Bolsonaro quer Amazônia desmatada com exploração pelos EUA; Haddad, desmatamento zero

In Amazônia, De Olho na Política, De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

O candidato do PSL também defende aumentar número de hidrelétricas na região; Fernando Haddad (PT) propõe um modelo ecológico de desenvolvimento territorial

Por Leonardo Fuhrmann

As propostas de Jair Bolsonaro e Fernando Haddad em relação à Amazônia são opostas. O candidato do PSL defende a exploração da região, “em parceria com países democráticos, como os Estados Unidos”. Um de seus principais formuladores para a agropecuária considera um absurdo a proposta de desmatamento zero – meta defendida pelo candidato petista.

O militar falou publicamente sobre o assunto em várias ocasiões, embora seu programa de governo não traga detalhamentos. “A Amazônia não é nossa e é com muita tristeza que eu digo isso, mas é uma realidade e temos como explorar em parcerias essa região”, disse Bolsonaro em Natal, em maio de 2018.

Haddad propõe zerar o desmatamento líquido da Amazônia até 2022, que significa acabar com a diferença entre o desmatamento de novas áreas com “aptidão agrícola” e o reflorestamento de áreas já ocupadas sem aptidão agrícola.

TERRAS INDÍGENAS SÃO ASSOCIADAS A ‘NOVOS PAÍSES’

Em Manaus, em dezembro de 2017, Jair Bolsonaro afirmou que a exploração da Amazônia poderá ser feita principalmente por empresas mineradoras, inclusive em terras indígenas, que comparou a “zoológicos”.

Povo Yanomami é uma das principais vítimas de conflitos. (Foto: Nigel Dickinson /WWF)

Em abril de 2018, no programa do Agora é Domingo, da Band, o candidato do PSL voltou a associar terras indígenas à internacionalização da Amazônia, em uma conversa com o apresentador José Luiz Datena. “O primeiro mundo está de olho. Em breve, poderemos ter novos países dentro do Brasil”.

A proposta de exploração internacional do bioma é defendida pelo general Antônio Mourão (PSC), candidato a vice-presidente: “Ninguém pode temer investimento estrangeiro. Nós ainda estamos naquela de que vão tomar a Amazônia. Vão, porra, comprar as terras na fronteira, não podemos temer isso”.

As declarações de Mourão vão ao encontro da visão exposta pelo general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército no governo Temer: “Comandante do Exército repete fala dos ruralistas sobre Amazônia“.

Um dos cotados para assumir o Ministério da Agricultura, o presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, disse em entrevista à Folha que há espaço para o desmatamento na região. Ele foi um dos coordenadores do plano de governo relativo à agropecuária. “Absurdo falar em desmatamento zero”, afirmou.

Além da exploração estrangeira, Bolsonaro defende a expansão das hidrelétricas na Amazônia e quer garantir que os licenciamentos sejam liberados em apenas três meses.

HADDAD QUER TRANSIÇÃO ECOLÓGICA PARA A REGIÃO

Ato em Belém com Fernando Haddad, (Foto: Cláudio Kbene/Fotos Públicas)

O programa do candidato Fernando Haddad (PT) propõe uma “transição ecológica” para a Amazônia, que representaria a liderança na criação de alternativas como um “modelo ecológico de desenvolvimento territorial mediado pela tradição, pela cultura e pela convivência harmoniosa com a floresta”.

A transição enfrentaria as atividades madeireiras e queimadas ilegais, a expansão desordenada da pecuária e da soja. Nesse contexto, Haddad propõe zerar o desmatamento líquido da Amazônia até 2022. Desmatamento líquido significa a diferença entre o desmatamento para exploração econômica e o reflorestamento de áreas degradadas.

Para Haddad, a Amazônia brasileira teria o papel de contribuir para integração sul-americana, com os países que fazem fronteira.

Em relação à população amazônica, o petista prevê o fortalecimento do Programa Reluz e a expansão do Programa Luz para Todos para as localidades isoladas, além da ampliação das políticas de saneamento rural.

You may also read!

Novo chefe do Serviço Florestal, Colatto adquiriu terras públicas em Rondônia durante a ditadura

Incra tentou reaver a fazenda em Vilhena ao constatar que as terras são improdutivas; imóvel foi ocupado por posseiros,

Read More...

Baru, pequi, jatobá: saiba como a Central do Cerrado escoa frutos colhidos por camponeses

Administrada por agroextrativistas, união entre cooperativas beneficia 8 mil famílias por meio da comercialização de produtos nativos do bioma;

Read More...

ONG ligada à ministra Damares levou malária a indígenas isolados

Roteiro de missionários incluiu construção de pistas de pouso clandestinas, contrabando de sementes e viagens sem autorização em busca

Read More...

Mobile Sliding Menu