FHC, o Fazendeiro – Prefeitura de Botucatu pagou R$ 5 por uma das fazendas da família

In De Olho na Imprensa, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Dado foi registrado no primeiro cartório do município e abre a reportagem de capa da revista CartaCapital, feita pelo De Olho nos Ruralistas, sobre o ex-presidente

A revista CartaCapital que começou a circular neste fim de semana traz reportagem do De Olho nos Ruralistas sobre Fernando Henrique Cardoso. Ela traz novidades em relação à série de 27 textos publicados em maio no observatório, sobre a face agrária do ex-presidente: “FHC, o Fazendeiro – tudo sobre as terras da família, os amigos pecuaristas e a Odebrecht“. Desta vez são dois textos: um de dez páginas, outro de quatro páginas.

As novidades estão no início. Confira as informações que abrem a reportagem, apuradas pelo editor Alceu Luís Castilho em Botucatu (SP):

“Cinco reais. Esse foi o preço pago pela prefeitura de Botucatu pelos 36,54 hectares de uma das duas fazendas da família de Fernando Henrique Cardoso no município do centro-sul paulista, em 29 de maio. Uma empresa em nome dos três filhos do ex-presidente tem no local duas propriedades rurais: a rigor, um canavial localizado em região de mananciais, numa Área de Proteção Ambiental. Repetindo o preço pago pelas terras: 5 reais.

Houve um acordo amigável: a Fazenda Rio Pardo já tinha sido expropriada, em março, para a construção de uma represa. A cifra investida em 2012 pela empresa Goytacazes Participações, na época administrada por FHC, foi de 643 mil reais. A filha Luciana Cardoso esteve com o prefeito Mário Pardial, do PSDB, em abril, para selar o acordo. O bem já estava somente nos nomes dela, da irmã Beatriz e do irmão Paulo Henrique.

Os dados do 1º Oficial de Registro de Imóveis da Comarca de Botucatu, no interior paulista, mostram que a outra fazenda da família, a Três Sinos, manteve-se até agora intacta. O processo de desapropriação (40 hectares do total de 204,77 hectares) está correndo. Com isso, os filhos de FHC receberão mais 5 reais. Assim como a Rio Pardo, contígua, a Três Sinos foi comprada em 2012 dos mesmos donos, parentes do industrial Ivan Zarif (eles mantiveram propriedades homônimas na mesma região), falecido no ano anterior. Preço: R$ 3,6 milhões de reais. Total pago pelas duas propriedades: R$ 4,23 milhões”.

Assim que a reportagem estiver no site da CartaCapital repercutiremos em nossas redes sociais. Acompanhe nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram.

 

You may also read!

Dos 50 congressistas com atuação anti-indígena, 20 foram reeleitos e 3 mantêm mandato

Autores de projetos que dificultam as demarcações, autorizam exploração dos recursos naturais em terras indígenas e beneficiam agronegócio continuarão

Read More...

Com apenas dois membros reeleitos, Frente Parlamentar da Agropecuária perde 10 cadeiras no Senado

Candidatos tradicionais ao Senado como Jucá, Waldemir Moka, Magno Malta e Benedito de Lira não conseguiram se reeleger; agora

Read More...

Primeira deputada federal indígena, Joenia Wapichana quer garantir sustentabilidade das terras tradicionais

Eleita com mais de 8 mil votos por Roraima, a primeira advogada indígena do país tem trajetória marcada pela

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu