton Cardoso, possui empresas nesse setor – que foram as maiores doadoras de campanha para Cardoso Junior, em 2014. O próprio limite de 100 mil hectares para as aquisições, segundo o deputado, foi pensado por causa do mercado de celulose, que os ruralistas chamam de setor “florestal”.

Cardoso diz que 10% desses 100 mil hectares poderiam ser destinados à reforma agrária. O ministro da Agricultura, porém, o sojeiro Blairo Maggi, é favorável à venda para estrangeiros, mas já se declarou contrário aos 10% para reforma agrária, que comparou a uma política de “cotas”.

Segundo o InfoMoney, cinco companhias têm interesse direto na aprovação do projeto e tiveram alta de suas ações na Bovespa: SLC Agrícola, Vanguarda Agro (alta de 50% em quatro sessões), BrasilAgro, São Martinho e Cosan.

O presidente Michel Temer apoia a iniciativa. Para o deputado, necessária para que o Brasil “aumente sua produção de grãos e faça uma expansão significativa da área florestal plantada”. Ou seja, a indústria de celulose seria uma das principais beneficiadas.

Cardoso conta que Dilma Rousseff queria colocar um limite “pequeno” para cada estrangeiro. O que, segundo ele, não foi aceito pelo mercado e “inviabiliza a ideia”. “O mercado quer a isenção de limite, mas também é algo que dificulta a aprovação por conta de aspectos de soberania, de controle que o Estado precisa ter”.

O ruralista diz que é possível aprovar o projeto ainda em 2016, após as eleições, a discussão do ajuste fiscal e da previdência: “Seria um presente de Natal para os setores agrícola e florestal”.

SEM ONGS, SEM MOVIMENTOS SOCIAIS

O InfoMoney pergunta por que ONGs e fundos soberanos foram excluídos do texto inicial. Cardoso alega que as ONGs “não têm compromisso de investimento no país”. “O projeto é para o setor produtivo, gerar emprego, renda, tributação e divisa para o país. Não é para especular terra ou permitir que qualquer um tenha condição de transformar o Brasil em uma grande imobiliária”.

O deputado considera impossível o estrangeiro fundar outra nação dentro do Brasil. “Chega de ideologia nisso”, afirma, eximindo-se de qualquer ideologia – liberal, no caso – que ele mesmo tenha. “É uma política de Estado, de fazer a nação crescer, de dominar as terras brasileiras com controle pleno e visão até nacionalista”.

Perguntado sobre a oposição de movimentos sociais, Cardoso definiu o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) como “uma organização criminosa”. “Se o MST se tornar uma instituição digna de respeito, poderá até vir a fazer parte dessa discussão. Hoje, como está, sinto muito, mas eles primeiro precisam resolver os problemas dos crimes que vêm cometendo”.

O critério de 100 mil hectares se baseia, segundo o deputado, à “capacidade mínima para um grande projeto de celulose”. “Então, esse número é idealmente em torno de 100 mil hectares”.

INTERESSES

Newton Cardoso Jr declarou possuir R$ 1,8 milhão, em 2014. A maior parte, R$ 1,5 milhão, relativa a um apartamento em Nova Lima (MG). Em 2010, seu pai declarou à Justiça Eleitoral uma fortuna de R$ 78 milhões. Entre os bens, várias empresas agropecuárias, entre elas a Pitangui Agroflorestal.

Em anos anteriores, a ex-mulher de Newton Cardoso acusou o ex-governador de possuir cem fazendas. Ele rebateu: “Não tenho 100, tenho 145”.

O Grupo Newton Cardoso atua em reflorestamento (tem também a Florevale), agropecuária e siderurgia – outro setor que será beneficiado pela venda de terras a estrangeiros, conforme a entrevista de seu filho ao InfoMoney.

A Floresta Vale do Jequitinhonha Ltda (Florevale) faz parte da NC Participações, declarada por Newton Cardoso à Justiça Eleitoral em 2010. Outro político mineiro que tem cotas – minoritárias – na NC Participações é Aécio Neves (PSDB). O tucano também tem cotas na empresa Agropecuária e Florestal Ltda.

A campanha de Newton Cardoso Junior foi majoritariamente financiada pelas empresas do pai, em 2014, na eleição para seu primeiro mandato na Câmara. A Rio Branco Agropecuária, por exemplo, doou R$ 520 mil. A Pitangui Agroflorestal, R$ 120 mil. O próprio Newton Cardoso, o pai, R$ 200 mil.

You may also read!

Conflitos por terra: áreas em disputa no Brasil superam o tamanho da Alemanha

CPT aponta violência em regiões que somam mais de 37 milhões de hectares, mais da metade em terras indígenas;

Read More...

Novo defensor dos agrotóxicos, Nizan Guanaes tem casa de campo com horta orgânica

Publicitário contratado para melhorar imagem do agronegócio vendeu touros e promoveu o Canal Rural; ele tem imóvel na Fazenda

Read More...

Imobiliária põe Ilha das Couves à venda por R$ 31 milhões e será notificada pela União

Informada pelo De Olho nos Ruralistas sobre o anúncio, SPU diz que comercialização de ilhas é proibida pela Constituição;

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu