“Agro é pop”: propaganda da Globo sobre cana tem imagens de escravos

In De Olho na Imprensa, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Empresas brasileiras, Principal, Relações de trabalho, Últimas

Gravuras de Henry Koster e Hercule Florence sobre engenhos ilustram trecho que celebra os R$ 52 bilhões movimentados pelo setor; JBS e Ford patrocinam

Por Alceu Luís Castilho

– Cana é agro. Desde o Brasil colonial a cana ajuda a movimentar a nossa economia. Hoje em dia a cana gera um dos maiores faturamentos do campo: R$ 52 bilhões.

Assim começa a propaganda da Globo sobre a cana-de-açúcar. A peça exibida em horário nobre, em rede nacional, tem 1 minuto. E se encerra com o bordão da série patrocinada pela própria emissora, em defesa do agronegócio: “Agro é tech. Agro é pop. Agro é tudo“. O patrocínio específico é da Seara – marca do grupo JBS – e da Ford, com a marca Ford Ranger.

As imagens que ilustram a “movimentação da economia” mostram escravos. São gravuras sobre engenhos, ambas do século XIX.

“Um Engenho de Açúcar” (1816), por Henry Koster. (Imagem: Reprodução)

A primeira é uma gravura do pintor Henry Koster (1793-1820), filho de ingleses. A rigor, Henrique da Costa, português, senhor de engenho e exportador de café. Foi publicada em 1816 no livro Travels in Brazil, ou “Viagens ao Brasil”, sob o título A Sugar Mill – Um Engenho de Açúcar. Koster chegou ao Brasil em 1812, comprou escravos em Pernambuco e se estabeleceu como fazendeiro. Seu pai, John Theodore Koster, comercializava açúcar. Henry Koster é autor do livro “Como melhorar a escravidão”, também de 1816. Em artigos sobre a obra, a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha mostrou que o direito à alforria e ao peculium (usufruto de uma propriedade), reportados por Koster, só foi registrado em leis escritas em 1871. E esse direito, diz ela, “foi a origem do mito da escravidão branda no Brasil”.

As imagens aparecem logo nos primeiros segundos do vídeo. Assista:

A segunda imagem [na foto principal] é uma aquarela feita por Hercule Florence (1804-1879), francês radicado no Brasil e um dos pioneiros da fotografia no mundo. Chama-se “Engenho de cana – São Carlos“. Florence morava em Vila de São Carlos, que em 1847 passou a se chamar Campinas (SP). Como a gravura é de 1840 ele não se refere, portanto, ao município paulista com esse mesmo nome, São Carlos, fundado na década de 1850, que se tornaria um dos centros da cultura cafeeira no século XIX.

No fim do comercial o locutor define a cana da seguinte forma: “Um sucesso brasileiro há 500 anos”.

LEIA MAIS:
Impactos sociais e ambientais são face esquecida da JBS

You may also read!

Pandemia entre indígenas já atinge os nove estados da Amazônia Legal

Após casos no Acre, somente Maranhão e Tocantins ainda não têm mortes por Covid-19 entre os povos originários; dados

Read More...

Le Monde faz perfil de Tereza Cristina e a chama de “Senhora Desmatamento” de Bolsonaro

Jornal francês diz que "dama de ferro dedicada ao agronegócio" fez uma política que "acaba de levar a um

Read More...

Bolsonaro pressionou Ministério da Agricultura para facilitar agrotóxicos a aliados em SP

Medida que prejudica quilombolas, promulgada em abril, reduz distância mínima para pulverização aérea de venenos em bananais no Vale

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.