Veja como Marielle Franco esteve presente nas mobilizações de camponesas pelo país

In De Olho nos Conflitos, Em destaque, Principal, Últimas

Imagem da vereadora carioca foi lembrada em atos realizados por camponesas em pelo menos cinco estados; homenagens foram feitas em protesto contra a Vale, em Minas, e na ocupação de fazenda de João de Deus, em Goiás

Mulheres camponesas, indígenas e quilombolas homenagearam a vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) nos atos e mobilizações feministas em todo o País, entre a sexta-feira (8), o Dia Internacional da Mulher, e a quinta-feira (14), data do aniversário da morte da líder e atividade carioca. Ela foi assassinada há um ano, no dia 14 de janeiro, junto com o seu motorista, Anderson Gomes.

“Marielle vive” foi o grito mais ouvido em todas as manifestações. As líderes rurais denunciaram que os trabalhadores do campo estão entre os grupos mais atingidos pelas medidas adotadas pelo governo Bolsonaro em seus dois primeiros meses de mandato. Leia mais aqui sobre os atos: “Confira as mobilizações das indígenas e camponesas neste 8 de março“.

(Foto: Thainá Regina/MST)

Na quarta (13), mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST e do Movimento Camponês Popular (MCP) ocuparam a Fazenda Agropastoril Dom Inácio, no município de Anápolis (GO), uma das propriedades do médium João de Deus, acusado de abusar sexualmente de mais de 500 mulheres. O acampamento recebeu o nome de Marielle Franco. Um ato político, no dia seguinte, encerrou a Jornada Nacional de Luta das Mulheres Sem-Terra na região. Leia mais sobre a ocupação.

(Foto: MST)

Em Valinhos (SP), militantes do MST homenagearam a vereadora no acampamento Marielle Vive, na Estrada dos Jequitibás, na quinta-feira (14). onde vivem 1.100 famílias. As mulheres organizaram um “Amanhecer por Marielle”. Vivem no acampamento 1.100 famílias.

(Foto: Reprodução)

Em Sarzedo, município vizinho de Brumadinho, em Minas Gerais, manifestantes do MST bloquearam a passagem de um trem da Vale, na quinta (14), em protesto contra o crime da Vale, o tsunami que matou 2oo pessoas. Marielle foi lembrada em uma pichação.

(Foto: CPT)

Também na quinta, a Comissão Pastoral da Terra (CPT), durante o seu Encontro Nacional de Comunicadores e Comunicadoras, homenageou a vereadora. Os participantes do evento perguntaram: “Quem mandou matar Marielle?”

(Imagem: MAB)

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB ), que celebrou na quinta-feira o Dia Internacional de Luta Contra as Barragens, em Defesa dos Rios e da Vida, lembrou Marielle Franco e outras camponesas assassinadas: a hondurenha Berta Cáceres e a líderança do próprio movimento Nilce de Souza Magalhães, conhecida como Nicinha (morta em 2016, em Porto Velho).

(Foto: Reprodução)

No Dia Internacional da Mulher, militantes do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) se somaram às companheiras do MAB e do MST em uma grande marcha pelas ruas de Florianópolis (SC) em homenagem à vereadora carioca.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.