Estudante da UFG diz que usará novamente camiseta “menos amor, mais glifosato”

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Principal, Últimas

Guilherme Mendes, que apareceu em foto viralizada, diz que tem horta orgânica, defende banimento do agrotóxico e reclama do MST, que associa a “vagabundos”

Ele é um dos estudantes de agronomia da Universidade Federal de Goiás (UFG) que aparecem em foto que viralizou, com a camiseta: “Menos amor, mais glifosato”. Está em primeiro plano, no canto da esquerda. Revoltou-se com a publicação da notícia, pelo De Olho nos Ruralistas, sobre o uso da camiseta em evento da Agro Centro-Oeste Familiar sobre soja e alimentação humana, divulgado pela Emater-GO: “Estudantes de agronomia da UFG pedem ‘menos amor e mais agrotóxico’“. Motivo: glifosato – o agrotóxico mais consumido do mundo, da Monsanto – seria apenas o nome de uma bebida alcoólica consumida pelos universitários.

“Futuro será orgânico”, diz o estudante

Guilherme Ferreira Mendes diz que o futuro é orgânico (estuda a agricultura sintrópica, que utiliza sistema agroflorestal) e que o glifosato, “eficiente e letal”, deve ser banido dos campos, embora considere pior a utilização de outras substâncias. Não vê problema na associação atlética dos estudantes “tirar uma ondinha” com o glifosato e é contra o que chama de invasão de terras. Ele associa os militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) a “vagabundos que não querem saber de trabalhar”.

O observatório fez sete perguntas ao estudante. Ele respondeu cinco, pois considera que as outras estão contempladas em sua “nota de repúdio”. Mendes refere-se ao seguinte comentário (feito em linguagem bastante informal, assim como as respostas da entrevista) publicado no site, como resposta à notícia sobre a camiseta:

“Aí, Alceu, para sua surpresa, nosso objetivo foi atendido, sim, fizemos uma camiseta para provocar pensamento e discussões e, principalmente, anunciar para toda faculdade que alguns querem mais cachaça do que às vezes estar namorando! E outra, cara, são pensamentos distintos, já tem mais de mês que eu estou passando por críticas nas redes sociais, gente querendo me jogar em uma piscina de glifosato, kkkkkkkk. Convido a qualquer um saber da minha vida, para os que não têm nada pra fazer é só ficar postando merda, eu possuo uma horta orgânica e gasto muito com cursos de (agricultura) sintrópica e estudos direcionados para o nosso futuro, que é orgânico. Eu sei quem fez o primeiro post da foto, o incrível é que ninguém comentou que na mesa do evento não estava um grande apoiador (inclusive financeiro) e deram lugar para um cabeça dessa organização muito ‘fraudável’ que é o MST. Agora, se a feira da Agro Centro-Oeste pode receber de braços abertos vagabundos que não querem saber de trabalhar, só de ganhar terra dos outros, por que a nossa Atlética não pode tirar uma ondinha do glifosato! Eu só não havia respondido às provocações porque estava em semana de provas, e eu tenho o que fazer! Ah, eu sou esse gordim loirim modelo da camiseta, agro estaremos contigo, com o glifosato na mão. O paieiro me espera, vai começar a festa. Agro dos loucos!”

Segue a entrevista feita por Alceu Luís Castilho, e respondida por email:

Qual a sua posição sobre o uso de glifosato? Está ciente da polêmica internacional que cerca o uso do agrotóxico?

Sim, estou ciente das grandes discussões a respeito. Sobre o glifosato prefiro tratá-lo como um defensivo muito eficiente, porém letal a nós. O uso da substância já está mais do claro que deve ser banido dos campos, contudo o não uso e a macroprodução de alimentos atrairia pragas e o combate poderia ser pior, por se tratar de outros químicos. A grande solução é o orgânico, mas precisamos de tecnologia que maximize a produção e facilite o transporte sem perdas.

Protesto na Europa contra o uso do agrotóxico da Monsanto.

Vocês dizem que glifosato é o nome de uma bebida alcoólica consumida na universidade. Por que colocar o nome de um pesticida numa bebida?

Foi o único que se igualou ao nível percentual de câncer!

O evento era público, sobre soja na alimentação humana, e discutiu o uso de agrotóxicos. E vocês posaram com a camiseta. Consideram, de fato, que ela ia ser tomada apenas como uma piada local?

Sim, pois ninguém tem nada a ver com a minha vida, o dinheiro é meu e eu compro a camiseta que eu quiser, foda-se o “auê” que vai causar. Jovens vestem camisetas de tudo e é assim que vocês os julgam?? Se estiver com uma camiseta sexy significa que eu quero sexo? Ou se eu estiver com uma camiseta “salva gatas”, kkkkk?? Nada a ver.

Qual a sua posição em relação ao MST?

Reforma agrária é uma coisa, MST é outra. Não concordo com as atitudes dos rebeldes, a maioria das pessoas que estão lá de fato não precisam de terra, estão por interesse. Pagam pessoas pra olhar a barraca e saem em carros consideravelmente novos. Se existe terra para ser desapropriada, o Incra se encarregará de tudo, não há necessidade de as pessoas invadirem a terra. Até mesmo por motivos de segurança, será que o mundo ainda não percebeu que resolvemos tudo juridicamente e passivamente?

Usaria de novo a camiseta, em público?

Mas com toda a certeza do mundo. Eu uso todas as semanas e pretendo usar mais vezes, e se preparem que semestre que vem tá chegando e tem mais! Kkkkkk.

***

O observatório também pediu ao estudante detalhes sobre a composição da mesa do evento em Goiânia, aspecto que não ficou claro em sua resposta inicial. Mas ele preferiu não comentar. Também foi perguntado se ele considera que o futuro “orgânico”, como diz, é compatível com o modelo do agronegócio. Igualmente não quis responder. Foi oferecido, ainda, espaço para que ele fizesse outros comentários sobre os temas da entrevista.

LEIA MAIS:
Estudantes de agronomia da UFG pedem ‘menos amor e mais agrotóxico’

You may also read!

Comandante do Exército repete fala dos ruralistas sobre Amazônia

Assim como deputados da Frente Agropecuária, ele diz que "ONGs internacionais" usam ambientalismo e indigenismo para neutralizar a exploração

Read More...

Filme mostra degradação ambiental causada pela monocultura do eucalipto na BA e no ES

"Desertos Verdes" dá voz a indígenas, camponeses e quilombolas; eles são expulsos, ameaçados e veem aviões das grandes empresas

Read More...

Deputado Wlad emplaca irmão no comando da Superintendência do Incra no Tapajós

Réu no STF e com mandato cassado pelo TRE, Wladimir Costa (SD-PA) também recebeu emendas como agrado do governo

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu