Desoneração da agricultura aumentou 14% nos últimos 3 anos; em 2017 soma R$ 26 bilhões

In De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, De Olho nos Retrocessos, Governo Temer, Principal, Últimas

Apesar da série de déficits fiscais iniciada em 2014, já na casa dos R$ 159 bilhões, governo aumenta a renúncia; a deste ano supera despesas com saúde e educação

Por Cauê Seignemartin Ameni

Em 2014, a Receita Federal deixou de arrecadar em impostos R$ 23,3 bilhões com as atividades econômicas de setores da agricultura. Essa renúncia específica do governo saltou para R$ 26,58 bilhões em 2017 – um aumento de 14,08% nos últimos três anos. Somando todas as “renúncias tributárias” concedidas este ano, com caráter “compensatório” ou “incentivador”, e os créditos e benefícios financeiros para algumas atividades econômicas o Fisco deixará de arrecadar R$ 406 bilhões.

O valor supera todas as despesas com saúde e educação e equivale um aumento de 7,4% em relação a 2016, que teve uma renuncia de R$ 378 bilhões. Os dados foram publicados no G1, a partir de informações da Receita Federal e do Tribunal de Contas da União (TCU): “Renúncia fiscal soma R$ 400 bi em 2017 e supera gastos com saúde e educação“.

Clique aqui e receba o boletim De Olho nos Retrocessos

A renúncia para o setor agrícola se refere aos seguintes itens:

-> Desoneração da Cesta Básica: R$ 17,58 bilhões
-> Exportação da Produção Rural: R$ 6,26 bilhões
-> Seguro rural: R$ 218 milhões
-> Zona Franca de Manaus: R$ 1,24 bilhão

Um dos itens da renúncia fiscal no setor energético também diz respeito diretamente ao agronegócio. É aquele relativo ao biodiesel: R$ 65 milhões do total de R$ 4,14 bilhões do setor.

QUAL O PAPEL DO AGRONEGÓCIO?

Em paralelo a essas desonerações bilionárias, o governo sofre com a falta de caixa para fechar as contas num cenário de crise. Desde 2014, a União soma déficits fiscais após uma longa série de superávits iniciada em 1998. Em 2016, o governo Temer chegou ao ponto mais alto registrado pela série histórica do Tesouro Nacional, com um rombo fiscal de R$ 161,29 bilhões. A meta vigente para o déficit fiscal deste ano foi revisada de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões.

Os pacotes de desoneração têm como objetivo incentivar alguns setores da economia. A estratégia foi utilizada tanto pelo governo de Dilma Rousseff quanto pelo governo Temer. Para este ano, os benefícios financeiros e creditícios estão estimados em R$ 121,13 bilhões. A desoneração tributária está avaliada no valor de R$ 284 bilhões.

(Foto: Beto Barata/PR)

O agronegócio está entre os setores mais beneficiados com a medida. Metade dos votos para a derrubada de investigação contra Michel Temer na Câmara, no início de agosto, diante da denúncia de corrupção passiva movida pela Procuradoria-Geral da República, saiu da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). E essa dependência é ainda maior: o Congresso tem dezenas de deputados e senadores ruralistas – proprietários de terras ou empresas agropecuárias, por exemplo – que não fazem parte da FPA. Esses parlamentares, em sua maioria, também apoiam Temer.

MENOS QUE UM CAFEZINHO POR HECTARE

O relatório Terrenos da desigualdade: terra, agricultura e desigualdade no Brasil rural, publicado pela Oxfam, esmiúça os benefícios tributários para o agronegócio e alerta sobre os riscos embutidos. Um deles é a Lei Kandir, editada em 1996, que isenta o pagamento de ICMS aos produtos primários e produtos industrializados destinados à exportação, gerando perdas aos estados em torno de R$ 22 bilhões por ano.

Em 2014, ainda durante o governo Dilma, a bancada ruralista conseguiu a isenção de 9,25% na cobrança do PIS (Programa de Integração Social) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) na venda de soja para todos os fins comerciais. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, é um dos maiores produtores de soja do mundo.

O estudo da Oxfam também mostra como o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR), principal tributo no meio rural, é ineficaz. Embora seja um imposto progressivo em relação ao tamanho e utilização do terreno, a cobrança foi responsável por apenas 0,0887% da carga tributária em 2014, percentual médio constatado desde 1990.

Como consequência dessa injustiça fiscal, os grandes e médios proprietários passaram a pagar menos ITR por hectare. A média caiu de R$ 1,59 por hectare, em 2003, para R$ 1,52 em 2010.

OS DEMAIS SETORES

Outros setores que tiveram desonerações em 2017 são:

– Comércio e Serviços: R$ 82,78 bilhões (29% do total)
– Trabalho: R$ 43,17 bilhões (15,16% do total)
– Indústria: R$ 35,13 bilhões (12,34% do total)
– Saúde: R$ 36,01 bilhões (12,64% do total)
– Educação: R$ 14,17 bilhões (4,98% do total)
– Assistência Social: R$ 12,73 bilhões (4,47% do total)
– Habitação: R$ 11,25 bilhões (3,95% do total)
– Ciência e Tecnologia: R$ 10,1 bilhões (3,55% do total)
– Transporte: R$ 4,99 bilhões (1,75% do total)
– Energia: R$ 4,14 bilhões (1,46% do total)
– Cultura: R$ 1,83 bilhão (0,64% do total)
– Direitos da Cidadania: R$ 753 milhões (0,26% do total)
– Desporto e Lazer: R$ 706 milhões (0,25% do total)

LEIA MAIS:
Proprietários de terra devem quase R$ 1 trilhão à União
Ruralistas da ‘bancada do Refis’ devem R$ 135 milhões à União; seus líderes respondem por crimes tributários no STF

You may also read!

IV Tribunal Tiradentes, em SP, julga Congresso Nacional no dia 25; questão agrária será um dos grandes temas

Escritor Fernando Morais será o acusador; Chico Whitaker, o defensor; Antônio Carlos Malheiros, o juiz; coordenador do De Olho

Read More...

Comandante do Exército repete fala dos ruralistas sobre Amazônia

Assim como deputados da Frente Agropecuária, ele diz que "ONGs internacionais" usam ambientalismo e indigenismo para neutralizar a exploração

Read More...

Filme mostra degradação ambiental causada pela monocultura do eucalipto na BA e no ES

"Desertos Verdes" dá voz a indígenas, camponeses e quilombolas; eles são expulsos, ameaçados e veem aviões das grandes empresas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu