Ruralistas são metade da nova Frente Parlamentar da Alimentação e Saúde

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Principal, Últimas

Relator do PL do Veneno, Luiz Nishimori, é um dos 120 deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária que estão no novo bloco, ao lado de dez senadores que também defendem o agronegócio e a flexibilização das leis sobre agrotóxicos

Por Priscilla Arroyo

Foi lançada nesta quarta-feira (29) a Frente Parlamentar da Alimentação e Saúde, que tem como proposta promover políticas públicas para garantir a segurança alimentar dos brasileiros. Na prática, criar novas leis. Metade dos 254 membros da nova iniciativa pertence também à Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), organização que representa o interesse dos ruralistas no Congresso. De Olho nos Ruralistas apurou que dez entre os vinte senadores da nova frente e 120 entre os 253 deputados estão nos dois grupos.

Um desses deputados com os pés nas duas canoas é Luiz Nishimori (PR-PR), relator do Projeto de Lei nº 6.299, que visa mudar a legislação dos agrotóxicos. O projeto é conhecido como “Lei do Veneno”. O deputado também é empresário: “Relator do PL do Veneno, Luiz Nishimori vendeu agrotóxicos no Paraná“. E defende empresas do setor: “Deputado pró-agrotóxicos promoveu Mitsui, empresa flagrada com venenos ilegais na BA“.

O PL do Veneno foi aprovado em uma comissão especial da Câmara em junho de 2018. O Instituto Nacional do Câncer, ligado ao Ministério da Saúde, e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) entenderam que o texto flexibiliza o uso dessas substâncias, o que coloca em xeque a segurança de trabalhadores do campo e da população em geral.

COORDENADOR QUER AUTOFISCALIZAÇÃO PELO AGRONEGÓCIO

O presidente da FPA, deputado Alceu Moreira (MDB-RS), definiu a nova frente como “um novo braço da Frente Parlamentar da Agropecuária”. Só que trabalhando com o vértice da alimentação e da saúde. “Esse conceito vai levar o agro para o consumo, para o centro urbano”, afirmou. Entre os signatários da Frente Parlamentar da Alimentação e Saúde, porém, estão congressistas ligados a movimentos socioambientais – com orientação distinta daquela dos defensores do agronegócio.

Coordenada pelo deputado federal Evandro Roman (PSD-PR), a iniciativa tem como objetivo promover políticas públicas que garantam a segurança alimentar e nutricional da população. Ele afirma que a ideia é trabalhar em parceria com entidades e órgãos públicos para estabelecer compromissos entre o Congresso e a sociedade civil. Roman defende um projeto do Ministério da Agricultura que prevê autofiscalização do agronegócio. O modelo propõe contratação de profissionais liberais por frigoríficos e indústrias de alimentos para auxiliar na fiscalização agropecuária estadual e municipal no Brasil.

Outro deputado que faz parte da FPA e da nova frente é o ex-ministro da Agricultura Neri Geller, historicamente a favor do uso de pesticidas. Durante o seu mandato (2014-15), Geller defendeu que o impedimento na utilização de algum tipo de veneno no País, entre eles o glifosato, pode “banir a agricultura brasileira”. De acordo com a Agência Internacional para Pesquisa do Câncer (IARC), a substância é provável causadora de câncer.

Outro signatário da frente da alimentação é o deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) atua na diretoria da Frente Parlamentar da Agropecuária como vice-presidente na região Sudeste. Assim como Geller, ele defende o “PL do Veneno”. Jardim se tornou coordenador de outra frente lançada nesta quarta-feira, em defesa do setor sucroenergético. A cana-de-açúcar é a monocultura mais incidente em São Paulo, estado campeão no uso de agrotóxicos.

INICIATIVA FAZ PARTE DE MARKETING DO AGRONEGÓCIO

O lançamento da Frente Parlamentar da Alimentação e Saúde faz parte de um contexto de ações midiáticas do setor empresarial para amenizar os efeitos nocivos do agronegócio. A iniciativa mais conhecida é a campanha “Agro é Tech, Agro é Pop, Agro é Tudo”, repetida exaustivamente no horário nobre da Rede Globo desde meados de 2016.

Marketing ostensivo: com informações “alternativas” sobre pesticidas. (Imagem: Reprodução)

Em abril foi lançada a campanha Agrosaber, que visa suavizar a opinião da população em relação ao uso de veneno nos alimentos. Outro exemplo foi o lançamento no dia 14 do programa Conexão Brasília, exibido pelo Canal Rural, que pertence à JBS – uma das empresas que financiam a campanha Agro é Pop. A atração promete transmitir toda semana entrevistas ao vivo com membros da Frente Parlamentar da Agropecuária.

O Conexão Brasília é produzido em parceria com Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (Abrass) e Associação dos Produtores de Soja do Brasil de Mato Grosso (Aprosoja-MT). Ambas organizações financiam as atividades da bancada ruralista por meio de recursos fornecidos ao Instituto Pensar Agropecuária (IPA).

A Aprosoja é uma das dezenas de associações ligadas ao agronegócio que financiam a campanha pró-agrotóxicos, a Agrosaber.

You may also read!

Com Bolsonaro, a vida na única reserva extrativista do Mato Grosso está mais difícil

Moradores contam que um avião sobrevoou as casas em fevereiro atirando veneno tanto quanto podia; Assembleia Legislativa tentou acabar

Read More...

Matopiba concentra mais da metade das queimadas no Cerrado

Uma das principais fronteiras do agronegócio no Brasil, região também lidera casos no acumulado de 2019, com aumento de

Read More...

Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

Em sua 9ª edição, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado reuniu indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco e

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.