Extinção de radares nas estradas ameaça biodiversidade e estimula atropelamento de animais

In De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

A cada segundo, quinze animais são atropelados nas estradas brasileiras; o número poderá crescer muito, com prejuízo bastante significativo para a biodiversidade, caso sejam retirados equipamentos de controle da velocidade, como quer Bolsonaro

Por Maria Lígia Pagenotto

Ao defender mais uma vez, no início do mês, a redução de radares nas rodovias federais, o presidente Jair Bolsonaro colocou em risco, além de muitas vidas humanas, uma imensa parcela de animais silvestres. Dados do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE), órgão ligado à Universidade Federal de Lavras (MG), mostram que morrem, por ano, 475 milhões de animais selvagens, de todos os portes, vítimas de atropelamento.

O presidente afirmou seu desejo de diminuir drasticamente o número de radares para proporcionar às pessoas “mais prazer em dirigir“. Segundo ele, os radares não cumprem a função de proteger a vida, são apenas “caça-níqueis”. Sua intenção – anunciada sem nenhum respaldo técnico e sem citar dados – vai na contramão do que apontam diversas pesquisas.

Um estudo divulgado pela Folha comprova que o número de acidentes fatais nas estradas brasileiras é menor onde há radares: as mortes caíram 21% nos trechos onde o equipamento foi colocado. Além de do impacto sobre a morte de pessoas, os radares contribuem também para a menor perda de animais – um dado que, no Brasil, provavelmente, é ainda maior do que o estimado pelo CBEE.

“Já refiz esse cálculo e o número de mortes de animais é, com certeza, superior ao que divulgamos”, diz Alex Bager, coordenador do CBEE. A velocidade, assegura, é fator primordial no aumento de acidentes fatais. Segundo ele, um estudo internacional mostrou que nas rodovias onde o limite de velocidade é de 90 km/h a redução em 10 km/h já seria capaz de reduzir em 20% o número de atropelamentos.

A notícia da extinção dos radares se junta a outras anunciadas pelo governo para tornar mais crítica ainda a situação dos animais brasileiros: a ampliação da licença para porte e uso de armas e corte de verbas para as universidades públicas. “Certamente haverá reflexos no monitoramento desses dados, pois 100% das pesquisas sobre biodiversidade são realizadas por universidades ou por instituições vinculadas a elas”, segundo Bager.

CERCAR RODOVIAS É UMA DAS AÇÕES PREVENTIVAS 

Para Bager, é preciso investir em estratégias específicas para reduzir as mortes de animais. (Foto: Divulgação)

A BR-262, que liga os estados  do Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso do Sul, afirma Bager, é a estrada onde ocorre o maior número de morte de animais silvestres no Brasil. Para reduzir esse impacto, foi colocado um radar no trecho entre Miranda e Corumbá – uma extensão equivalente a menos de 300 quilômetros, numa rodovia que possui cerca de 2,5 mil quilômetros.

Esse tipo de ação, segundo Bager, embora produza resultados positivos, é muito pontual e abarca um trecho muito curto de uma estrada em que circulam diversas espécies animais. Nas rodovias brasileiras, diz o pesquisador, a maior parte dos equipamentos redutores de velocidade é colocado visando somente o controle do tráfego. Para proteção específica da fauna, são raríssimos os investimentos, especialmente aqueles feitos, de acordo com o presidente do CBEE, de forma adequada.

No exterior, as medidas de mitigação dessas mortes são mais amplas. Os equipamentos também obedecem a algumas estratégias específicas. Ele cita o cercamento das rodovias, uma medida que pode diminuir em mais de 80% os acidentes, e os viadutos vegetados, onde os carros passam por baixo da via, as chamadas passagens inferiores, e a parte de cima fica restrita aos animais.

“Um excelente exemplo de proteção eficiente à biodiversidade é o Parque Nacional Banff, no Canadá”, aponta Bager. “Uma autoestrada de 82 quilômetros, com quatro pistas, corta a área verde do parque, mas há viadutos destinados apenas aos animais, além de passagens inferiores”.

No Brasil, essas medidas, que existem esparsamente, precisam ser melhor planejadas, segundo o presidente do CBEE. Dados sobre o parque canadense indicam que, com as passagens, as taxas de mortalidade nas estradas que cortam o local caiu mais de 80%, pois os animais, especialmente os de grande porte, se valem delas para os deslocamentos.

Barger afirma que conhece apenas três passagens vegetadas no Brasil. Uma delas, na Rodovia dos Tamoios, no estado de São Paulo, está inacabada. Há ainda uma passagem de fauna, construída em 2017 pela Vale, sobre a ferrovia que corta a Floresta Nacional de Carajás, no Pará, e, uma terceira, no Rio, construída para proteger os mico-leões-dourados na Reserva Biológica de Poço das Antas, na rodovia BR-101.

DNIT QUER FAZER ACORDO POR MAIS RADARES NAS ESTRADAS

Entre os animais de pequeno porte vítimas dos carros,  os vertebrados (sapos, pequenas aves, cobras) estão na frente, respondendo por 90% das mortes. Em seguida, vêm os vertebrados de médio porte (gambás, lebres, macacos) – 9% – e, por fim, os animais maiores, com 1% (vários tipos de onça, tamanduá, lobo-guará, anta, veados, capivara).

Veados, capivaras e tamanduás estão entre espécies que mais sofrem com o tráfego nas estradas. (Foto: ICMBio)

Embora a vontade de abolir radares do presidente tenha sido explicitada em programa de televisão de grande audiência, Bager afirmou que a medida vai de encontro, inclusive, com questões econômicas.

De acordo com o DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres),  os acidentes ocorridos no trânsito brasileiro em 2017 provocaram impacto de R$ 199 bilhões na economia (3,04% do PIB), a contar pelas mortes de pessoas, ferimentos e danos materiais. Um custo que pode ser reduzido drasticamente com radares, como apontam diversos estudos.

Em defesa dos equipamentos, diz o presidente do CBEE, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit),  ligado ao Ministério da Infraestrutura, enviou à Justiça, na sexta-feira (10), um documento propondo acordo, pelo Ministério Público Federal,  para a instalação de radares em rodovias do país. Bolsonaro afirmou, na tevê, que 8 mil processos para solicitar a instalação de radares em rodovias federais foram negados pelo ministro Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura.

Segundo o documento, 8.031 faixas precisam de monitoramento (radar comum ou lombada eletrônica) em todo o país, o que demanda cerca de 4 mil equipamentos. Cada radar cobre, na maioria dos casos, duas faixas. O número atual de equipamentos está muito aquém disso: são 265 aparelhos nas rodovias federais que não são administradas pela iniciativa privada. Eles monitoram 560 faixas no Brasil inteiro.

A instalação para a redução das mortes de animais, no entanto, pede análises específicas, especialmente em pontos críticos das rodovias, segundo Bager: “Estamos nos organizando no Congresso para a implantação de medidas visando a redução do prejuízo à biodiversidade. Precisamos de políticas públicas que levem em conta essa questão com urgência”.

You may also read!

De Olho na História (I) — Margarida Maria Alves: “Da luta não fujo”

A camponesa de Alagoa Grande (PB) foi assassinada a mando de latifundiários em 1983; os criminosos não foram condenados,

Read More...

Margarida Maria Alves abre a série De Olho na História

A trajetória de mulheres camponesas, indígenas e quilombolas compõe nova seção do observatório, com retratos de resistência feminina no

Read More...

Christiane, Aida, Marcia, Maria, Adelia: cinco histórias de Margaridas

Mulheres de todas as idades, do campo e da cidade, levaram para Brasília diferentes pautas para o encontro de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.